António José, o «profissional»…

toze01© zerozero

.
caríssima(o),

o tema da presente posta de pescada“® surge com algum atraso temporal, mas, como não esqueço o que escrevi em Novembro de 2014, tinha que o abordar.
a sua temática poderá suscitar polémica e levantar questões várias, mas garanto-te que «apenas e só» pretendo expor à saciedade o meu ponto de vista. nem sequer visa quantificar e/ou medir e/ou julgar o portismo seja de quem for, por comparação com quem quer que seja. não é esse o objectivo deste que te escreve; aliás, como não me canso de o repetir, o meu portismo (não) é maior do que o teu.

feita esta pertinente advertência, vamos lá ao que nos trouxe aqui, que já se faz tarde e amanhã é dia de labuta…

.
provavelmente o nome António José Pinheiro de Carvalho (aqui) não te dirá muito, ao contrário dos familiares e amigos de Tozé o catraio que se fez homem na formação do FC Porto e que esta época, para ganhar andamento de primeira liga (e provavelmente poder render algum carcanhol num hipotético futuro negócio), foi integrar o plantel do Estoril Praia.

todos nós sabemos o que aconteceu a 09 de Novembro de 2014, aquando da décima jornada: o nosso FC Porto empatou na Amoreira.
nesse encontro, nos canarinhos houve quem se destacasse por uma exibição monstra, e, também, por (supostamente) conseguir ter enervado um dos mais pacatos (no sentido de calmos, pacíficos) portistas que conheço: Rui Barros.

naquela altura, já não tão a quente  devido (sobretudo) ao calor do jogo e ao quarto empate para o campeonato… , escrevi:

« … aliás, Tozé, eu não julguei o teu profissionalismo na Amoreira.
sequer te conden(ar)ei (inclusive na praça pública) pelo enorme jogão que fizeste contra o nosso Amor comum. de facto, encheste o campo com o per7ume do teu futebol, o qual espero, em (muito) breve trecho, vir a (re)vê-lo em pleno palco mágico, para nós, portistas de alma e coração: o relvado do nosso teatro de sonhos azuis-e-brancos.
.

agora, para equilibrares os pratos desta “balança”, desejo (muito! muito!) que retribuas a minha compreensão quando defrontares os nossos rivais e que, no mínimo, lhes faças “gato-sapato” como conseguiste fazer ao Indi. e ao Danilo. e ao Casemiro. e ao Alex Sandro. e ao Fabiano. e ao Maicon. e ao Herrera. »

.
assim sendo, eis-me aqui para tecer a minha análise ao rendimento de Tozé pós-Novembro de 2014, ante as agremiações da Segunda Circular, com a atenuante de ter sido nos antr…, nos redutos destas últimas e com a convicção de que um grande jogador tem futebol qb em qualquer campo, mormente no do adversário.
a 03 de Janeiro de 2015, o Estoril deslocou-se ao reino calimero dos viscondes falidos de Alvaláxia. consta que esta foi a sua produção: (i) aos 40′ «Tozé ia a fugir pelo ataque do Estoril mas foi travado em falta pelos jogadores do spórtém», que (ii) aos 52′ «Tozé dispara muito por cima na sequência de um livre», que (iii) aos 66′ «Sebá mete para Tozé, que remata fraco, para defesa fácil de Rui Patrício», e que (iv) aos 82′ «sai Tozé e entra Balboa».
talvez seja defeito meu mas, comparando com o que aconteceu na Amoreira… fraquinho, muito fraquinho.
.
a 28 de Fevereiro de 2015, o Estoril (na altura) de josé couceiro, defrontou o 5lb e encaixou seis-golos-seis na bilha. desse desafio não há registo de qualquer relevância do jogador em causa, a não ser que: (i) aos 39′ «tenta o Estoril responder. remate de Tozé, mas muito longe da baliza à guarda de artur», que (ii) aos 58′ «Tozé tenta a sorte de longe…» e que (iii) aos 77′ «sai Tozé, entra filipe gonçalves».
muito pouco, convenhamos.
.
já esta última Segunda-feira, Tozé voltou a pisar o relvado do Dragão.
o que mudou, para ele, foi o lado onde alinhou: o do adversário. e que, com a nova equipa técnica, parece ter perdido o estatuto de titular indiscutível. e o per7ume do seu futebol. e o facto da sua actual equipa não ter rematado uma única vez à baliza à guarda de Fabiano curiosamente a única tentativa surgiu dos seus pés, mas foi interceptada, em slide, por Marcano. e a minha perspectiva do jogador em causa. explico.
não me esquecerei da forma como protestou veementemente com o árbitro do encontro o golo de Quaresma (o quinto da partida…), numa alegada falta deste sobre mattheus. parecia que fora graças à validação desse lance que o FC Porto conseguira a vitória… visivelmente inconformado, voltaria a abordá-lo após o apito final, no regresso aos balneários.
.
confesso-te que não gostei. nem um pouco. e que não entendi e que, ainda hoje, não compreendo aquela atitude. e que passei a respeitar um pouco mais quem, em Novembro último, dele e do seu «pseudo-profissionalismo» tanto reclamou, mormente por ter tentado sacar uma expulsão a Martins Indi e por, a vencer, ter demorado em sair do terreno de jogo, aquando da sua substituição.
na altura, considerei-o «profissional»; hoje e pelo que vi no Dragão, acho-o um jogador menor para a grandeza do nosso Clube e não é pela sua estatura à jogador infantil. considero que é um jogador que só calça contra o FC Porto, e que, contra os outros, refugia-se num (para mim) incompreensível anonimato. e que é um jogador que ainda não entende todo o significado que encerra o brasão abençoado, o qual, um dia, almejava sentir, com regularidade, na primeira equipa do FC Porto.
em suma: que muito provavelmente e por estas atitudes, próprias de uma pueril criança, terá passado ao lado de uma carreira no nosso Clube do coração.

é certo que ainda terá (pelo menos) mais uma época para (com)provar o quão precipitado está a ser este meu julgamento e quão errado estou a ser na análise comparativa ao seu desempenho ante os três clubes tugas (ditos) grandes.
mas, ele há coisas que não mudam, como sejam a do carinho com que o nosso público brinda quem lhe quer tão bem” – ou pelo menos algum desse público. assim sendo, estou em crer que, em nova visita ao nosso teatro de sonhos azuis-e-brancos, Tozé voltará a dividir a massa adepta, sendo que estarei certo ao afirmar que a assoBiativa voltará a se sobrepor à associativa que o aplaude.
como não sei assobiar, não fui dos que o fez na passada Segunda e não o farei se nos voltarmos a cruzar. mas, tal como naquela noite, também não o aplaudirei, permanecendo impávido na minha cadeira de sonho a relembrar a falácia do momento em que, depois de ter concretizado a grande penalidade, pede desculpa aos mesmíssimos adeptos que, nem um ano antes, lhe batiam palmas a rodos…

.
disse!
.

Anúncios

12 thoughts on “António José, o «profissional»…

  1. Relativamente ao Tozé, compreendo os que o assobiam, pelo que se passou em Novembro 2014, e os que o aplaudem pelo que fez na sua passagem pelo FC Porto.

    Se eu mandasse alguma coisa no FC Porto, tal pessoa nunca mais iria representar o FC Porto.
    Considero que a sua atitude não é de um profissional, é de alguém que transporta uma mágoa contra o FC Porto por não ter ficado no plantel, e que quer a todo o custo provar que foi uma má decisão. Pena é que só se lembra de tentar provar isso nos jogos contra o FC Porto. Mas como eu não mando nada nem percebo nada disto, vamos ver o que o futuro nos reserva.

    Abraços

    Gostar

  2. Bom dia Sr. Tomo.
    Quanto a este assunto, comentei no blog bibo Porto.
    Mantenho aquilo que lá escrevi. A culpa dele ter jogado contra nós foi única e exclusiva do FCPORTO.
    Dou o mesmo exemplo. Imagine que o belenenses contra as galinhas tinha um penalti aos 85 minutos e quem ia marcar era o Rui Fonte ( óbviamente que ele nem vai jogar, mas imagine que jogava), se ele falha-se o que nós íamos escrever.
    Dou outro exemplo, imagine, e espero que sm o FCPORTO daqui a 3 semans jogue com o Real Madrid. Imagine que há um penalti e o Danilo marca. Acha que os adeptos do Real vão mandar vir com ele? E o Danilo já é jogador do Real Madrid, é o FCPORTO que lhe paga mas sabe que para o Ano não estará cá. Ou acha que se ele falhar eu vou dizer mal do rapaz? Orgulho-me de poder dizer que tenho os melhores pais do mundo, tenho orgulho na educação e nos valores que eles me deram e orgulho-me do meu pai me ter transmitido o Amor, a Paixão, a História do FCPORTO e essa história é limpa.
    Eu quero ganhar, gosto de ganhar, fico sem expressão e amuado quando perdemos ou empatamos mas o emblema que eu e vosso carregamos tem uma história LIMPA. Não tem Calabotes, não tem presidentes a ameaçar arbitros com armas nem nada do gênero. Tenho muito orgulho no nosso passado, no presente e certamente no futuro. Odeio quando questionam as nossas vitórias os nossos méritos.
    Acho que o Tozé não serve para o FCPORTO, mas não o digo agora, já o digo desde á 2 temporadas, a única qualidade dele é marcar penaltis. Não tenho vergonha de que nesse jogo quis que ele marcasse o Penalti pois imagino aquilo que a Comunicação social iria escrever.
    Não o conheço nem a família, não estou a defendê-lo apenas acho que neste aspeto a culpa foi nossa.
    Pois eu pergunto. Acha que ele a jogar deveria de passar a bola aos nossos jogadores? Deveria de fazer 3 penaltis? Deveria de falhar openalti propositadamente? A sua equipa a ganhar a 3 minutos do fim, queria que ele saísse a correr feito maluco?
    Face a percentagem que o nosso clube tem (50%) aquilo que eu quero é que ele jogue muito para encher os cofres ao clube, menos quando joga contra nós, ,as isso a direcção podia ter evitado.
    Pois uma coisa é joagores emprestados, outra coisa é os negócios das galinhas com o Belenenses ( existe em Portugal uma lei para os clubes e uma lei para as Galinhas, sempre foi e sempre será assim).
    Lembra-se em 91/92 quando o bicho (Jorge Costa) emprestado pelo FCPORTO ao clube do guardanapo marcou na própria baliza e nós ganhamos esse jogo.
    Não o conheço nem a família, não estou a defendê-lo apenas acho que neste aspeto a culpa foi nossa.
    Pois eu pergunto. Acha que ele a jogar deveria de passar a bola aos nossos jogadores? Deveria de fazer 3 penaltis? Deveria de falhar openalti propositadamente? A sua equipa a ganhar a 3 minutos do fim, queria que ele saísse a correr feito maluco?
    Bruno Miguel Guedes – 28061

    Gostar

    1. @ Bruno

      antes de tudo, muito obrigado! pela tua visita e pelas tuas gentis palavras!

      depois e porque estivemos no “III Encontro da Bluegosfera”, em Espinho, no ano passado, deixa-te lá de tretas, que “o Senhor está no Céu” e o Miguel na terra (sendo que «sr Tomo» está fantástico 😀 já sei que vou ter os lampiões que por aqui gravitam a aproveitar-se dessa tua ideia 😀)

      sobre o António José:

      1)
      respeito as tuas palavras, bem como as dos demais participantes neste tema. todas elas são válidas, pois todas elas manifestam diferentes formas de expressar o nosso portismo. não somos “ovelhas”, não somos “seguidistas”, somos todos diferentes e o que nos une é essa irracionalidade numa paixão comum: o FC Porto.

      2)
      nada tenho a acrescentar ao que já escrevi no texto principal.
      mesmo assim, nota que (i) aquando da partida da Amoreira não critiquei nem julguei a atitude profissional do Tozé, num jogo em que se destacou e se fez por destacar – atitude essa que inclui todos os lances em que participou e/ou onde foi protagonista.
      também não o critiquei por ter tentado sacar uma expulsão ao Indi ou por ter demorado na saída do terreno de jogo, exactamente pelos motivos que (não) referes: estava a alinhar pelo adversário e a ser profissional.
      mais: tal como tu, também quis que convertesse a grande penalidade pelos exactos motivos que invocas: «imagino aquilo que a Comunicação social iria escrever» [se ele falhasse].

      3)
      o meu foco no escrito acima e é exactamente essa a minha crítica para o Tozé, é que, nos jogos que se seguiram, ante os nossos rivais, ele não demonstrou 1/10 (um décimo) do empenho, da raça, da abnegação, da entrega que ele teve contra nós – inclusive nos quinze minutos em que regressou ao Dragão.
      este é que é o pomo da discórdia e o factor principal para o meu desabafo público. e para entretanto ter mudado de opinião. e de desejar que ela torne a mudar na próxima época, apesar de não acreditar muito (ou quase nada).

      assim sendo, acho que também respondo às várias perguntas que colocas, as quais são pertinentes, mas têm a resposta inclusa em todos os considerandos que teço – não só no texto, como neste comentário («penso eu de que»).

      abr@ço
      Miguel | Tomo III

      Gostar

  3. Caro Miguel,

    Relativamente ao Tozé 100% de acordo.
    Também a mim me parece ser ele um ressabiado… Dá a impressão que quer provar qualquer coisa aos adeptos do FC Porto…
    Também acho que ele se quer ser considerado um profissional impoluto (honesto, imaculado, limpo, puro e virtuoso) deve esforçar-se em todos os jogos e não só contra o seu anterior clube… Mas enfim, parece que está na moda atropelar o FC Porto: a começar pelas arbitragens e a acabar na imprensa desportiva alfacinha…

    Abr@ço,
    A.M.

    PS – Hoje é dia de Brasão abençoado PML… mas pelos vistos ainda não foi possível colocá-lo aqui

    Gostar

    1. @ Armando

      o dia, hoje [ontem] foi do carBalho da silva. mal tive tempo para me coçar 😀
      infelizmente, e como já o referi aqui, será assim nos próximos tempos, pelo que só publicarei “postas” mais para o final da noite…
      desde já, apresento-lhe as minhas desculpas por quaisquer eventuais transtornos causados.

      abr@ço
      Miguel | Tomo III

      Liked by 1 person

  4. Eu não o assobiei na segunda-feira no Dragão porque não sei assobiar, mas chamei alguns nomes feios, nomeadamente à mãe dele, porque não gostei da atitude ressabiada que demonstrou contra o FCP na Amoreira, na minha opinião aquilo não foi profissionalismo, foi uma demonstração daquilo que ele é.
    Abraço
    Manuel da Silva Moutinho

    Gostar

  5. Completamente de acordo a mais de 100% como o Pyrokokus…
    Tozé viu o empréstimo com mágoa e não como forma de crescimento. E outra coisa, Tozé de amarelo, não é bem a mesma coisa de azul-e-branco, acho eu! Por isso tenho todo o direito de defender um emprestado como por exemplo Oliver, do que outro emprestado como… Tozé!!! É que um joga por mim, o outro joga contra mim!!!!

    Gostar

  6. Para mim acho que jogador emprestado ou ex-jogador do FC Porto que não impusesse respeito não merece qualquer sensação por minha parte.
    É um jogador que está a jogar noutro clube.
    Não estamos a falar de Deco, Derlei ou outro monstro que passou pela nossa casa.
    Portanto só podemos despertar qualquer tipo de sensação por alguém que nos é “querido”.

    Gostar

vocifera | comenta | sugere (registo necessário)

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s