então, em que é que ficamos? [‘br@são abençoado’ incluído]

serpa© pravda
(clicar na imagem para ampliar)
.

caríssima(o),

é certo que quero acreditar!, mas, assim, desta forma, convenhamos que fica um pouco difícil… é que, para mim, não há nada pior do que a mentira. explico.
hoje, ao “adquirir” a edição impressa do pravda da Travessa da Queimada (aqui) e porque “gosto” de o começar a ler da última para a primeira página, fui confrontado com o que se expõe na imagem acima. e, para lá de ter ficado mal disposto, o dia começou logo (muito) pior. depois do que (não) se soube do que (não) terá sido dito, pela voz do Presidente, na última Assembleia Geral Extraordinária, fica a dúvida pertinente: quem é que está a falar verdade? é certo que não estive na reunião, mas como tenho Pedro Marques Lopes em (muito) boa conta…

percebendo que poderei estar a ser (muito, demasiado) precipitado e também tremendamente injusto na minha avaliação, sincera e honestamente considero que o nosso querido líder, neste aspecto, “ficou muito mal na fotografia”. quem me visita, sabe do meu odiozinho de estimação para com o o «belenense» do ‘sinhôre‘ serpa. e o que, em tempo próprio, afirmei sobre aquele abjecto convite: acima de tudo, tratou-se de uma afronta ímpar, por parte do Presidente, para com a massa adepta do Clube, convidando – e, pelos vistos, «com insistência» – para estar presente, em “nossa casa”, uma figura do jornalixo tuga que diariamente edita um pasquim onde as afrontas ao prestígio, à História e sobretudo ao bom-nome do Futebol Clube do Porto são uma constante (para lá de um modo de vida, e de uma fonte de rendimento).
é (também) por esse motivo e por estar liminarmente contra o convite em causa que, desde aquela data de 02 de Dezembro de 2015, me deixei de importunar (muito) com o que os sabujos e/ou pés-de-microfone, que «gloriosamente» gravitam por aquela redacção, escrevem sobre nós e pelo ódio que sobre nós (in)tentam destilar… (mais) um exemplo exemplar: ontem, um verdadeiro cabrão, que se julga o verdadeiro artista do humor em forma de ‘cartoon‘ e que, em Abril de 2015, demonstrou bem o carácter que possui (ou a sua falta) e a fibra de que é feito, desenhou o nojo que se segu
e:
.

cart© pravda | ricardo galvão
(clicar na imagem para ampliar)
.

eu, que me recordo bem de algumas Assembleias Gerais (recentes), “bem quentes” inclusive para os sabujos e para os pés-de-microfone, lá para os lados da Segunda Circular – aqui, aqui, aqui e aqui – estive quase-quase para lhe endereçar uma “mensagem engraçada”. mas, depois, pensei para comigo: “mas por que raio é que me vou chatear se, quem de direito, não se importa minimamente com ‘isto‘?”. e, então, fiquei na paz do Senhor, e comigo também. e, ainda hoje, acho que foi o que fiz melhor. pode haver quem pense o contrário de mim e considere que se deva intervir, merecendo-me o meu maior respeito por tal. mas, desculpem-me, só que, nesta altura, é mesmo assim: não. estou. para. me aborrecer. ponto final.
.

pml180316© pravda
(clicar na imagem para ampliar)
.

por último, três breves notas:

» ali em cima disponibilizo o mais recente BRASÃO ABENÇOADO, da autoria de Pedro Marques Lopes (aqui), presente na edição impressa, desta Sexta-feira, do pravda da Travessa da Queimada (aqui).
escusado será dizer e mais uma vez, que concordo, em absoluto, com o que Pedro Marques Lopes defende. em. absoluto. palavra. por. palavra.
e relembrar que as edições impressas do pravda da Travessa da Queimada, como já é do conhecimento geral, são “armazenadas” no respectivo arquivo (aqui) – desde a presente data até 05 de Dezembro de 2015.

» naquela mesma edição impressa, a páginas 20 e 21, há uma interessante entrevista ao calimero william carvalho. pois eu prefiro esta aqui, a páginas 08 a 11, ao “nosso” Danilo Pereira. tem muito mais “sumo”.

» o “fornecedor” de edições impressas, dos pasquins tugas que amiúde leio, do “supermercado” onde me costumo abastecer, por um qualquer motivo que desconheço, adopta uma marca-de-água bastante… «gloriosa» para o meu/nosso gosto. por também a mim me “importunar” a dita cuja, mas compreender a razão da sua existência, desde já: (i) peço-te sinceras desculpas por tal facto e pelos eventuais transtornos que te possa causar, e (ii) sugiro que não ligues ao “excremento” a que essa mesmíssima marca-de-água alude.

.
disse!
.

Anúncios

9 thoughts on “então, em que é que ficamos? [‘br@são abençoado’ incluído]

vocifera | comenta | sugere (registo necessário)

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s