not@s soltas do Bessa…

© Tomo III
.

nota introdutória:
.

esta “posta de pescada”® é a primeira de duas, as quais vão continuar a honrar os pergaminhos e a imagem de marca deste espaço singular, na bluegosfera: os testament… os textos extensivamente looongos e as bastas (© Silva) hiperligações. aguente-se à(s) bomboKa(s) quem vier por Bem, portanto.
e, claro está, que a minha sugestão, para estes momentos, é sempre a mesma, e como já deve ser do conhecimento geral…
neste entretanto, faço votos para que o ‘lifting‘ que sofreu este espaço de discussão pública também seja do teu agrado.
.

not@s soltas do derby da ImBicta:
.

i)

a última vez que tinha ido ao Bessa fora em Fevereiro de 1996. vinte e um anos depois, invadiu-me um misto de sentimentos nostálgicos, daqueles tempos pueris e adolescentes, em que um bando de Amigos seguia o FC Porto (literalmente) para todo o lado, mormente dentro do distrito da cidade que lhe confere o nome, que não havia “tempo” ($) para mais.
foi, portanto, uma grande alegria regressar a um local onde, naquela altura, confrontos houve que foram bem “quentinhos” e não só dentro do terreno de jogo. indubitavelmente outros tempos e que dificilmente regressarão com aquela “envolvência”.
porém e para quem conheceu o antigo Estádio do Bessa, aquela alegria desapareceu assim que entrei numa espécie de estádio que julgava do séc. XXI: em todos os corredores de acesso às bancadas, não falhava o cheiro a merd@ de pássaro, assim como a dita cuja. em suma: já vi pombais bem mais limpos e efectiva e comprovadamente não há como a nossa casa – a mais bonita, mais arejada e mais funcional de todos os estádios que foram construídos para o Euro2004.

abro aqui um parêntesis muito pertinente para e mais uma vez, parabenizar os adeptos portistas que têm acompanhado a Equipa do nosso coração, na figura das claques do Clube, Colectivo95 e SuperDragões:
ontem, tal como ao longo de toda esta época, fomos o primeiro jogador e para citar o mestre Pedroto. demos show do início ao fim, não deixando, nunca!, esmorecer o ânimo, mesmo com a «surreal» roubalheira do vermelhíssimo veríssimo (já lá vamos) e tornando o “pombal”, por 90′, na nossa fortaleza.
.

ii)

do jogo em si, houve duas partes distintas as quais não podem ser analisadas sem se referir a figura do apitador tuga de serviço e ao serviço desse «glorioso» desígnio nacional: o tretacampeonato do 5lb.
na primeira, dominámos, fomos terrificamente eficazes nos primeiros quinze minutos e só não fomos (ainda) mais letais por manifesto azar – de memória, recordo-me do cabeceamento do Boly, da “bomba” do Soares e da confusão que se lhe seguiu, da incrível perdida do mesmo Soares (naquele que seria o seu segundo golo na partida) e no desvio do Brahimi a rasar o poste. o clube da rotunda viu-se perto da meia-hora de jogo, para uma excelente defesa de Iker Casillas (daquelas que ajudam, não só a vencer jogos, mas também a ganhar campeonatos), e já perto do final da primeira parte, por causa disto aqui e aqui – em vídeos que não deixam dúvidas sobre quem prevaricou.
a segunda parte ficou marcada pela forma gloriosamente reiterada com que o apitador veríssimo (in)tentou inclinar o campo para que o clube da rotunda conseguisse (pelo menos) o empate, em vários lances dignos de “compêndio” e para mais tarde recordar o nojo que está a ser esta #ligabranca. debalde. mesmo com a ridícula expulsão do Victorio Páez, não nos vergaram; mas, reafirmo, bem que tentaram – e as nomeações já o indiciavam.
.

iii)

Óliver Torres. e é só.
.

iv)

gostei muito da prestação do Boly, não tendo acusado os nervos que uma partida desta índole acarreta – e o jogo de ontem não foi excepção.
Marcano continuou a senda de um terrível Iván para os avançados contrários.
Alex Telles foi muito regular e tendo em consideração o que aconteceu na passada Quarta-feira. na minha retina estão as lágrimas que secou na camisola, enquanto se dirigia ao topo onde estávamos concentrados, para a oferecer. foram sentidas e apreciadas (também) por este que te escreve.
Danilo foi o “muro” a que já nos habituou, com um André² a recuperar a sua “velha” forma, depois de mais de um ano “lesionado”
Brahimi e Corona (este, enquanto não foi ceifado por uma besta remendada) foram autênticos quebra-cabeças para os defesas do clube da rotunda e (d)os principais municiadores de Soares.
.

v)

quem teve a oportunidade de assistir à partida de ontem, no Bessa, regressou (por breves instantes) ao período de festas do Natal, tanta e tão vasta foi a “lenha” com que os caceteiros do clube da rotunda brindaram os nossos rapazes.
a todo este “pau”, houve um veríssimo que meteu nojo, tal a complacência que teve para com aqueles, em detrimento dos jogadores do FC Porto. mas esta será uma análise a aprofundar na próxima prosa, porque é para mim de todo impossível escamotear a autêntica filha-da-putice a que assisti ontem e que já se está a transformar na imagem de marca desta época.

e desengane-se quem considera que a batalha acabou no Bessa; não!, esta luta persistirá até ao final do campeonato e com muita intensidade até à nossa ida a Carnide.
a imagem que se segue é só uma parte daquela inclinação de campo:
.

© google | Tomo III
(clicar na imagem para ampliar)

.

#contratudocontratodoscontraostolosecontraoraioqueospartaatodos
.

.
disse!
.

‘br@são abençoado’ do dia e mais umas coisitas…

© pravda
(clicar na imagem para ampliar)
.

BRASÃO ABENÇOADO do dia (aqui, aqui e aqui, em ficheiro jpg, e também aqui e aqui, mas em pdf), presente na edição impressa, desta Sexta-feira, do pravda da Travessa da Queimada, a qual não está (e nem estará) disponível na “papelaria” (aqui), devido ao encerramento compulsivo desta última, em Setembro de 2016.
obviamente que estou de acordo com o cronista acerca do ataque cerrado ao «polvo», que ainda persiste em “fazer das suas” – com o exemplo fulcral a ser o do reaparecimento desse «glorioso» centro-avante, o ‘nomeações’; aliás, as que constam da ementa para este final-de-semana são muito “simpáticas” e sintomáticas do que os «vermes» do «polvo» pretendem que aconteça antes da nossa visita àquele antro onde, em tempos, a Luz apagou (com estrondo) e até choveu do chão: a perda de preciosos pontos, permitindo o nosso afastamento para o líder da treta.
o mesmo já não posso afirmar acerca do que tece sobre a prestação do Nuno, o qual, para mim, esteve tudo menos «impecável», no encontro da última Quarta-feira – e sustento essa minha percepção com o muito que é descrito, sobre ele, aqui, aqui, aqui, aqui (!!) e aqui.

já agora e acerca do nosso treinador:
há já algum tempo que considero que ele, o Nuno, escala e prepara a Equipa em função do adversário que vai defrontar no jogo mais imediato, não utilizando um mesmo sistema táctico para todos os jogos.
também já não é de agora e sobretudo quando vou ao estádio, que tenho a percepção que é o treinador-adjunto, Rui Pedro Silva, quem se assume mais como treinador de campo e o Nuno como uma espécie de ‘manager’ – como que uma espécie de revisitação da importância que o bitó tinha para o £ibras-Boas, numa versão 2.0 (mas mais para o fraquinho, confesso e desde já peço desculpa se estou a ofender alguém, mas não é essa, sequer!, a minha intenção com este meu desabafo).
e também não é dos últimos jogos que me parece que o futebol (ou a espécie deste…) que o Nuno vem sustentando assenta numa teoria mais dada a equipinhas de con@s do que a um plantel que ostenta o Brasão Abençoado. tenho para mim que se privilegia em demasia o «pragmatismo» e o resultadismo mais imediato que marca o placard, do que a exibição ‘per se‘ – algo como: o que importa é vencer e temos que o conseguir, nem que seja com bolas despejadas para o atacante (vulgo: nas costa da defesa contrária) e/ou crença no Espírito Santo. é óbvio que há muito mérito, esta época, de factos como a solidez defensiva e a União que se vai granjeando no grupo de trabalho ao seu dispor; mas e mais uma vez peço desculpa se estou a ofender alguém, não me consigo rever neste futebol de cueiros, pelo que partilho da mais recente opinião de Jorge Massada (aqui).
ah! e o facto de estar a partilhar este meu pensamento contigo não significa que esteja descrente para o que resta da presente temporada, antes pelo contrário: continuo firme na minha convicção de que seremos campeões nacionais e de que, em Maio próximo, estaremos a comemorar o nosso vigésimo oitavo título de campeão do escalão máximo do nosso comezinho futebolzinho

#contratudocontratod@scontraostolosecontraocolinhoecontraopolvoecontraosvermeseoraioqueospartaatod@s.
.

© pravda
(clicar na imagem para ampliar)
.

neste entretanto, a edição desta Sexta-feira, do pravda da Travessa da Queimada, é toda ela um «glorioso» maná de massagem ao ego de todo o Estado Lampiânico, sobretudo e mormente com a entrevista de 08 páginas ao “deus” renato das sandes – esse enorme “activo” actualmente efectivo-ao-banco do todo-poderoso bayern münchen [valente escarro], numa espécie de recordar aos demais que ele, o “golden boy” existe, é vivo mas como não anda por aqui, no burgo, há menos visibilidade do que (não) faz por lá… adiante.

sendo concreto:
depois de lido o dossier dedicado ao nosso FC Porto, com singelas 04 páginas – aqui, aqui e aqui, no formato gif, e também aqui e aqui mas pdf;
depois de lidas as opiniões dos pasquineiros lampiões de serviço do joão (nada, mesmo nada) bonzinho e do senador pateta cervan – aqui, aqui e aqui, no formato gif, e também aqui e aqui mas pdf, e para quem tiver estômago;
e depois de “analisada” a capa ali em cima, da edição de ontem do mesmíssimo pravda da Travessa da Queimada, comprova-se:

a mensagem que a propaganda do Estado Lampiânico difunde em massa para o «glorioso» rebanho é a de estabelecer um inenarrável (por que absurdo) paralelismo entre a arbitragem do alemão felix brych [escarro], na passada Quarta-feira, com a do imberbe luís ferreira, na Sexta, frente ao tondela.
mais uma vez remeto o meu comentário a este inefável esforço das forças de bloqueio do «polvo» e dos seus «vermes», para a adenda pertinente da minha prosa de ontem: não há um portista que justifique a derrota do FC Porto, aos pés da rubentus, exclusivamente com uma arbitragem tipo prokop 2.0, em absoluto.
mais: o que o Nuno afirmou foi (e cito) «sem querer melindrar o trabalho do árbitro, o árbitro podia ter contemporizado e ter tomado outra decisão, porque a falta não é agressiva nem pôs em causa a integridade física do adversário». só que onde os pasquineiros, os pés-de-microfone e os autênticos sabujos dos me(r)dia e jornalixo tugas rebuscam, é na expressão «o árbitro podia ter contemporizado» – algo que, na sua opinião, luís ferreira deveria ter transigido para o tondela e não fez. temos pena (mas não muita)…

em suma: as duas arbitragens não são comparáveis, de todo!, porquanto que o apitador alemão sempre deu a entender um exacerbado proteccionismo para com os ‘gobbi‘, ao contrário da aplicação do apitador tuga em manter uma coerência com o jogo que estava a ser praticado por “ambas as duas” equipas lusas – e, mesmo assim, com evidentes erros e em nosso prejuízo.
.

por último e para finalizar, ainda houve tempo para perceber que foi melhor para tod@s nós, portistas, que o santinho do assis tivesse migrado para outras paragens, ditas mais gverreiras – e como se pode ler – aqui, aqui e aqui, no formato jpg, e também aqui e aqui em pdf, e para quem não for muito sensível do estômago...

.
disse!
.

.

dos «vermes» (e do seu desprezo)…

© google | Tomo III
(clicar na imagem para ampliar)

.

caríssim@,

ainda em convalescença, recupero um excerto de um discurso presidencial, datado de Abril de 2008, (também) por causa disto aqui.
e faço-o porque, enquanto adepto portista que me prezo, tenho para aí seis milhões de razões (ou já serão catorze milhões?…) para não conseguir menosprezar o que o «verme» em causa escreveu e porque o fez (e continuará a fazê-lo, mas sempre de forma «gloriosa»).

sim!, também eu me regozijo com os «gloriosos» desaires do arqui-inimigo e mentiria se afirmasse o contrário. mas e ao contrário do «verme», eu não sou uma figura pública que, mais do que um ex-alto dirigente da agremiação de Carnide e infelizmente para tod@s nós (e pese embora a sua quase total ausência de Moral, falta de Carácter e comprovada estatura baixa) até já ocupou altos cargos governamentais, num Passado recente. eu sou o que se considera um «adepto anónimo», não obstante o nome de baptismo que me acompanha desde o nascimento. e, ao contrário do «verme» e sem embargo de alguns dos constrangimentos a que me imponho quando comunico contigo – e porque sei que tem sempre que existir Educação – eu não estou sujeito ao decoro que aquelas (altas) posições merecem de quem já as ocupou.
acontece que o «verme» comporta-se bem pior do que o mais reles do adepto lampião (ilegal ou não), fazendo jus ao que, em tempos, escrevi sobre o fenómeno do benfiquismo vs. lampionismo – e atente-se nalguns comentários ao ódio que o «verme» destilou para o comprovar.

assim sendo, porque tal como muit@s de nós, labuto num local com muitos adeptos que (também) sofrem por um clube o qual invariavelmente surge sempre atrás de um outro, dito «glorioso» e sobretudo porque nada lhes desculpo e porque (ainda) possuo memória:
.

» por cada “quinhentinho” e por cada “fruta” que os «vermes» invocarem, convém recordar que há sempre um Howard King e um Elefante Branco para os desmentir da sua mácula impoluta;

» por cada processo “Apito Dourado” que nos apontarem, há sempre um #estorilgate para lhes avivar;

» por cada escuta no ‘youtubiu’®, é de elementar justiça lembrar aquela outra que gloriosamente escapou às malhas de uma “justiça” assente na sede de vingança de uns quantos «gloriosos» justiceiros – e para lá de todas as outras escutas que não foram merecedoras de uma partilha naquele mesmo ‘youtubiu’®;

» por cada eventual favorecimento arbitral que tenha acontecido a nosso favor, ante o tondela, há sempre aquele outro jogo, contra o mesmo tondela “do” porquinho pepa e do lampião que o preside, em Janeiro último;

» por cada referência aos encontros imediatos no Centro da Maia, perpetrados por dois indivíduos (!!!) com adereços identificáveis a uma das claques organizadas e legais do Clube, há sempre um Centro Comercial Colombo para dar o alvitre a uma qualquer dentição, bem como estas ameaças aqui, devidamente comprovadas em Tribunal;

» por cada invocação à grande penalidade assinalada por Luís Ferreira, é das mais elementares decência e coerência intelectuais, suscitar a lembrança desta outra aqui, bastante risível até e que também ajudou a desbloquear um jogo um pouco para o complicadito, lá para as bandas de Carnide.
.

infelizmente todos os clubes têm os seus “telhados de vidro”, inclusive (e sobretudo) as agremiações afectas à Segunda Circular, as quais não são mais impolutas do que os demais, antes pelo contrário. e convém recordar este facto sempre que esses «vermes» nos tentarem achincalhar, inclusive ao bom-nome e ao prestígio do Futebol Clube do Porto.
agora, mais do que nunca, é tempo de União e de percebermos que o “Inimigo” – esse «polvo», com imensos «vermes» e bastos “tentácul
os”, sempre em prol de uma «gloriosa» causa (mesmo que da treta) – reside fora das nossas portas e está perfeitamente identificado.

.
adenda pertinente:
.

pronto… nem 60 minutos se passaram e já começou o chorrilho de disparates lampiónicos, por parte de alguns dos «vermes» a que o texto faz referência e que persistem em passar por aqui para destilar o seu ódio visceral…

a ver se nos (des)entendemos:
o jogo de ontem, para a Champions, foi «um banho de bola» só para quem o viu sem perceber que jogámos, contra os ‘gobbi‘ da rubentus, com menos um jogador desde os 27 minutos. até essa altura, a da expulsão de Alex Telles, o «massacre» só existiu na cabecinha (oca) de quem ainda tem bem presente a imensa “vaca” que assistiu na semana passada.
o que eu também vi, da partida em causa, está muito bem descrito aqui, aqui, aqui, aqui e aqui. em nenhum daqueles textos se justifica a derrota exclusivamente com uma arbitragem tipo prokop 2.0, apesar de, desde cedo, se ter percebido que a tendência do alemão felix brych [escarro] era a de abrir brechas na nossa equipa e “facilitar” o acesso da pentacampeã jubentus à fase seguinte, numa lancinante dualidade de critérios – o pé do Herrera que o diga.
mas, “prontos“… há quem fique contentinho da vida (mesmo que esta lhe seja miserável…) com esta espécie de “argumento”: se vocês dizem que levámos um olé do Borussia (que foi por demais evidente!), então os ‘gobbi’ «deram-vos uma abada que só não foi mais porque os postes não deixaram»… pázinhos, fiquem lá com a bicicleta, se isso vos deixa (in)felizes. actualmente o que mais desejo é ser campeão nacional; na Champions, as minhas expectativas foram superadas logo em Agosto de 2016, no que (então) apelidei de «milagre» e o Tempo não o desmentiu.
.

.
disse!
.

interregno (parte II)

© google | Tomo III
(clicar na imagem para ampliar)

.

caríssim@,

foi como referi “em antes”:

ultimamente a frequência com que comunico contigo não é tão regular quanto o desejável. e, se comparando com um Passado recentíssimo, deixou de ser (quase) diária para se cingir uma intermitência pior do que as hesitações de passe do Herrera em zonas nevrálgicas do meio-campo.
tal deve-se (sobretudo) a motivos profissionais e, nos últimos dias, a motivos de saúde, os quais me impedem daquele contacto harmoniosamente contínuo que tanto prezo e estimo, e que, no Presente, não é possível (de todo!).

assim sendo e mais uma vez, os meus sinceros pedidos de desculpas por quaisquer eventuais transtornos que este “interregno” te possa (estar a) causar.

até esse reencontro, ao qual não coloco qualquer data, por não conseguir prever quando poderá ocorrer, o meu desejo é somente um e o mesmo de sempre:

faz o favor de ser feliz!

.
até breve!

.
Miguel Lima | penta1975
.

.
disse!
.

ganhámos (o direito a sonhar)

© google | Tomo III
(clicar na imagem para ampliar)

.

caríssim@,

antes de tudo, duas advertênciasum pedido e um ‘off-reco(rd):

» advertências:
esta “posta de pescada” vai ser um tanto ou quanto para o looong… para o comprid… vai ser um testament… vai honrar com a imagem de marca deste espaço de discussão pública.
esta “posta” vai ter muitas imagens (e não são dessas).

» pedido:
como já deves ter reparado, ultimamente a frequência com que comunico contigo não é tão regular quanto o desejável. comparando com um Passado recentíssimo, deixou de ser (quase) diária para se cingir uma intermitência pior do que as hesitações de passe do Herrera em zonas nevrálgicas do meio-campo.
tal deve-se (sobretudo) a motivos profissionais, os quais me impedem desse contacto harmoniosamente contínuo que tanto prezo e estimo, e que, no Presente, não é possível (de todo!).
assim sendo e mais uma vez, os meus sinceros pedidos de desculpas por quaisquer eventuais transtornos que te possa causar.

» ‘off-reco(rd)‘:
senhoras e senhores da tap, e do turismo de lisbo… de “portugal”, e da estação (cada vez mais, muito pouco) pública de televisão, e das demais entidades públicas e/ou privadas que ficaram “muito contentes” com o facto da cidade do Porto, pela terceira vez e, desta feita, por total unanimidade (forasteira), ter conseguido o honroso galardão de “Destino Turístico Europeu de 2017“:
a vossa azia é (também) a “gasolina” que faz mover esta Região e o motivo principal pelo qual a reivindicação de mais e melhor descentralização, é muito premente, nos tempos que correm. não compreender que, com aquele prémio, quem vence é igualmente todo um País com pouco mais de 92000 km², é ser demasiado atávico, mesquinho, desditoso, para com toda a restante «paisagem» daquele e que é tudo menos subserviente (servil?) àquela outra e a quem diariamente (in)tenta que se lhe deve prestar vassalagem – ou não fosse a capital do Império… -, mas que, invejosa, não tolera os sucessos da primeira – o tal «resto» que (dizem) não passa de «paisagem».
pelos vistos, é a esta diversidade de «paisagens», com total primazia para a cidade do Porto, que os forasteiros que nos visitam preferem e que quem reside na dita capital do Império persiste em apelidar de «bacoco» por, por exemplo, não compreender o bairrismo intrínseco às suas gentes (algo que faz parte do seu ADN e que não se consegue explicar por palavras) – e já para não referir essa evidência de não perceber as multiplicidades geográfica e demográfica, que a expressão «o Norte» encerra nela própria (como se a região do Alto Douro fosse em tudo idêntica à do Minho, e o Vale do Sousa fosse similar à Ria de Aveiro)…
resumidamente e para não ser (ainda mais) fastidioso:
«que la chupen y que la sigan chupando. y sigan mamando.» ¡y olé, carago!
.
.

neste entretanto, parece que ganhámos em Guimarães e conquistámos o castelo – um feito que, para o campeonato, já não era conseguido desde Fevereiro de 2013. e refiro «parece» porque, depois do muito que pude ler por essa bluegosfera fora e nalgumas redes sociais, o desânimo por não ter havido “ópera” superou o facto de termos levado de vencida dois obstáculos muito difíceis: o spórtém (na nossa fortaleza) e o Vitória (no seu reduto).
p
ara lá do que entrementes (brilhantes) escreveu o Silva e da muito bem observada questão da competência, da autofagia à Porto assertivamente abordada pelo Jorge e da pertinente crítica construtiva aos críticos daquela partida pela parte do caríssimo Vila Pouca, permite-me só esta observação (pertinente?):

é certo que, no jogo em causa e depois da exibição frente aos calimeros, durante muito tempo (deu a impressão que) não jogámos um caralho, tal a forma como se preferiu a solidez da defesa em detrimento dos méritos de um ataque (continuado?) e da famigerada «posse de bola» (mesmo que inócua) – e, no meu entendimento, há uma explicação para que tal tenha sucedido (e já lá vamos).
e é correcto afirmar-se que, em grande parte da partida, houve um permanente sobressalto em cada portista, sempre com a pergunta pendente de “quando é que este gajo [o Nuno] faz alguma coisa? está à espera que chova, só pode… ou então, da intervenção do divino Espírito Santo (nem que seja o de orelha)”…
e, sim!, só após a entrada do Diogo Jota é que soubemos controlar a partida e desferir o “golpe de misericórdia” na mesma e nas aspirações do Vitória SC (e não só) em relação a um hipotético empate.
mas, mesmo assim, ganhámos, porra! outros anos houve e até muito recentes, em que jogámos bem melhor do que no Sábado e perdemos (ou empatámos, o que vai dar ao mesmo em termos de “sabor” e de amargura), para gáudio dos mesmos que, em tempos (não muito) idos, se agarravam ao «pragmatismo» nas vitórias e, agora, (in)tentam-nos lançar poeira (#madeinporta18 ?) com estatísticas que, no cômputo geral, apenas e só referem o que, para mim, é Essencial: marcámos mais golos do que o adversário – com (ou sem) muita posse de bola, com menos cantos do que os outros, com mais remates enquadrados (ou não), quero lá saber! na fase em que estamos no campeonato e com todas as vicissitudes por que já passámos, mais do que “sonatas” e/ou “cantatas“, eu só quero os três pontos em cada um dos jogos que nos faltam disputar; o resto é paisagem (ou «’peaners‘»).

ou seja (e em suma):
é como afirma o “4lusos” e eu corroboro (com os destaques a serem da minha responsabilidade):
.

.

« é evidente que há trabalho feito. É evidente que isto não cai do céu. É claro que o treinador tem a sua responsabilidade e mérito, mesmo que aqui e acolá, eu veja muitas lacunas nas suas decisões (recentes e distantes), em vários jogos e em momentos decisivos de alguns jogos.
sou (e fui!) muito crítico, não raras vezes, em relação a Nuno Espírito Santo [NES]; mas e se for motivo para elogiar, também sei dar-lhe mérito e reconhecer-lhe qualidades, e fá-lo-ei sem qualquer tipo de hesitação.
não sou apologista de NES, nem da forma como dirige e gere a equipa durante os jogos; mas tenho a forte esperança de que possa levar esta equipa a bom porto, dando (e acho que ainda esta época) uma alegria a todos os sócios e adeptos portistas. »
.

e, também, como afirma o sr. Remígio Costa:
.

.

« na hora de aproveitar um belo (e útil) triunfo há (ainda) quem insista em ver o “copo meio vazio”. facilitam a vida aos que fazem o trabalho sujo dos nossos adversários, tentando desprestigiar e desvalorizar os nossos sucessos… »
.

e, de certa forma, não deixam de ter a sua razão. e tomemos por exemplo o jogo de ontem, a contar para a Champions, em que o Borussia visitou a agremiação de Carnide. rezam as famigeradas estatísticas da partida em causa que o 5lb levou um banho de bola e que, não fosse o seu guarda-redes, a humilhação seria inevitável. porém e para quem (como eu) não viu o jogo, o que as capas dos pasquins lá do burgo transmitem são autênticos orgasmos punheteiros (aqui), com números em tudo idênticos aos que apresentámos ante o todo-poderoso actual terceiro classificado da Liga…
ou seja: o que sobra, para contar à maralha lampiónica, é a vitória ante um super-Dortmund (mesmo que em crise) e o facto de estarem em vantagem para a segunda mão desta eliminatória; ao contrário de muitos de nós e de José Manuel Ribeiro, hoje no seu editorial “memento mori” (aqui), e por mais Razão que lhes assista, ninguém se preocupou em transmitir a ideia de um 5lb recolhido e acantonado no seu meio-campo, à espera de um milagre (que curiosamente viria a acontecer)…
.

© google | Tomo III
(clicar na imagem para ampliar)

.

a propósito da partida de Guimarães, há algo que, para mim, dela não se pode dissociar: a vergonhosa arbitragem do xistrema.
sem querer ser muito enfadonho, tenho, para mim, que a “encomenda” esteve lá, bem presente no D. Afonso Henriques, e que tudo (in)tentou mas…. não teve a Sorte pelo seu lado. é que muito do (nosso) jogo pastoso da primeira parte também se deveu (e muito!) às inúmeras apitadelas do ‘shôr‘ carlos, sempre muito solícito a interromper o seu normal desenvolvimento, assinalando (de pronto!) todas as faltas, faltinhas e faltecas, a favor do Vitória, e num fulgor inversamente proporcional ao “pau” que permitiu (sempre!) aos jogadores da equipa visitada. e, se dúvidas houver do que afirmo, a imagem que se segue é basta elucidativa:
.

© google | Tomo III
(clicar na imagem para ampliar)

.

.
“ah! mas houve um ‘penálte’ a favor do Guimarães, aos 38′. foi descarado o benefício em vosso favor! não fosse o árbitro e o Victorio Páez não teria terminado o jogo! tem vergonha na cara!”
.

com mais ou menos insultos à mistura, este foi um comentário (dos vários) que recebi nos últimos dias. percebe-se o teor e o alcance da “indignação” lampiónica, muito pouco dada a ser afrontada com a “tal” verdade desportiva por que tanto pugna(va).
convém recordar que, aos 38′, estava 0-1, a favor do FC Porto e que o Victorio viu um amarelo aos 40′. se eventualmente tivesse visto amarelo aos 38′, tal significaria que, a partir desse momento, e num jogo hipotético que não veio a acontecer, teria o mesmo recato que demonstrou no que restou da partida.
mesmo assim e para os lampiões que por aqui passam, eis duas imagens que (também) ajudarão a elucidar as suas mentes (torpes):
.

© google | Tomo III
(clicar na imagem para ampliar)

.

.

© google | Tomo III
(clicar na imagem para ampliar)

.

[diz que este não conta como ‘penálte’. que o vesgo do piç… que o vesgo do pizzi também fez falta igual, contra o spórtém e que não contou… pois, ’tá bem abelha… tivesse este lance ocorrido na nossa grande área, e com muita certeza que teria sido assinalada grande penalidade (com posterior expulsão do Danilo, bem entendido).]

.
ah! e sobre a questão da «vergonha na cara»:

(não) ter «vergonha na cara» é andar a apregoar, aos quatro ventos, que há «ameaças a árbitros» mas só a Norte, e mesmo que perpetradas por dois indivíduos que vestiam artefactos identificáveis com uma das claques legalizadas do FC Porto e que qualquer um de nós pode comprar, independentemente do clube do coração…, “esquecendo-se”, de uma forma «gloriosa», de também abordar estas ameaças aqui e que (pasme-se!) foram devidamente comprovadas em Tribunal.
(não) ter «vergonha na cara» é fazer alarde de «muita coação» “esquecendo-se”, de uma assaz «gloriosa», que “a tal” coacção já remonta à década de ’90 (pelo menos) e também para os lados de Carnide.
(não) ter «vergonha na cara» é fazer um banzé com os «buracos azuis» sonegando (mas de forma «gloriosa»!) que a actual direcção da $AD do 5lb deve a este mundo e ao outro também – (pelo menos) ao BPN e ao BES.

(não) ter «vergonha na cara» é um pouco de tudo isto, “esquecendo-se” que a agremiação por que sofrem do coração tem muitos (bastos!) “telhados de vidro” que convém ocultar da mesmíssima maralha para quem diariamente se fazem capas jactantes (vulgo fardos de palha) como estas aqui.
.

© Tomo III
(clicar na imagem para ampliar)

.

por último e em relação à imagem acima, a qual não encontrei em nenhum lado e sobre um lance – aqui, a partir dos 01:32:38 – que não aparece descrito em nenhum “relato” dos pasquins que o fizeram ‘online‘.

este lance passou em claro ao apitador de serviço. se tivesse sido julgado e conforme o refere o tribunal de ex-apitadores (aqui), muito provavelmente o adrien [valente escarro] não teria terminado a partida em Moreira de Cónegos e (espanto!) muito provavelmente não teria a oportunidade de marcar o terceiro golo dos calimeros. mas, mais do que esse hipotético “se”, a visualização daquele lance, no imediato, recordou-me aquele outro, o da expulsão do imbula, no Bessa, no ano passado, para a Taça de Portugal (aqui).
ou seja: mais uma vez questiono sobre quais são os critérios para este tipo de lances? é que, se os há, são muito “difusos” e propensos às mais diversificadas interpretações (opiniões)… ‘oh, wait!‘…

.
disse!
.

de duas (meras) preocupações…

© google | Tomo III
(clicar na imagem para ampliar)

.

caríssim@,

como já o referi ontem, e no seguimento do que entretanto já foi (muito bem) denunciado aqui, aqui, aqui e aqui, contra todas as expectativas geradas no início do campeonato – mormente as que foram criadas (gloriosamente aventadas?) pelos me(r)dia em geral e pelo jornalixo desportivo em particular, aqui na tugalândia – estamos nos lugares cimeiros do campeonato, a um singelo pontinho da liderança.
desconheço se quem (ainda) é líder está todo borradinho e/ou tem insónias e/ou sonha com o bicho papão e/ou sofre de uma angústia sem fim; essas questões não me/nos dizem respeito, porque não nos são transversais, apesar de eventualmente podermos estar a contribuir para que aconteçam. e como é que o (não) sei? simples: é só constatar que, em momentos de um eventual (evidente?) aperto, surge sempre, mas invariavelmente sempre em socorro da «gloriosa» instituição, o seu maior reforço, o “Nomeações”.
esta jornada não será excepção, com a curiosidade daquele reforço jogar em três tabuleiros, em três jogos-chave: o desta noite, em Carnide, na recepção ao Arouca; o de amanhã, em Guimarães, quando defrontarmos o Vitória SC; o de Domingo, no Bessa, entre o clube da rotunda e os gverreiros lampiões do Minho. e atente-se bem nestas “coincidências”: teremos o rubro do Mota para talhar, a seu bel-prazer, o que houver que fender esta noite; amanhã haverá xistrema; no Domingo teremos uma imensa Paixão no jogo em causa e tendo em vista a jornada seguinte… ainda bem que eu não acredito em coincidências, pelo que (quase que) aposto que nos estão a tentar “fazer a cama”…
.

© google | Tomo III
(clicar na imagem para ampliar)

.

até vou mais longe e tendo em linha de conta o que a imagem acima revela:
à presente data, em 21 jogos oficiais, o moço só apitou 10 da Primeira Liga; destes, só 5 envolveram os actuais primeiros 5 classificados; destes, 2 envolveram o Vitória e 1 o nosso Clube do coração (aquele, ante os gverreiros).
ou seja: a época em curso, para o ‘shôr’ carlos, está a ser mediana (para o baixo…), tal e qual o nível das suas apitadelas. então, qual o motivo da sua nomeação para um jogo de alto risco? não haveria ninguém melhor classificado para o fazer? vai-se a ver e se calhar não. ou então, não convinha nada, mas mesmo nada, que houvesse… acho que estou mais inclinado para esta última (hipotética) hipótese.

no fundamental e o que realmente me preocupa:
que a Equipa consiga trazer de Guimarães o que mais nos interessa e que são os três pontos – com ou sem xistrema.
.

© google | Tomo III
(clicar na imagem para ampliar)

.

como muitos de nós já o referiram e conforme a imagem acima o revela, parece que algum do jornalixo tuga só agora acordou para a Realidade. em concreto e colocando os nomes nos (literalmente) bois, só depois de Terça-feira – com a revelação no último “Universo Porto – da bancada“, por parte do actual Director de Comunicação do Clube, Francisco J. Marques – é que na redacção do pravda da Travessa da Queimada se descobriu que, no contrato de empréstimo de Óliver Torres, há uma cláusula obrigatória de aquisição dos seus direitos desportivos…

para os mais esquecidos, convém recordar o que foi oficialmente declarado à CMVM, em dois comunicados distintos (um em Agosto de 2016, o outro no decurso do dia de ontem):
.

© google | Tomo III
(clicar na imagem para ampliar)

.

e se, ontem, para os sabujos do pravda, éramos «obrigados a pagar 20 M€» pelo nosso “maestrinho” [© Vassalo], hoje já somos «obrigados a vender» para garantirmos que por cá continua e sem ferir os regulamentos da UEFA [longo suspiro]…

bem sei que «a língua portuguesa é muito traiçoeira» e tal, mas dava jeito que, no pravda da Travessa da Queimada (e não só), houvesse alguém que conseguisse interpretar correctamente o Português. é que e de acordo com aqueles comunicados:

» o empréstimo do Óliver «contempla a opção de compra definitiva» dos direitos desportivos do jogador por 20 M€ (vinte milhões de euros);

» a $AD do Clube exerceu essa opção a 09 de Fevereiro de 2017;

» «após o término do contrato de empréstimo em vigor» iniciar-se-á um novo contrato de trabalho com o jogador; 

» o término do presente empréstimo acontecerá a 31 de Dezembro de 2017.
.

ou seja: aqueles vinte milhões de euros só entrarão na contabilidade do Relatório&Contas afecto ao primeiro semestre da temporada de 2017/2018, o qual certamente incluirá, entre outras rubricas, vendas de “activos” do Clube e (bem mais importante) um novo valor referente aos “Activos Tangíveis”, onde consta o Estádio do Dragão, totalmente amortizado a 01 de Fevereiro de 2017 e com naturais reflexos ao nível dos Capitais Próprios da $AD portista (por via da Sociedade Porto Estádio).

em suma e assim concluo:
os sabujos “preocupam-se muito” porque há que “lançar poeira para o ar” e (in)tentar desunir a massa adepta portista, por forma a que os outros, ditos «gloriosos», possam continuar a reinar.
faço votos sinceros para não haja muitos de nós a cair neste conto do vigário, porque um portista que se preze não “come gelados com a testa”, nem é visto por lorpa e/ou morcão.

.
disse!
.

(breve) resumo de nove dias

© google | Tomo III
.

telegráfica nota informativa (como intróito):
.

sim!, é verdade: esta “posta” vai honrar a imagem de marca deste espaço singular, na bluegosfera. aguente-se à bomboKa quem vier por Bem. e, claro está, que a minha sugestão, para estes momentos, é sempre a mesma, e como já deve ser do conhecimento geral…
ah! e a disposição dos acontecimentos, sobre os quais me pronunciarei adiante, obedece à sua inversa ordenação cronológica, bem entendido.
.

caríssim@,

obviamente que principio sobre o feito épico, de ontem, no andebol e em pleno antro calimero, no (dito) Casal Vistoso (que não o outro, o outrora muito “ventoso“). pude assistir a toda a segunda parte da partida em causa e resumidamente afirmo que soube muito bem – não só o triunfo em causa (alicerçado numa recuperação fantasticamente extraordinária de oito golos sem resposta a doze minutos do seu término), mas sobretudo o ter emudecido todo um pavilhão e todo um estúdio de uma “televisão de marquise“, que rejubilavam com uma derrota que veio a acontecer para o lado que menos contava com a dita… afinal, não são só os lampiões que têm por hábito festejar antes do tempo… ah!, e tudo contra uma dupla de árbitros que, enfim… mais do que “de orelha”, foi de encomenda – um facto que, a acrescentar à paupérrima exibição dos muito vermelhos e basto rubros, tiago monteiro e antónio trinca, no passado Sábado, ante o actual campeão da modalidade, só vem confirmar a minha suspeição de que, os próximos catorze encontros que faltam disputar (quatro da fase regular mais os dez da fase final), trarão muitas “surpresas” destas pelo caminho… nada a que já não se esteja (infelizmente) habituado, dado que, (também) no andebol tuga, somos efectiva e comprovadamente o alvo a abater há (pelo menos) uma década.
e é por tudo “isto” somado que a euforia da Equipa, nos balneários, é muito justificada. bastante justificada. basto justificada. justificadíssima, aliás. mas, convém recordá-lo e sempre com a (má) lembrança do que aconteceu na pretérita temporada, «ainda não ganhamos nada».
.

© google | Tomo III
.

já tudo foi (re)dito, muito dissecado, bem (ou mal) argumentado, inclusive refutado, sobre o Clássico do passado Sábado. alegrando-me com o resultado final, com a vitória, com as exibições de todos (mormente de Marcano, de Felipe, de Danilo, de Óliver, de Brahimi e de Corona), congratulando-me com a portentosa estreia de Soares (bué da fixe, tás a bêre?) e concordando com a crítica generalizada àquela sofrível (e muito sofrida) segunda parte (a antítese da equipa que, nos primeiros 45′, foi aguerrida, combativa e muito digna),  confesso-te que ainda fico agastado com o estafado “argumento” do «ganhámos (apesar do treinador)» – como se tudo fosse possível acontecer sem um líder no comando….
bem sei que o Nuno não cativa e não motiva as massas – associativa, adepta e sobretudo a assoBiativa (curiosamente mais calada do que quando «o Basco» por aqui estava…) – e bastas vezes parece não encarnar o significado do chavão “somos Porto!” – por exemplo, quando encorna que não deve expor os verdadeiros “roubos de catedral” a que temos assistido, na presente temporada, optando por leves críticas “sem sal” e algumas vezes em nosso prejuízo. mas, que diabo!, a quem se deve a mudança de atitude de Brahimi e de Corona, esta época, (bem) mais afoitos nas tarefas defensivas? a quem se deve a solidez defensiva (em completo antagonismo para a pretérita)? a quem se deve a aposta (certamente que de risco) em jovens jogadores, mormente portugueses? e, bem mais importante (pelo menos para mim), a quem se devem as (muito) visíveis União e Espírito de Grupo, numa Equipa que, há uma época, mais parecia uma manta de retalhos, com cada elemento a “remar para seu lado” e longe dos objectivos colectivos a que se propunham? com (muita) certeza que não é ao divino Espírito Santo…
também sei que o futebol praticado, por esta mesma Equipa, muitas vezes não entusiasma por aí além e que, nalgumas delas (a sua esmagadora maioria?), assemelha-se ao de uma equipinha pequenina, refugiada no “pontapé para a quinta” e/ou no “chutão para o avançado”; mas e a bem da Verdade, quem de nós esperaria que, mesmo com todos os defeitos que a Equipa e o treinador possuem, a esta altura, à vigésima jornada, estivéssemos a um singelo ponto de distância do líder (e basto proclamado treta-campeão) e com nove a separa-nos do terceiro lugar? quem é que, de nós e para lá do sempre optimista do Silva [hello! hello! 😀 ], no início da presente época desportiva, acreditava mesmo que esta Equipa seria capaz de lutar pela conquista de um campeonato que, para os me(r)dia em geral e para o jornalixo tuga em particular, só seria discutido entre as agremiações afectas à Segunda Circular? pois…

em suma e sobre este capítulo:
seria muito bom, muito positivo, que houvesse mais união entre os portistas em torno desta Equipa, que tanto merece, e obviamente do seu treinador (o qual tem muitos pecadilhos, com certeza que sim!, mas também e como já o referi, algumas virtudes) – união essa que não deve ser encarada como uma espécie de acrisia, antes pelo contrário. o que não desejo é que sejamos “mais papistas do que o próprio Papa”, pelo menos para o Exterior, oferecendo trunfos a quem nos deseja “todo o bem” deste mundo e do outro, e dando a imagem de uma reinante discórdia, entre uma massa que deveria estar mais sólida do que betão, para que os outros possam perpetuar a sua (dita) «gloriosa» hegemonia de três anos de basto #colinho…
mas, hey!, esta é tão-somente a minha opinião; tal não significa que (i) haja outras, com (muita) certeza que discordantes e que (ii) aquela seja a única verdadeiramente insofismável e inquestionável (que não é, nem sequer tem essa pretensão, antes pelo contrário!).
.

© google | Tomo III
.

ganhou tudo o que havia para se conquistar no Futebol praticado ao mais alto nível. e já viu de tudo e de tudo um pouco já vivenciou, na primeira pessoa, naquele mesmo mundo, muito restrito e basto restritivo ao comum mortal.
mesmo assim, resolveu dar um novo rumo (sobretudo) à sua vida pessoal e escolheu-nos em detrimento de todos os outros clubes e de todas as outras latitudes que (ainda) sonham com ele – como não se cansa de o referir nas mais variadas entrevistas que já concedeu, inclusive ao canal do nosso Clube do coração (aqui e aqui).

temos, no nosso seio, um galáctico e um jogador como poucos tiveram. assim de repente e salvaguardando as devidas distâncias, talvez só Preud’homme, na década de ’90, quando esteve por Carnide – e obviamente que tido como um «santo», mas com muito melhor Imprensa do que o ‘portero‘ natural de Móstoles (nos arrabaldes de Madrid).
temos, na nossa cidade, em plena ImBicta, um dos seus melhores embaixadores, o qual não se cansa de a promover, quase diariamente e de forma gratuita e muito altruísta, nas suas contas pessoais, nas mais diversas redes sociais.

portanto:
somos uns privilegiados por o podermos ver, inclusive ao vivo e a cores, a comemorar, como a imagem acima documenta, uma vitória sobre os calimeros depois de uma defesa soberba, daquelas que garantem campeonatos. e eu, ao invés de o questionar e/ou duvidar, já sinto é saudades do dia em que ele já não estará por cá…
.

© google | Tomo III
.

«é importante os nossos adversários começarem a dar um pouco mais de luta», afirmou, ufano, em Dezembro de 2013, um inchado burro do Carvalho.

«ganhar lá não é novidade para nós, mesmo sabendo que vamos ter algumas complicações», afirmou, soberbo, na véspera do encontro, um execrável (em tempos, tido como) «catedrático».

são só dois exemplos, para memória futura e que não esqueço, do asco que tenho em relação, não só às abéculas em causa, mas também à agremiação calimero-viscondessa – a qual e ao contrário do que muitos apregoam, em nada difere da lampiã, a não ser na cor que ostenta, assim mais para o verde-pijaminha (verde-musgo?).
foi também por essa razão que comemorei (e comemorarei) efusivamente as nossas vitórias sobre eles: a de Sábado, no futebol e a de ontem, no andebol.
.

© google | Tomo III
(clicar na imagem para ampliar)

.

a imagem acima é só (mais) um exemplo do incómodo que entretanto começamos a causar junto do ‘establishment‘ que gravita em redor do comezinho futebolzinho da tugalândia – entenda-se: os me(r)dia e todo um jornalixo tugas.
o outro, que retenho na memória e que partilho contigo, é o de, por dois dias consecutivos, nos serviços noticiosos da estação (cada vez mais, menos) pública de televisão, a vitória da agremiação de Carnide sobre o actual último classificado do campeonato ter sido merecedora de honras de abertura (!!!). u-a-u! somos mesmo inconvenientes para o P(h)oder que grassa naquele mesmíssimo futebolzinho da tugalândia…
aliás, a sede de “vingança” pela nossa vitória ante os calimeros e o desejo em regressar ao poleiro era tanta que, antes de jogarem e depois do nosso triunfo estar consumado, ainda permaneciam no lugar cimeiro de uma classificação gloriosamente desvirtuada e como se confirma aqui
.

© google | Tomo III
.

num Passado recente, fui lesto a criticar tudo o que envolvia o (então) “torto” Canal, da sua programação à evidente e então (muito) visível degradação dos seus cenários e mobiliário. actualmente e apesar de ainda não ser um mundo perfeito, longe disso!, tenho que ser ainda mais rápido do que o Hulk a ultrapassar o badocha do rochemback (vídeo aqui), em 2008, (resumo da partida em causa aqui), e parabenizar a novel estrutura do FC Porto com o pelouro da Comunicação do Clube.

está portanto de parabéns! essa estrutura pela evidente aposta em mais FC Porto na programação – com o programa “Universo Porto – da bancada” à cabeça, pela assertividade que patenteia – e, também, no novo cenário que indubitavelmente o embeleza e que a imagem acima tão bem documenta.
com aquele fundo, indelevelmente jogamos sempre em casa!
.

© google | Tomo III
.

e por “falar” em jogar em casa, não poderia manifestar publicamente o meu regozijo pela divulgação daquela notícia oficial que deu conta de que o Estádio do Dragão, o nosso teatro de sonhos azuis-e-brancos, desde 01 de Fevereiro de 2017 que se encontra «pago na totalidade».
indiscutivelmente somos mesmo diferentes, e para melhor. e trata-se de uma operação que irá enriquecer (literalmente) e de que forma!, o património do Clube. e adorei o facto dessa mesmíssima operação ter sido processada no segredo dos deuses e sem alaridos bacocos.

podemos não ser o mais-maior-grande da tugalândia, mas e de forma indelével, “contra tudo, contra todos e contra os tolos”, somos comprovadamente o melhor Clube português. actos como este só reforçam esta minha forte convicção.
.

.
disse!
.