o Futuro é agora, porra!

© google
.

.

«
como adepto também cheguei ao final da paciência.
a mim não me interessa o que já ganhei. o que o FC Porto ganhou é Passado, e está no Museu. é a história que ninguém pode mudar.
candidato-me porque as coisas estão mal e é preciso voltar colocá-las como eram. e como me sinto com capacidade para isso, tenho a certeza de que eu e a Equipa que me acompanha, iremos dar a volta ao que não está bem.
não me candidato, nem quero que defendam, ou que votem na minha candidatura, por aquilo que eu ganhei; candidato-me para que o FC Porto volte a ser o que foi, durante décadas, durante a minha presidência
.
»

Jorge Nuno de Lima Pinto da Costa | Abril de 2016.
.

caríssim@,

aquelas palavras, proferidas pelo nosso querido líder aquando da sua campanha para nova reeleição presidencial e que viria a vencer (porquanto que foi candidato único nas últimas eleições para Presidente do Clube…), um ano e um mês depois permanecem extremamente actuais. demasiado actuais, até.
acontece que, neste entretanto e pese embora ainda ser matematicamente possível o título nacional, esta será mais uma época “a seco”. a quarta consecutiva*, num inédito (inusitado?) recorde negativo em 35 primaveras de sucessos retumbantes.
* bem sei que, a 10 de Agosto de 2013, conquistámos a vigésima Supertaça Cândido de Oliveira do Clube, com o “palminhas” fonseca ao comando dos destinos da equipa azul-e-branca. mesmo assim, há quatro épocas que deixamos fugir o troféu maior a nível nacional. e esse, para mim, é o que conta.

não há como escamoteá-lo: no que ao futebol sénior diz respeito, este foi novamente um ano desportivo ‘muit’amau’. e não há por que escondê-lo, antes encarar esse facto insofismável de frente, por forma a nos precavermos no Futuro – o qual (espero) já deverá ter começado a ser definido e delineado no regresso ao continente, depois do descalabro na “pérola do Atlântico”.

sem pretender ser exaustivo, de positivo (sim!, porque, nesta época prestes a findar, também houve situações que nos fizeram sorrir), retenho o “milagre” da eliminatória de acesso à fase de grupos da Champions, ante a toda-poderosa AS Roma e numa altura de basta descrença, entre a turpe azul-e-branca, nas efectivas capacidades da Equipa; as nove vitórias consecutivas para o nosso comezinho campeonato (entre meados de Janeiro e a primeira quinzena de Março), com exibições que chegaram a ser categóricas (Estoril, Guimarães, Tondela, Nacional…); o reforço de um espírito de grupo como há muito não se via num plantel azul-e-branco, a indiciar que todos “remam”  efectivamente para o mesmo lado, em prol de objectivos comuns e de grupo, e não individuais.
foram tempos que nos permitiram sonhar e considerar que seria possível ir festejar um tão ambicionado título para os Aliados. e eu – tal como tu e tod@s no Clube (dos dirigentes, passando pelos treinadores e jogadores) – senti-me acreditar nessa forte probabilidade. curiosamente (ou talvez não…), foi o período em que o Dragão finalmente acordou de uma inerte e indolente letargia, resolvendo apostar forte no combate ao «polvo», com o aparecimento do programa “Universo Porto – da bancada“. e, sim!, é impossível fugir a este (mais do que previsível) tetra da treta sem referir o basto #colinho, com imenso #mantoprotector e fartas #cartilhas; mas também houve (ainda há!) erros próprios, os quais são da nossa exclusiva responsabilidade, e é sobre esses que importa reflectir – porque são aqueles que conseguimos controlar.

de (muito) negativo, refiro os cinco empates obtidos nos últimos sete jogos e que nos custaram a efectiva aproximação a esse líder com pés de barro e futebol muit’a pobrezinho; uma errática política de “rotação” de jogadores, com alguns #lesadosdoNES (João Carlos Teixeira e Depoitre à cabeça); um imperceptível modelo de jogo (ou algo parecido com tal), mormente depois daquele empate com sabor a derrota ante o Setúbal “de” couceiro, e em nada condizente com os pergaminhos do Clube e que indicia sobretudo que se prefere não sofrer golos ao invés de os procurarmos desde o primeiro segundo das partidas.
são os tempos presentes, que levam a que se duvide de tudo e de tod@s, e se dispare indiscriminadamente, com tudo o que de injusto tal acarreta.

ou seja: é impossível não dissociar aquelas afirmações do Presidente com estes factos desportivos. portanto, sim!, não estamos na mesma: estamos pior. e, como tal, há responsáveis por este mau ano desportivo. e há nomes que têm (devem!) que ser mencionados, porque no FC Porto “a culpa não morre solteira”. à cabeça, Jorge Nuno de Lima Pinto da Costa – porque tudo no Clube principia e acaba na sua figura – e os seus ‘compagnons de route‘ de sempre e para Sempre, actuais membros directivos da $AD azul-e-branca. depois destes, o do actual Director-geral, eng. Luís Gonçalves – e apesar de ter recebido “a criança em braços” já com a época em curso. depois, a equipa técnica escolhida pelo Presidente. e então, só depois, tod@s nós, adept@s indefectíveis do FC Porto. em suma: tod@s temos culpas no cartório, com maior ou menor responsabilidade. o meu enfoque centra-se nas primeiras.

acho que estamos de acordo que se avizinham tempos difíceis para os lados do Dragão. e não adianta tapar o Sol com uma peneira: tod@s iremos sofrer, de uma maneira ou de outra, apesar daquela mesma responsabilidade. e não!, não estou a ser catastrofista e/ou pessimista, antes realista.
aliás, arrisco-me a tecer o seguinte cenário: a $AD, na figura do seu responsável máximo, mais uma vez tudo fará para inverter este rumo em direcção a um Abismo que parece não ter um fim e que se iniciou com a debandada do £ibras-Boas, a duas semanas de se iniciar a época 2011/2012 – e é bom recordá-lo. e, sim!, ainda não esqueci, sequer perdoei!
para que se inverta esta (espécie precoce de) hegemonia pintada em tons mais rubros, espero bem que não se hipotequem os desígnios financeiros a que estamos obrigados pelas normas da UEFA – muito rígidas, inflexíveis e nada meigas para com clubes da nossa dimensão e periféricos ao centro do P(h)oder futebolístico europeu.
ao contrário da recente e muito bem-vinda “onda azul”, temo que o próximo treinador da equipa sénior de futebol profissional não terá umas condescendência e indulgência tão benévolas por parte daquela – seja ele o Nuno ou qualquer outro Espírito Santo, com agravo para o primeiro caso permaneça para a próxima época (o que desconfio que não venha a acontecer).
assim, aos primeiros desaires que surgirem (que inevitavelmente irão surgir, não haja dúvidas. espera-se e deseja-se é que sejam em menor número do que a época em curso – 01 derrota e 10 comprometedores empates…), prevejo que regressará (em número e em peso) a “homérica” massa assoBiativa, com tudo o que de pernicioso tal poderá acarretar para uma equipa em construção – e sim!, iremos assistir a um novo defeso movimentado para os nossos lados, quanto mais não seja porque está orçamentada a necessidade de «proveitos com transações de passes de jogadores no valor de 115,781M€» (aqui, a páginas 05).

concluindo: este é um cenário plausível e que não se deseja, sequer que se repita, de todo! para tal, já bastam os últimos quatro anos. mas, se vier a acontecer, que se tenha a plena consciência de que há a forte probabilidade de que aqueles quatro anos perdurarão (pelo menos) por mais um. e, sim!, estou muito descrente na capacidade de inversão deste rumo, porque as promessas feitas há um ano não se concretizaram e retumbaram num fiasco. mais um…
é certo que houve melhorias no plano comunicacional do Clube, no qual estamos mais “agressivos” (por que basto incómodos) para com o “glorioso” ‘establishment‘ que (ainda) reina no nosso comezinho futebolzinho tuga;
sim!, a aquisição dos direitos desportivos e económicos de ‘tiKinho’ Soares indicia (mesmo que de forma precoce e/ou pírrica) uma inversão no modelo de contratação, porventura mais voltado para o que de bom existe em território nacional;
sim!, há potencial no actual plantel, apesar de todas as suas limitações, igualmente próprias de muita juventude;
sim!, poderemos, com ponderação, vender alguns dos nossos “anéis” (Danilo, Rúben, Brahimi, André Silva) que o Futuro permanece de certa forma risonho, pois que há muita “matéria prima” de Qualidade nos escalões da formação azul-e-branca,

mas “isto” só, não chega para satisfazer as altas expectativas de um adepto portista. para mim, não bastam. quero e desejo mais, nem que tenhamos que ficar “a seco” outros dezanove anos (e longe de nós vá tal agouro!).
quero é perceber que efectiva e comprovadamente está a haver uma inflexão neste rumo. e, Hoje, e como ali em cima o afirmei, ainda não consigo acreditar, porque os “sinais” dados por quem decide ainda não são satisfatórios e indiciam que as práticas serão as mesmas esperando-se por resultados diferentes – os mesmos que, nestes últimos quatro anos redundaram num enorme z-e-r-o títulos. e é bom que se perceba que são estes últimos quatro anos que estarão sempre presentes no cutelo, ao invés dos anteriores trinta e um de muito Sucesso (talvez porque a memória dos homens seja fraca, talvez porque a Gratidão também tem um fim)…
espero mesmo estar redondamente enganado nestes meus vaticínios e que, de hoje a um ano e se não for antes, possa estar a emendá-los e a pedir-te e a quem de direito, sinceras desculpas pelo sucedido.

finalizando:
.

.

«
permanecendo (‘ad aeternum‘?) nos destinos do nosso Clube do coração, vai desgastando a sua imagem, bem como aquela aura de líder incontestado e incontestável, que tanto trabalho, esforço, dedicação e empenho lhe levou a construir – os últimos quatro anos são disso exemplo.
[…]
lastimo que, no nosso Clube, não haja quem, sendo frontalmente contra a actual Direcção, não elabore um projecto convincente e o submeta ao escrutínio dos sócios, e mesmo tendo sempre presente a verdadeira abada que poderá levar nas urnas. estou certo da minha mais forte convicção de que, mesmo assim, conquistaria o Respeito de muitos – inclusive dos que contra si teriam votado.
»
.

a toda esta (extensa) prosa e àquelas minhas palavras datadas de Dezembro de 2016, em Março desse mesmo ano expressei publicamente o desejo íntimo de que «quero acreditar em querer acreditar!».
nunca pensei que, mais de um ano volvido, aquelas permanecessem tão actuais e que essas vontades estivessem tão vivas, infelizmente – porque tal significa que voltamos a claudicar e que o Fracasso persiste em se sobrepor ao Sucesso.
e, com todo este relambório, que não se infira que estou a afirmar que não se está a trabalhar, de todo! acho é que esse deve ser melhor direccionado e já no planeamento da próxima época – a começar pela assertividade na escolha do treinador, como sempre.

e, já agora…

… qual é o teu prognóstico, o teu grau de confiança?
.

.
peço-te esse favor de despenderes (e no máximo!) mais um minuto, do teu precioso e valiosíssimo tempo, a responder àquele inquérito, cuja votação termina às 19h30m de amanhã, Quinta-feira, dia 11 de Maio de 2017.

.

.
disse!
.

#euacarditocarago!

futuro© ojogo | FC Porto para sempre
.

caríssim@,

convém não esquecer que o que a imagem acima noticia, também é muito do que estará em jogo, logo mais, ante a toda-poderosa equipa da AS Roma.
e que aquele potencial capital faz muita falta para um clube da nossa dimensão e não faz qualquer sentido negligenciá-lo (pelo menos, para mim).
e que, independentemente do resultado final que vier a acontecer nesta eliminatória de (pelo menos) 180, tal não invalida que se possa questionar o porquê de muita da planificação da presente temporada dar a entender que depende, e de sobremaneira!, de todos aqueles milhões de euros, e da consequente e inerente passagem à fase de grupos.

apesar de tudo e contudo,

#euacarditocar@go!

e, já agora …

… qual é o teu prognóstico, o teu grau de confiança?
.

.
peço-te esse favor de despenderes (e no máximo!) mais um minuto, do teu precioso e valiosíssimo tempo, a responder àquele inquérito, cuja votação termina às 19h30m desta Quarta-feira, dia 17 de Agosto de 2016.

.
disse!
.

estórias de Abril…

abril01© FC Porto
.

caríssima(o),

pertenço à geração de ’75, pelo que não vivi o dia mais marcante de Abril de 1974, (sobretudo) para a geração dos meus pais e para as que a precederam.
ideologias políticas à parte (porque não é disso que se trata aqui, nem é por esse caminho que pretendo enveredar a prosa), desse dia tenho o grato privilégio de, por exemplo, poder estar aqui a comunicar contigo em total Liberdade, algo impensável durante toda a década de ’60 (e numa altura em que não havia internet, e as redes sociais eram meras conversas de circunstância). bem… total liberdade… nem tanto, que o “grande irmão” ainda anda por aí, junto com outros «pulhas pidescos» da actualidade… adiante.

no que a nós, portistas indefectíveis, diz respeito, Abril surgiu um pouco mais tarde, corria o ano de 1979. e é sempre bom recordar que, ao contrário dos outros, sempre tão «gloriosos», a nossa liberdade custou muito a ganhar: não nos foi ofertada, não foi bem-vista, não foi reconhecida, não foi consensual. e, por termos recusado sermos as “ovelhas” de um ‘establishment‘ poeirento, a tresandar a bafio, ainda hoje, graças a essas muitas, imensas, imensuráveis, “amizades” que, desde então, temos granjeado, penamos por termos arvorado, de uma forma decidida, em nos desembaraçarmos das grilhetas que cingiam a nossa ambição de sermos mais do que «os maiores», isto é, de sermos os melhores.

ou seja e sem meias palavras:
custou muito, mas mesmo muito!, aos homens que fizeram dos «andrades» verdadeiros «dragões» (também) na luta contra o P(h)oder instalado nos corredores federativos do centralismo atávico, em plena Capital do Império. e não se trata de uma “modinha”, como ainda hoje nos tentam impingir, antes a mais pura da Realidade: Lisboa e (sobretudo) as suas agremiações da Segunda Circular, representam o Poder que 40 anos de um regime (bastante) “obscuro” moldou (muitas) mentalidades; e, neste quadro cinzento, o nosso
Futebol Clube do Porto surge indelével e irrevogavelmente como o bastião do confronto de toda uma região contra essa ordem social estabelecida: a de todo o Norte, parte integrante do resto da «paisagem», desse país centralista e totalmente centralizado no Vale do Tejo.
assim sendo, se “isto” (que sinto todos os dias, inclusive na carteira) não me faz odiar ninguém em particular, por outro lado também contribui (muito, decisivamente) para que não goste n-a-d-a das agremiações em causa, abominando-as, as quais (e sim!) para mim, representam todo esse “mal” que atrás sintetizei e que qualquer portista facilmente identifica.
e é exactamente por tudo o que atrás (não) referi, que não consigo perceber estas linhas aqui, em jeito de pergunta («para o ano será diferente?»), pela pena do “nosso” ‘enfant terríBel‘ Miguel Sousa Tavares, na sua mais recente NORTADA*… e, vai daí, até as percebo, mas guardo as razões só para mim…

* com um agradecimento especial ao caríssimo Vila Pouca por a ter partilhado publicamente, no seu espaço de referência da bluegosfera.
.

e, chegados a este ponto, também é com total incredulidade que ouço, vejo, leio, que há portistas que, no próximo Sábado, não se importarão que o nosso clube de Sempre, o nosso clube do coração, perca a partida ante o spórtém!!!say what‘?! pior: já li, por aí, que há até quem esteja a desejar a nossa derrota só para que se coloque pressão no 5lb!!! wtf?!
a sério que já chegamos a este ponto?! a sério que já colocamos os interesses dos outros (bem) à frente dos nossos?!

para ser ainda mais claro, em jeito de #hashtag (que é mais chique, e coiso e tal) e ‘pardon my french‘:

#euqueromaiséqueospórtémeo5lbsafuód@m

.
e, uma das muitas razões para que o deseje s-e-m-p-r-e, a «ambos os dois», e seja qual for a ocasião, foi explanada
aqui, num outro contexto, estávamos em Abril de 2013.
e também se encontra sinteticamente sumariada na imagem que se segue:
.

abril02© google
(clicar na imagem para ampliar)
.

por último e porque o considero pertinente inquirir, peço-te esse favor de despenderes (e no máximo!) mais um minuto, do teu precioso e valiosíssimo tempo, a responder ao inquérito que se segue, o qual estará disponível sensivelmente até às 15h30m de Sábado:
.

.
sugestão musical:

George Baker Selection, “little green bag“.

.
disse!
.

frustração (desassossego)

cainbw© google | Tomo III
.

caríssima(o),

primeiro foi o andebol, na Quarta-feira. depois, o basquetebol, na Quinta-feira. hoje, começou com o hóquei, e terminou com nova derrota no andebol (para a Taça de Portugal); safou-se a equipa B, numa vitória cheia de garra. em todas aquelas derrotas, autênticos murros no estômago, ficou o fel amargo de as mesmas terem acontecido nos seus instantes finais. e de que ficamos a dever a(s) vitória(s) sobretudo por erros exclusivamente nossos.
enfim… ele há semanas assim, cujo seu desfecho mais parece que teima em perpetuar um estado de alma que se pretende que dissipe o mais rápido possível mas que, ao invés, por um qualquer motivo, tal não acontece, e logo a besta do ‘kharma‘ surge para nos avivar a memória daqueles dias, por exemplo, em plena década de ’90, quando nos julgávamos os maiores (que fomos!), quando eram os outros a sofrer as agruras de perder consecutivamente, fosse em que modalidade nos encontrassem pela frente (e como eles sofreram!), e quando nos considerávamos imparáveis e as luzes brilhavam exclusivamente sobre nós.
de facto, “those were the days“… actualmente… não sei… sim!, tenho dúvidas de que venhamos a ser “imortais”, outra vez. aliás: tenho receio do que (não) venhamos a ser… pode ser que, «logo que passe a monção», tudo volte a ser como era (dantes)… Hoje, só quero ficar sozinho, com as minhas neura, telha, descrença, má disposição, frustração total. e com todo este desassossego emocional, que me corrói as entranhas e que, em crescendo, faz com que só me apeteça invectivar e objurgar, com muitos turpilóquios à mistura, quem por aqui aparece exclusivamente nestes momentos, mormente para me “desejar felicidades”. para esses bardamerdas, todo o meu desprezo e os votos de que podem ir celebrar o #rumo que bem lhes aprouver para a grande p*t@ que os pariu, com o cr@**o que os f*d@ como companhia.
.

entretanto e a propósito da próxima jornada, para a liga do nosso comezinho futebolzinho e das suas mentiras de Abril,  peço-te esse favor de despenderes (e no máximo!) mais um minuto, do teu precioso e valiosíssimo tempo, a responder ao inquérito que se segue, o qual estará disponível sensivelmente até às 18h30m de Segunda-feira:
.

.
.
sugestão musical:

«

you were caught on the crossfire of childhood and stardom,
blown on the steel breeze.
come on you target, for faraway laughter; 
come on you stranger, you legend, you martyr: and shine!

»

pink floyd, “shine on you crazy diamond“.

.
disse!
.

«nesta data querida»…

pml040316© pravda
(clicar na imagem para ampliar)
.

caríssima(o),

consta que aquele senhor, que (também) declarava o salário mínimo nacional, na década de 90 (aqui) do século passado e quando chegou a ser proprietário «de uma mansão», no decurso do dia de ontem, Quinta-feira, foi «detido por suspeitas da prática dos crimes de branqueamento de capitais e de tráfico de influências, no âmbito da operação “Rota do Atlântico”».
consta também consta que o senhor em causa, de Janeiro de 1994 a Outubro de 1997, foi o 30º “parsidente” do 5lb.
porém e de acordo com as
 capas dos pasquins desportivos, desta Sexta-feira, nada consta sobre aquele sucedido… não é nada que me surpreenda e tendo em linha de conta o que os mesmos – «ambos os três» (!!!) – fizeram em Julho de 2015, no âmbito da “operação fénix”. é só mais um exemplo, de (mais) um «glorioso» branqueamento capital e que muito deve “engrandecer” quem o pratica.

entretanto, a imagem acima é do mais recente BRASÃO ABENÇOADO, da autoria de Pedro Marques Lopes (aqui), presente na edição impressa, desta Sexta-feira, do pravda da Travessa da Queimada (aqui). escusado será dizer e mais uma vez, que concordo, em absoluto, com o que Pedro Marques Lopes defende. em. absoluto. palavra. por. palavra.
.

tomo© Tomo III
.

por último, (também) no dia de ontem, este novel espaço de discussão pública comemorou o seu primeiro aniversário, 266postas de pescada”® depois.
trata-se da terceira edição de uma aventura que começou a 04 de Julho de 2008, sempre com o mesmo entusiasmo e a mesmíssima dedicação, mas com um redobrado fervor clubista, por esse Amor comum e que dá pelo nome de Futebol Clube do Porto.
assim sendo, mantenho tudo o que escrevi em Julho de 2014, reforçando a ideia inicial de que este espaço existe graças a TI, por TI e para TI!

[neste entretanto, devido ao período de eleições para o Clube e às que ocorreram ontem, mas para a SAD portista, muito há para dizer. só que, entrementes, neste intervalo de tempo, o Jorge já se antecipou e redigiu um texto, o qual subscrevo. na íntegra. palavra. por. palavra. (e apesar da referência ao meu ídolo de adolescência).]

ah!
a propósito da super-jornada deste final-de-semana e que muito definirá sobre o epílogo desta liga, peço-te encarecidamente o favor de despenderes (e no máximo!) mais um minuto, do teu precioso e valiosíssimo tempo, a responder ao inquérito que se segue, o qual estará disponível até (sensivelmente…) às 19h30m de amanhã, Sábado:
.

.
disse!
.

a-le-lui-a!

pdc01© FC Porto
.

.

«

arbitragens e nomeações:

Na semana passada estive no Conselho de Arbitragem. Fui recebido para colocar determinadas questões, porque as queria compreender; não foi para dizer nada, porque eles é que são os responsáveis… Mas soube de uma coisa, que naturalmente também vos surpreenderá, e que a mim me surpreendeu completamente: é que há uma comissão de nomeações composta por três membros – a saber: Vítor Pereira, Luís Guilherme e Lucílio Babtista -, e que, em todas as reuniões, dessa comissão, Luís Guilherme e Lucílio Babtista abstêm-se e põem, na ata da reunião, que se abstiveram das nomeações por não estarem de acordo com a forma como está a ser gerida a arbitragem – nomeadamente por um senhor Ferreira Nunes de Coimbra, que controla as classificações e os observadores.
E, como não estão de acordo – atenção que não sou eu! São eles que não estão de acordo -, estamos num impasse… O Conselho de Arbitragem, que tem três elementos para nomear árbitros, desses, dois deles, por não estarem de acordo com o funcionamento, abstêm-se (!!!). Se acham que isto dá garantias à arbitragem e aos bons árbitros, fico surpreendido…
.

“encomenda” de (mais uma) capela:

Está-me a dar uma novidade [da “encomenda capela“]. Acho graça porque, há dias, quando me perguntaram quem é que eu achava que iria ser o árbitro [em Belém], disse que seria um de dois: ou o João Capela ou o Nuno Almeida… Pelos vistos, acertei…
Não vou comentar os comentadores. Registo factos! Palpitava-me que seria um dos dois, e acertei. Os meus palpites, às vezes, dão certo
[risos].
.

SuperDragões vs. ferreira de Fafe vs. me(r)dia:

Não sei do que está a falar [tentativa de jantar, de elementos dos Super, no restaurante do pai do apitador de Fafe]. Mas, do senhor Jorge Ferreira, eu demarco-me completamente do seu tipo de arbitragem e do árbitro! Isso demarco-me completamente! A claque não tomou posição nenhuma, senão eu teria conhecimento! Mas as claques não têm nada que ver com arbitragem, que eu saiba. Protestam, como qualquer outro adepto tem direito a protestar. E basta ver alguns programas televisivos, de “pseudocomentadores” de futebol e o que estes dizem sobre os árbitros, para se perceber que eles [“pseudocomentadores”] não ajudam nada ao Futebol.
.

caso Maicon:

Toda a gente sentiu que, depois daquele jogo, ele não tinha condições para continuar a vestir a camisola do FC Porto. Portanto, apareceu o São Paulo e entendemos que esta seria a melhor solução para o jogador poder reiniciar a carreira e, também, para o FC Porto.
[o Maicon] Tem contrato por mais dois anos e, se aparecer algum clube interessado, veremos na altura própria. Agora, uma coisa é certa: ficar lá , no Brasil e até ao final [do corrente ano civil de 2016], isso não ficará! O contrato acordado com o São Paulo é só até 30 de Junho; e, nesse dia, o Maicon tem de se apresentar aqui.
.

«transportadora aérea da portela»:

Enquanto cidadão portuense, acho que devemos, em primeiro lugar, compreender que os tempos mudam, que as circunstancias são diferentes e que, portanto, os nomes também deveriam mudar. Assim, a primeira coisa que a TAP deveria fazer seria a de mudar o nome para “Transportadora Aérea da Portela”, e aí já compreenderíamos tudo.
Penso que estamos a ter uma óptima reacção e colaboração, por parte das outras transportadoras
[ao cancelamento de rotas da TAP, a partir do aeroporto da cidade ImBicta]. E, desde que seja garantido que o Porto (cidade) não perderá os voos a que tem direito e de que tem necessidade, para mim, o facto de não serem da “Transportadora Aérea da Portela” até é uma garantia de Qualidade.
.

»

in FC Porto e ojogo.
.

porr@, Presidente! é isto mesmo! assim, sim! falou, e falou bem!

foi assertivo, contundente, mordaz e bastante perspicaz, tal e qual como me/nos habituou (porventura, mal…), ao longo destes (mais de) trinta e dois anos de presidência.
confesso que gostei mais destas declarações, apesar de breves, do que as suas últimas três entrevistas. e, confesso, fiquei bem mais agradado com o teor sumaríssimo daquelas do que tudo o que (não) disse nessas entrevistas.
e confidencio também que, assim, desta forma, é que “dá gosto”: é vê-los espernear, com o facto de pensarem que “comemos gelados com a testa” e que nos têm por morcões, lorpas e/ou cefalópodes. refiro-me ao jornalixo tuga obviamente. por exemplo, a propósito de uma profilática visita de cortesia, a Fafe, por parte de alguns elementos dos SuperDragões, é vê-los a «pedir auxílio» e a afirmar que «há linhas que não podem ser ultrapassadas». só ainda não se sabe é se serão daquelas ‘made in#porta18, não é ó mr. burns?
pois é, pois é… até guincham, car@go! e tudo porque se tentou jantar, não se conseguiu e se teve que chamar (e bem!) a autoridade, por questões legais alheias aos elementos da claque, note-se bem!…

de facto, confesso que é assim mesmo que eu gosto!
desconheço se será para continuar – espero bem que sim! -, mas já tive (mais) um momento de gozo, esta semana.

.
por último, peço-te encarecidamente o favor de despenderes (e no máximo!) mais um minuto, do teu precioso e valiosíssimo tempo, a responder ao inquérito que se segue, o qual estará disponível até (sensivelmente…) às 19h30m de amanhã, Quinta-feira:
.

.
sugestão musical:

.

« For millions of years, Mankind lived just like the animals.
Then something happened, which unleashed the power of our imagination: we learned to talk. »
.

pink floyd, “keep talking“.

.
disse!
.

para Dortmund…

© google
.

… qual é o teu prognóstico, o teu grau de confiança?
.

.
a votação termina às 17h30m desta Quinta-feira, dia 18 de Fevereiro de 2016.
.

estaremos vivos?…

…pergunta-se sobre qual é verdadeiramente o teu grau de confiança actual:

.


.

a votação termina às 19h desta Sexta-feira, dia 12 de Fevereiro de 2016.
.

pedido de esclarecimento [actualizado]…

… sobre qual é o teu grau de confiança actual.
.

.
a votação termina às 19h de Quarta-feira.

.
resultados finais:
.

resultadof© Tomo III
(clicar na imagem para ampliar)
.