a culpa é da vontade!

© fotos da curva
.

caríssim@,

na voz da Manuela Azevedo *, cantando Variações, «a culpa é da Vontade que eu tenho de te abraçar»… explico.

passaram-se longos quatro anos desde a última vez; quase 1460 dias. uma Eternidade, portanto. aliás, há, entre nós, quem não saiba o que é uma festa de arromba nos Aliados ‘in loco’. e ainda falta um ponto para que tudo seja realidade, atenção! um mísero ponto em seis possíveis. e este é um facto que convém ter em conta: ainda não ganhamos N-A-D-A!

portanto, se considero que não tem qualquer mal festejar uma vitória que nos aproxima do ponto final e que os nossos jogadores merecem todo o apoio, todo o carinho, todo o calor azul-e-branco que sentiram, esta amdrugada, ao chegar à ImBicta, por outro lado tenho que lamentar que tenha havido quem, entre os presentes, tenha entoado “Campeão! Campeão! Campeão!” ao invés de “quero o FC Porto campeão!” e como seria expectável.
repito-me: apesar de compreender a Euforia, ainda falta conquistar um ponto. e mesmo confiante numa vitória, no próximo Domingo, começar a lançar foguetes antes da festa tal pode ser considerado um desrespeito para com o Feirense que, na época passada, arrancou um empate no nosso teatro de sonhos azuis-e-brancos. para além de que, em 2013, tivemos o exemplo dos outros que, ao festejarem antes do tempo, com toda a sua Soberba e a sua Arrogância, concederam-nos um flanco importantíssimo para nos sagrarmos campeões duas semanas depois.

no fundo, a culpa é dessa Vontade de nos vermos Campeões e em que Ontem já era tarde. tal pressente-se também na Equipa, ansiosos pela chegada desse momento – com Herrera à cabeça, por ser o elemento mais antigo do plantel e por estar “à seca” há quatro penosos anos. e como foi bonito de o ver, esta madrugada, como um de nós, como mais um adepto portista, extremamente feliz por estar próximo da Felicidade!…
mas, a Realidade diz-nos que tal não pode ser. e, por muito que tenha vestido um dos nossos Mantos Sagrados da época 2014/2015 e o tenha trazido comigo para a labuta, tal não significa nada mais do que a expressão de um capricho, de um desejo íntimo que ainda não se concretizou. ainda. está à distância de um ponto. seja a Equipa capaz de o obter, com juros, no próximo Domingo. sobretudo porque tod@s nós o merecemos. e porque é da mais elementar justiç
a.

[* sugestão musical para acompanhar este monólogo e que imodestamente considero muito apropriada para esta ocasião.]

.
disse!
.

Anúncios

i’m (not) back! (curto regresso)

© FC Porto
.

hello, caríssim@!
tudo ok contigo? sim, estou mais magro. e mais esbelto. e com mais pêlo na venta, é verdade. gosto muito e ela também.
os britânicos têm a expressãolong time, no see” para momentos como este, mas não falemos de fados que nos trazem más recordações, sff. obrigado. e daí… explico.

passaram-se oito meses desde a última vez. é muito tempo, com certeza que sim – apesar de me manter activo na rede social Twitter, na conta oficial da página ⑨②ᙏïηuŧø (@92minutooficial), como, em devido tempo, o referi aqui. e de amiúde ir lançando uns bitaites na Tasca do ‘shôr’ Silva, qual bêbado na mesa do fundo a praguejar contra a sua Sorte (ou o seu Azar).
neste entretanto, toda uma época em curso está prestes do seu epílogo e sem que eu me tivesse pronunciado. e porquê? sobretudo porque não quis ser “pé frio”. sim, sou supersticioso a esse ponto. começámos a vencer e eu senti-me bem assim: confortável, no meu casulo, a torcer “por fora” mas sem estar realmente alheado do quotidiano azul-e-branco, porque há hábitos (vícios) que não se desprendem de nós num instante tão rápido quanto uma ‘revienga’ do Brahimi; quanto muito, são como um passe herrado do… renato sanches. adiante.
conscientemente optei por manter uma espécie de “anonimato” por forma a que o ‘momentum‘ da Equipa permanecesse. é como, nos jogos “a doer”, escolhermos somente “aquele” Manto Sagrado e “aquele” cachecol somente porque sim e nem pensarmos em algo diferente. o quê? sou maluquinho? sou, mas lido bem comigo e com esta minha sina, obrigado pela preocupação.

e estava eu – quem mais? – neste ramerrame songamonga quando, oh sacrilégio!, perdemos no reino dos viscondes falidos de Alvaláxia – desta feita, na segunda mão de uma eliminatória de acesso à final para a Taça de Portugal. em penáltes. mais uma vez. e como já tinha acontecido em Braga, para a ex-taça da bjeKa, em Janeiro último. fomos tremendamente eficazes em acertar nos postes; pena que estes lances não contem como golos válidos…
mais do que tecer considerandos sobre o jogo em si – porque os deixo para os Cavanis e para os meus locais de referência na bluegosfera -, o que me preocupa é esse carrossel de emoções que em menos de 72h invadiu a Nação Portista, om qual a imagem acima ilustra na perfeição.
[e abro aqui um parêntesis para te pedir desculpas pelo violento cromatismo daquela. eu sei que fere as tuas sensíveis vistinhas. a mim também. mas tinha que ser uma imagem que causasse impacto – tal como um corte defeituoso na nossa defesa… acho que compreenderás as razões.]

de volta a esse sentimento tão característico do se ser tuga e que transforma uma equipa bestial num aglomerado de bestas em menos tempo que o Sérgio Oliveira a recuperar a sua posição no meio-campo.
quem me conhece destas andanças sabe bem o que penso nestas alturas: mais do que se apregoar Exigência, é tempo de nos unirmos em torno de uma Equipa que já nos deu mais alegrias do que desconsolos, esta época. uma equipa que, em Agosto último, muitos de nós duvidavam que pudesse ter o desempenho que está a ter, este que redige estas linhas incluído. e que lutou bravamente em todas as frentes das batalhas que se propôs travar. e sempre para Ganhar! s-e-m-p-r-e!, inclusive ontem. 
portanto, não contem comigo para “cavalgar ondas” de pessimismo. eu acredito que iremos ser Felizes, apesar de estar com um melão pior do que qualquer #rabolhorubro depois de Domingo.

sim: no passado Domingo, quem nos lesse nas redes sociais e/ou nos ouvisse em podcasts e/ou programas de tv, éramos os maiores, não só da Cantareira, mas do Universo e tudo estava ao nosso alcance. e era, de facto, uma pena que a eliminatória de acesso aos quartos-de-final já tivesse acontecido – mesmo com a arreliadora lesão do Danilo, a forma física do plantel “presa por arames” e os (supostos) reforços de Inverno a não convencerem sequer um adepto ferrenho de Curling (piadola que pretende fazer uma interligação com “vassouradas” e tal… é aquilo a que se chama de #Limeirinha… às vezes costuma resultar…).
hoje, os mesmíssimos heróis de há 72h atrás são uma valente merda e não valem sequer um caral…ças, a começar pelo Treinador. todos, sem excepção, são piores do que um daqueles passes herrados e muit’estúpidos do nosso Capitão. muito piores do que uma intercepção falhada do Osório. muito mais horríveis do que um (suposto) passe em profundidade do Felipe. acho que já dá para se ter uma ideia.

como já referi, eu não embarco neste tipo de águas agitadas e numa  espécie de bipolaridade que só encontro razões de existir por estarmos há quatro anos “a seco”, numa aparente seca de títulos que parece não ter fim. pois que conheço muit@s portistas que estiveram de-za-no-ve anos só com uma singela Taça de Portugal como orgulho, depois de outros de-zas-seis sem a conquista de qualquer título.
[momento de silêncio para expressar a minha solidariedade para com viveu esses tempos. e numa altura em que as conversas de café se esfumavam assim que os intérpretes abandonavam esses locais privilegiados de tertúlias; agora tudo permanece etéreo e para Sempre nas redes sociais, aos olhos de todos – inclusive dos que adoram quando nos desunimos.]

.
acho que este testament… este texto consideravelmente longo já dá para se ter uma ideia da mensagem que resolvi explanar à saciedade:

este não é o momento de deitarmos tudo a perder com descrenças que resultam de um jogo menos conseguido nos instantes finais de uma segunda parte, por uma equipa que já leva 48 partidas numa época desgastante. e que provêm de erros de avaliação eventualmente erróneos do seu treinador – o qual, nesta mesma época, já deu mais do que provas suficientes de que aprende com os ditos. também não afirmo que este esteja imune a críticas, que não está; só não é o momento das mesmas serem tecidas em público e, como já o referi, para que todos quantos nos desejam “muito bem” as saboreiem como um golo nos instantes finais da partida e no nosso reduto.
no meu entendimento, este é o momento em que teremos que estar, de facto, com a Equipa e de sermos um só corpo e uma só Vontade e um só Querer, por forma a almejarmos um tão ambicionado título. se enveredarmos por outro caminho, só estaremos a facilitar o trilho que os outros também têm que percorrer. e, mais do que um #MarAzul, estaremos a ser uma tempestade num copo de água, numa Hysteria* despropositada.
nunca mais chega Segunda-feira…

[* sugestão musical para acompanhar este monólogo e que imodestamente considero muito apropriada para esta ocasião.]

.
disse!
.

interregno (parte III).

© FC Porto
.

caríssim@,

está naquela altura, naquele momento do ano, em que se parte, com a Família, numa busca por um tão necessário retemperar de energias.

assim sendo:

revemo-nos em Agosto, meu Porto!
até já! 😉

#azulebrancoeocoracao #semigual #orgulhotripeiro #longedavistamassemprenocoracao

.
até esse reencontro, o meu desejo é somente um e o mesmo de sempre:

faz o favor de ser feliz!

.
ah! e apesar de toda a contra-informação e de todos os ‘soundbytes’ que gloriosamente vão sendo difundidos nos costumeiros me(r)dia e no jornalixo da tugalândia, convém esmorecer. não há que ceder o flanco, sequer desanimar, desalentar, perder o ânimo.
esta cena dos e-mails e do #benfixer até poderá não dar em nada em termos de Justiça Desportiva, sequer Cível (e porque, da Criminal, estamos “conversados”…); mas há algo que já se conseguiu: que muit@s d@s que nos acusavam de «fruteiros» (não) tivessem perdido a vergonha e se lhes conseguisse “descobrir a careca” dos seus (balofos) Desportivismo e Isenção (da treta, pois claro).

por último, mais uma vez*, e para os “alguéns” que, apesar de todos os avisos, ainda assim persistem em visitar este espaço, mesmo não sendo bem-vindos (de todo!) e que me apelidam de «fruteiro», para a História ficará o registo daquelas trocas de mensagens electrónicas que, por não terem sido apagadas como se exigia por um dos seus intervenientes, entretanto têm sido muito abafadas pelas prostiputas do jornalixo tuga, a soldo do carnidense – as mesmas que fazem tudo por relevar esta posterior revelação, acerca dos “impolutos:
(* já deu para se perceber que nunca me irei cansar de repetir este episódio de autêntica, comprovada #frutavermelhaparadormir. e só será ‘ad nauseam‘ para quem se sentir incomodado com a sua revelação – o que não é o meu caso, de todo.)
.

© google | 92º minuto
(clicar na imagem para ampliar)

.

álbum indispensável para férias:

air, moon safari (1998).
.

leitura indispensável para férias:

revista dragões #368 (aqui, em pdf).
.

podcast indispensável para férias:

a culpa é do cavani, jornada #2 (aqui).

.
agora apague tudo!
.

«quem sentiu na pele fui eu!»

© alamy
.

.

« […] esse episódio do túnel foi decisivo.
não, não foi justa
[a decisão]. a forma como os meus jogadores foram tratados, como o FC Porto foi tratado, a forma como as coisas aconteceram… não foi verdade. e digo isto cara a cara, quer as pessoas gostem ou não gostem. quem sentiu na pele fui eu: estive lá e vi.
e também senti, durante um ano, como as coisas aconteceram: à 14ª jornada, quando jogámos na Luz, dizia a Imprensa que o 5lb estava a fazer «um campeonato tremendo», quando levava apenas mais um ponto do que nós e tinha os mesmos pontos que o SC Braga…
e ninguém aqui é mais esperto do que os outros, nem mais estúpido. a mim e aos meus jogadores, marcou-nos muito e tirou-nos a possibilidade de ganharmos o quinto campeonato, o que seria um feito notável
[o FC Porto teria feito o seu segundo Penta] e, para mim, seria o tetra – um feito perfeitamente impossível de alguém conseguir, em algum momento. »

fonte: zerozero
.

caríssim@,

o dia, hoje, começou com esta excelente notícia aqui. bem, pelo menos para mim, trata-se de uma excelente notícia e que alegrou (e muito!) um dia cinzento. tão excelente que a sua divulgação contrasta com a ânsia em que os mesmos pasquins de Sempre o tentaram colocar em todo o lado menos no clube mais representativo da ImBicta…
acontece que e como pude ler por aí, há “muito boa gente” super-hiper-mega “preocupada” com o custo desta operação e com o ‘fair play‘ financeiro da UEFA e a «falta de contratações»…
para essa gloriosa gente, que amiúde navega pela bluegosfera somente para semear a discórdia, convém recordar que sim!, foram cometidos erros crassos num Passado recente e não há como os desmentir. acontece que, no Dragão, a Ambição sempre foi comedida e nunca se aventou “tomar de assalto” um clube da Premier League quando se é igualmente notável, na UEFA, por se deter a segunda maior dívida de clubes na Europa…
assim sendo e porque estou convencido de que, no Dragão, quem por lá se encontra actualmente não anda a “comer geladinhos com a testa”, é óbvio que esta operação de manutenção de Iker Casillas, no seio de um plantel ainda jovem, mas que já possui a tarimba de uma época em que foi vítima, não só de erros próprios, mas também de muito #polvo, terá sido muito bem ponderada. estou em crer que não se cometeram loucuras desmesuradas. mais: caros são mesmo os depoitres desta vida, que custaram um balúrdio para tão-somente aquecerem os bancos de suplentes do nosso comezinho campeonato; campeões irrepreensíveis como o Iker, galácticos também (sobretudo?) na sua forma de Ser e de Estar, que conferem (muitos) pontos num campeonato – e como ficou demonstrado na época transacta – são “baratos”. olha, se bem aproveitados e em termos de Merchandising (como refiro aqui), pagam-se a eles próprios. salvaguardando as devidas distâncias, se o Real o faz, por que raio é que nós também não o fazemos? Ontem já era tarde, que diabo!…
.

noutro diapasão, as palavras que se reproduzem ali em cima, também para memória futura, são pertença de Jesualdo Ferreira. quem me conhece, sabe que nutro um inestimável carinho pelo Professor. considero-o um dos melhores e mais capazes treinadores tugas que já passaram pelo FC Porto, e o reconhecimento de muitos jogadores que com ele trabalharam é disso prova mais do que suficiente para o confirmar.
aquelas fazem parte de uma extensa entrevista ao pravda da Travessa da Queimada e que o caríssimo Vila Pouca fez o favor de disponibilizar aqui, sendo que a parte referente à sua passagem pelo FC Porto pode ser lida aqui (e aqui), e que, depois de lida, me recordou este Clássico aqui
no fundo, mais não é do que o “repisar”, do que um anterior “lavar de Alma” que aconteceu em Maio de 2008 (aqui) e onde se desmascara o embuste que foi o #campeonatodostuneis – ele que não é um reconhecido Portista, mas que se tornou num enorme Dragão enquanto cá esteve e nas várias vezes que nos visitou como adversário, sempre demonstrando um enorme respeito (carinho? sim, acho que sim!) por nós tod@s. um Senhor, portanto. como poucos (o que é pena).

em suma:
fica o registo de alguém que também sofreu agruras com o Brasão Abençoado ao peito. como ele, todos os que o precederam e os que lhe sucederam. tal e qual como também acontecerá com Sérgio Conceição, o qual será tudo menos um «cepo», bem pelo contrário. muito pelo contrário.
.

por último, mais uma vez*, e para os “alguéns” que, apesar de todos os avisos, ainda assim persistem em visitar este espaço, mesmo não sendo bem-vindos (de todo!) e que me apelidam de «fruteiro», para a História ficará o registo daquelas trocas de mensagens electrónicas que, por não terem sido apagadas como se exigia por um dos seus intervenientes, entretanto têm sido muito abafadas pelas prostiputas do jornalixo tuga, a soldo do carnidense – as mesmas que fazem tudo por relevar esta posterior revelação, acerca dos “impolutos:
(* já deu para se perceber que nunca me irei cansar de repetir este episódio de autêntica, comprovada #frutavermelhaparadormir. e só será ‘ad nauseam‘ para quem se sentir incomodado com a sua revelação – o que não é o meu caso, de todo.)
.

© google | 92º minuto
(clicar na imagem para ampliar)

.

.
agora apague tudo!
.

da espuma dos dias.

© google | 92º minuto
(clicar na imagem para ampliar)

.

caríssim@,

efectivamente ‘life goes on‘…
a Vida continua, tal como o ‘show‘ tem obrigatoriamente que prosseguir, e por muito que nos custe aceitar a (crueldade da) Realidade… sempre foi (e sempre será) assim, porque é essa a Essência da espuma dos dias que correm…
portanto e no «inconseguimento» das palavras de ontem, as de hoje pretendem continuar a dar conta, mas sobretudo denunciar, alguma da filha-da-putice que persiste em subsistir no jornalixo tuga. explico (sucintamente e com recurso a imagens).

a imagem acima reflecte as capas dos pasquins desportivos da tugalândia de ontem – «ambos os três», bem entendido. peço-te o favor de atentares bem para a mesma. obrigado.
certamente que te terás dado conta de que, entre as múltiplas notícias, houve uma, no âmbito da “operação Ajuste Secreto”, que só foi reportada por dois daqueles (e, mesmo assim, de forma muito tímida) e que passou convenientemente despercebida para o pravda da Treavessa da Queimada.
é óbvio que se tratam de critérios editoriais, mas ele há coisas que me são muito difíceis de aceitar, e a desonestidade intelectual é uma delas: fosse outro o protagonista, o visado, o «detido» e o «constituído arguido», assim para uma cor mais azul, e as parangonas seriam mais vivas (vivaças?), tal e qual como num Passado recentíssimo. e é esta gritante (gloriosa?) dualidade de critérios, esta barbaridade em termos de completa ausência de Rigor e de Isenção jornalísticos, que me corrói as entranhas. porque quem faz “isto”, de forma consciente, deliberada, propositada, e quem colabora com estes “esqueminhas”, mais não passa de um sabujo e/ou pé-de-microfone, sem qualquer espinha vertical em termos de Idoneidade, mais não sendo do que uma mera prostiputa ao serviço de outrem, quiçá lá para os lados de Carnide. um «ninho de hipócritas», é o que eles efectiva e comprovadamente são.

e, como alguma bluegosfera bem relembrou, tratam-se dos mesmos vendidos, dos mesmos vendilhões, dos mesmos aduladores, dos mesmos capachos, que, em Junho de 2008, fizeram estas capas, no auge da reclamação do carnidense e do vitória de Guimarães, junto da UEFA, por forma a que o FC Porto «pagasse em todas as frentes»:
.

© google | 92º minuto
(clicar na imagem para ampliar)

.

curiosamente (ou talvez não), a figura do ex-presidente da LPFP e da Câmara Municipal de Oliveira de Azeméis, foi figura central naquela reclamação do carnidense junto da UEFA, porque se predispôs a apresentar prova contrária à de um parecer, encomendado pelo FC Porto e assinado por um jurista da mesmíssima instituição a que presidia, na altura (LPFP), «não seria vinculativo».
infelizmente para os intervenientes nessa tomada de intenções e que não afectos ao Clube da ImBicta, estas foram as capas do dia seguinte àquele:

.

© google | 92º minuto
(clicar na imagem para ampliar)

.

[permite-me continuar a esboçar o meu sorriso mais largo (que não vertical), sempre que me recordo desta gloriosa azia – a mesma que noticiava «novela da Champions longe do fim» e, passado um ano, teve que engolir esta manada de mamutes aqui. consta que, oito anos depois daquela decisão, ainda há quem a esteja a deglutir com extrema dificuldade, e como sinteticamente se explicam nestes dois minutinhos aqui]
.

© google | 92º minuto
(clicar na imagem para ampliar)

.

quem não tem muitos motivos para sorrir, nos últimos tempos, é o “dono” daquela equipa que decididamente não é de tod@s nós (vulgo selecção).
nada me move contra o senhor em questão (porque não nos conhecemos, sequer), assim como não nutro qualquer simpatia e/ou apreço pelo personagem. agora, não posso deixar de registar o afinco diametralmente oposto com que se noticiam os «fortes indícios de fuga ao fisco», nos dois lados da Península Ibérica: enquanto que, por cá, os seus amigalhaços dos me(r)dia e do jornalixo tugas vão varrendo as informações contantes para debaixo de um tapete que ameaça romper a qualquer instante, do lado de lá é como se não houvesse Amanhã, a começar pelo periódico ‘el mundo‘ (aqui).

de facto, a imagem acima é só uma gota num vasto oceano de tráfico (também) de… fortes, poderosas, influências (!!!), e cuja “lavandaria” é resumida neste vídezinho aqui.
pelos vistos, do outro lado da fronteira, há interesses (legítimos) em que se investiguem essas relações promíscuas, dúbias, prenhes em “cortinas de fumo” assumptíveis como legítimas. já pelos meandros do Terreiro do Paço, parece que é melhor #abafartudo, talvez porque haja gloriosos interesses em que não se descubram muitos mais podres. a ver se não houve muitas trocas de e-mails comprometedoras entre as partes envolvidas, como aquelas outras
.

.

agora apague tudo!
.

#herois

© google | publico | 92º minuto
.

caríssim@,

não haverá nada que apague esta dor. nada. mesmo n-a-d-a.
Amanhã certamente que será um novo dia.

trilha sonora para os heróis destes momentos aqui, aqui e aqui. porque é mais do que merecido.
.

disse!
.

do dia do (fervor do) Clube.

© dia do clube | fotos da curva
.

.

[no passado Sábado] decorreu a sexta edição do “Dia do Clube“. eu nem era para ir, mas depois vieram com o choradinho habitual: “ah e tal, se tu não fores, nem vale a pena a malta organizar aquilo, desiste-se, pronto, ficapróano, cumócampeonato”…
já se sabe que sou um coração de manteiga e lá fiz o favor de comparecer. e não é que, maijuma vez, valeu muito a pena?

sobre o que por lá se passou, saberão o que vierem a saber mas, por aqui, não será. apareçam na próxima edição e já não precisam de se fazerem passar por alcoviteiras.

o importante mesmo é dar os parabéns! […]
assim, trato mesmo eu disso: muitos parabéns! à Organização, por tudo ter sido impecável, mas sobretudo pelo trajecto (ascendente) – aquele que eu acompanhei, desde uma salinha na Biblioteca de Espinho ao Estádio do Dragão [passando pelo Auditório José Maria Pedroto, aquando da primeira edição]. caraças, parecem o [Fernando Gomes]!

ainda mais: parabéns ao FCP! principalmente por ter sabido devolver à casa a que pertence este encontro de Portistas e por ter, enfim, acarinhado e endossado, da forma correta, o evento; pelo espaço e pela presença nos painéis; mas, acima de tudo, pelo reconhecimento do esforço dos dedicados organizadores, culminando na presença inesperada, mas bem-vinda, do Presidente.
[portanto e sem ironias] parabéns FC Porto! demorou, mas foi! este é o caminho, sem receio dos nossos, sem trelas e mordaças e cartilhas. e, lá está: sempre que os Portistas se sentem bem-vindos em sua casa, retribuem com a gratidão e com o carinho que nos merece quem dá a vida pelo Clube. […]

perfeito!

in a tasca do Silva | Maio de 2017.
.

caríssim@,

faço minhas as palavras do Silva: não será aqui que se irá saber o muito que foi (bem) debatido sobre a actualidade do quotidiano azul-e-branco. também eu lanço o convite (desafio?) a que quem quiser e puder, na próxima edição marque presença e o testemunhe com os seus próprios olhos. estou certo de que não dará por mal empregue o seu precioso tempo.

mesmo assim, não resisto a partilhar contigo este momento aqui (em vídeo), da autoria do Paulo Bizarro – um dos organizadores de um evento que começou tímido, em Julho de 2012 e que actualmente é a demonstração de que o Portismo entre os adeptos está bem vivo e recomenda-se.
aliás, aquele vídeo é só um (bom) exemplo da veracidade do que afirmo e só por manifesta maledicência se pode inferir que nele se procede a um qualquer tipo de «lavagem gratuita» – seja isso lá o que for. adiante.

o áudio, que também se disponibiliza aqui (em formato mp3) é da da autoria do guitarrista clássico João Dias. e foi assim que se procedeu à abertura dos trabalho da parte da tarde: com um momento arrepiante e que me emocionou bastante (e que ainda o consegue fazer).

por último, mas não menos importante, quero afirmar que foi mesmo muito bom rever alguns de vós, que também resolveram despender algum do seu precioso tempo num conBíBio salutar e que já deixou saudades.
a ver se nos reencontramos em 2018, se Deus quiser! 😉

.
disse!
.

not@s soltas de Moreira de Cónegos.

futuro© getty images
.
(pertinente) nota introdutória:

caríssim@,

depois do cobarde e bárbaro atentado de ontem à noite, em Manchester, tudo o que a seguir se escreverá perde algum do seu sentido – inclusive dessa (eventual) Razão que me assiste em partilhar contigo alguns dos meus pensamentos sobre o quotidiano azul-e-branco…
mas, apesar da raiva, e da dor, e da angústia, e da revolta, e do choro interior, e do medo, e do momento pesaroso que sentimos tod@s nestas ocasiões, o Mundo gira e o Tempo avança. no fundo, é como muito bem escreve o Silva: «é neste miserável Mundo de Adeuses que nos obrigam a viver», pelo que ‘the show must go on‘…
.
.

empty spaces (what are we living for).
.

a propósito do encontro em Moreira de Cónegos, já tudo foi dito e comentado. estou atrasado, portanto, tal e qual aquele onze, com jogadores que humilharam, não só o manto sagrado e o brasão abençoado, mas sobretudo os indefectíveis que lá se deslocaram: também eles chegaram (muito) atrasados à partida. pelo menos 45′ minutos (outra vez, como em tantas outras ocasiões no campeonato que findou).
como escreveu José Fernando Rio:
.

.

« foi o pior jogo da época: ausência de qualquer grau de intensidade, raras oportunidades de golo, desconcentrações fatais. o Moreirense aproveitou bem essa benesse, oferecendo a posse de bola ao FC Porto. no fundo, fazendo a equipa portista acredita que tinha o controlo do jogo; deixou o FC Porto jogar naquele “ram-ram” habitual neste tipo de jogos para, de repente, recuperar a bola e lançar-se em rápidos contra-ataques mortíferos. foi assim que fez três golos e foi  a equipa que mais oportunidades criou em todo o jogo. »
.

eu partilho dessa impressão, subscrevendo-a. na íntegra.
mas, pior – bem pior! – foi esse total desrespeito para com o portismo, o que é algo que, para mim, é inadmissível. como (bem) escreveu o caríssimo Vila Pouca «há limites que nunca podem ser ultrapassados». mais uma vez, em mais um penoso findar de época, esses limites foram excedidos muito para lá do que é aceitavelmente razoável. pior do que aquele resultado final, o laxismo e a absoluta falta de entrega ao jogo, é o que, ainda hoje, me custa a aceitar.
.

futuro© google | 92º minuto
.

another hero, another mindless crime.
.

.

« o FC Porto terminou a época da pior maneira: derrota (justa), por 3-1 frente ao Moreirense. este resultado deixou a equipa a 06 pontos do primeiro lugar, sem ser o melhor ataque e também sem ser a melhor defesa do campeonato – algo que estava garantido antes do início da partida.
mais: com apenas 22 vitórias para o campeonato, fica com um registo bem pior do que o da (atribulada) temporada passada – em que se conseguiram somente 23 vitórias. “o melhor” que se conseguiu foi tão-somente diminuir o número de derrotas e melhorar o registo do número dos empates…
»,

também escreveu José Fernando Rio.
face a tais números, às razões elencadas pela C. na sua carta aberta ao Espírito Santo (que também subscrevo) e ao pecúlio de uma época em que se «ganhou… bola!» – a quarta consecutiva… – era inevitável este desfecho aqui.

sim!, a corda “partiu” para o (suposto) lado mais frágil, como é recorrente nestas alturas, na «indústria do Futebol». mas e é bom salientá-lo, tal não iliba a Direcção da $AD azul-e-branca e os seus mais altos cargos dirigentes, das responsabilidades de mais um fracasso total, com a figura de Jorge Nuno de Lima Pinto da Costa à cabeça, antes pelo contrário.
e, ao contrário da época anterior, mais do que uma “entrevista” do Presidente ao Porto Canal (ou a um qualquer outro órgão de intoxicação comunicacional que não seja o Canal do Clube), quero “ver” Acção. chega de palavreado, de falinhas mansas, de tapar o Sol com peneiras múltiplas; o momento é de já se estar a preparar a época 2017/2018 – fundamental para as aspirações do Clube em múltiplos níveis, que não só o Desportivo. basta recordar que só o futuro campeão nacional terá acesso à fase de grupos da edição da Champions de 2018/2019. e sabe-se como é fundamental (preponderante?) a presença do Clube na mais prestigiada competição mundial de clubes…
ah! e considerarei um insulto a tod@s @s portistas se houver nova distribuição de prémios, entre aqueles administradores da mesmíssima $AD que, é certo, já nos proporcionou muitas alegrias num Passado recente. mas esse “juro” já foi pago; ao invés, os quatro últimos anos só nos têm causado prejuízo, e esse não pode ser premiado, bem pelo contrário.

uma palavra para o Nuno, neste momento bastante conturbado:
o facto de ter prescindido «do segundo ano de contrato na totalidade, recebendo apenas os salários referentes até ao próximo dia 30 de junho», como referem alguns pasquins da tugalândia, revela uma lisura invulgar para alguns dos seus antecessores.
também quero salientar que foi uma escolha presidencial que, apesar de ter dado errado, foi a que aceitou um cargo que considero que já foi mais apetecível num Passado recente, do que nos dias de hoje. de facto, quatro treinadores, mais dois interinos, em quatro épocas desportivas, está longe de ser considerado uma espécie de “cemitério de treinadores”, mas também não será a melhor imagem de marca…
e também será bom recordar as condições por que se quedou a última época desportiva, e de como se revelava hercúlea a tarefa do Nuno, a ter que apelar a algum “Espírito Santo” para a levar a bom porto: sucintamente, uma equipa destroçada por um deslustroso terceiro lugar no campeonato (a uns impensáveis 15 pontos (!!!) do líder) e uma final da Taça de Portugal perdida de forma inglória.
mesmo assim, tudo se precipitou depois daquela espécie de derrota ante o Setúbal “de” couceiro, em casa, com o epílogo de 01 derrota e 05 empates nos últimos 09 jogos do campeonato. por mais apoio que tenha tido das (e nas) bancadas, há factos que acabam por fazer “torrar a paciência” do mais calmo dos adeptos – desenhos e silêncios cúmplices, em conferências de Imprensa, à parte..
.
.

futuro© google | 92º minuto
.

abandoned places (i guess we know the score).
.

fizeram-me chegar a imagem acima através do e-mail do blogue. no texto que a acompanhava, refere-se que aquela circula à velocidade da luz pelas redes sociais afectas à agremiação carnidense.
quero afirmar que desconheço a veracidade, não só daquele último facto (porque não as consulto, sequer sei da sua existência), mas sobretudo do teor daquela troca de mensagens na aplicação ‘whatsapp’®.
mesmo assim, há algo que tenho e que quero registar:

» na “posta de pescada”© da passada Quarta-feira afirmei:

« que fique expresso, desde já, o meu mais firme desejo para que o FC Porto, e como se prevê, não seja beneficiado, no próximo Domingo, em Moreira de Cónegos. […] confesso que, no caso em apreço, não me importarei que se percam os pontos suficientes para que o Moreirense permaneça na Primeira Liga e consequentemente a agremiação (curiosamente muito lampiã) de Tondela desça à divisão mais condizente com a sua categoria (ou a falta desta). »

àquele desejo, fiz a seguinte ressalva:

« e que fique bem claro que nunca desejarei a derrota do meu Clube do coração, seja em que circunstância for. »
.

pensei que tal seria um texto perceptível onde, na qualidade de adepto e sem qualquer contacto “ao mais alto níBel” na Estrutura do FC Porto, expressei também o desejo de descida do Tondela. e sobretudo que essa, a acontecer, não fosse à custa de um qualquer benefício arbitral do FC Porto em Moreira de Cónegos, “sacrificando-se” o clube local.
afinal, no fim, quem desceu foi o Arouca, cujo presidente deixará de respirar o mesmo ar dos que o rodeiam lá pelo reino de Alvaláxia…

aferir que eu, por manifestar aquele desejo, estou conivente com aquela eventual partilha pública de um pensamento do líder da principal claque do Clube, vai uma distância tão grande (ou até superior) como a que separa o suposto prejuízo do 5lb, na última edição da Liga Salazar, relativamente ao abjecto esbulho (por que basto «glorioso») de que efectivamente fomos alvo na mesma. para além de que se parte de um pressuposto absolutamente ridículo (por que inócuo).
.

futuro© Rui Duarte | 92º minuto
.

behind the curtain, in the pantomime.
.

ontem deu-me para voltar a ouver o ‘Prolongamento‘. infelizmente fomos o tema principal de conversa, durante mais de uma hora de programa, o qual incidiu na rescisão contratual de Nuno Espírito Santo (NES). e afirmo “infelizmente” porque tal, quando acontece, é sempre sinónimo de que fizemos algo de errado.
do muito que foi (mal) dito sobre aquele assunto, destaquei o que foi aventado aqui pelo precário guerra, um dos meus odiozinhos de estimação; a saber (e cito):
.

.

mandar o NES embora e não pagar um cêntimo é um acto de prepotência digno de um salazar, de facto.

NES deixa obra no FC Porto. […] NES vai vingar como treinador.

os verdadeiros responsáveis não dão a cara. […] é claramente um sinal de incompetência de quem gere o clube.

não deixa de ser difícil de imaginar que o presidente do meu clube abandonasse um jogo 15 minutos antes do jogo acabar, que abandonasse a equipa. o que é que aconteceu? o presidente do FC Porto abandonou o jogo a 15 minutos do fim, veio-se embora!
.

sobre o acto (como é mesmo?…) «de prepotência digno de um salazar» recordo-me bem de como se correu com Quique Flores – um treinador que também eu considerei que iria «deixar obra» no 5lb – e se foi contratar o jeBus.
já sobre aquela mentira, que destaquei a negrito, e os respectivos abandonos à sua Sorte de uma equipa de futebol, também me recordo bem das célebres “dores de costas” presidenciais, em momentos-chave da temporada 2012/2013, sobretudo nos jogos fora de Carnide…
pena que o comenta-dor afecto ao FC Porto se tivesse esquecido de contra-“argumentar” com tais evidências… com muita pena minha, nem todos podem ser um Bernardino Barros. ou um (saudoso) Pôncio Monteiro.

.
disse!
.

pausa (break).

© google
.

caríssim@,

tanto por dizer, por contar, por refilar, por barafustar, mas tão pouco tempo para tal, mormente da minha parte…
peço-te muita desculpa, mas vou ter que fazer uma nova interrupção neste nosso contacto, por motivos vários – mas sobretudo porque vou fazer uma (merecida) pausa e em família.

se não for antes, devo regressar lá para o dia a seguir ao (dizem que é…) «do trabalhador». em Maio, portanto. de 2017 (espera-se).

e que esta (nova) pausa seja tão breve quanto a minha vontade em regressar ao activo, e com a regularidade – e o Respeito. principalmente este último – que me mereces.

até esse reencontro, o meu desejo é somente um e o mesmo de sempre:

faz o favor de ser feliz!

.
até breve!

.
*
a imagem que embeleza estas linhas é puro entretenimento e nada mais do que distracção pura. melhor do que “encher chouriços”, digo eu…

.
Miguel Lima | penta1975
.

material de leitura.

futuro© visao | 92º minuto
.

caríssim@,

encontro-me numa espécie de “retiro espiritual”, até sensivelmente as 20h30m de amanhã, Sábado. e, de facto, como muit@s de vós, partilho desse sentimento de que “nunca mais é Sábado”, para que termine «este estado de ansiedade» e que rapidamente comece o outro, o de pura adrenalina com A partida de futebol de toda uma época…

até lá, deixo-te com duas sugestões de leitura, por forma a que o malfadado Tempo passe um pouco mais depressa, sei lá!…:

» a enorme entrevista de Iker Casillas ao jornal ‘Marca’ (aqui), com a cortesia do Jorge Vassalo.
Iker que é tão-somente uma lenda viva do Futebol Mundial e que, por curiosidade, até joga no nosso clube do coração. jogasse ele num outro, de cor mais rubra, e estas entrevistas suceder-se-iam a um ritmo alucinante – maior até do que as capas do ‘pravda‘ em “homenagem” ao ilusão…

» o artigo “clube de combate”, sobre os comentadores mais conhecidos das têbês da tugalândia (aqui), e que faz parte integrante da última edição da revista ‘Visão’ (aqui).
nele ficamos a saber alguns factos curiosos. eu identifiquei estes: o pagamento, por programa, varia entre os 250€ e os 750€; a média de audiências do programa “prolongamento” (tvi24) é de 124 mil, a de “o dia seguinte” (sic-n) é de 118 mil e a do “trio de ataque” (rtp3) é de 97 mil espectadores. já os programas da sic-n onde intervém o santinho, com os seus looooongos monólogos (da vagina? talvez. é que aquele cabelinho para o gelatinoso nunca enganou…), variam entre uma audiência média de 84 mil (“tempo extra”) e de 121 mil espectadores (“play-off”). é, de facto, muita gente a absorver propaganda goëbbeliana, semana sim, semana também…
.

futuro© fcporto
(clicar na imagem para ampliar)
.

esta capa, da “nossa” revista ‘Dragões’* faz-me acreditar que, amanhã, é possível! o discurso (também) do Soares, tal como o de todos os jogadores da Equipa, leva-me a crer que pode mesmo acontecer o tão desejado acesso ao lugar cimeiro do Campeonato, não sei quantas centenas de dias depois desde a nossa última vez – mesmo com o “xistrema” que o «polvo» engendrou.
#contratudocontratodosecontraostolos certo? certo! e é claro que não poderia deixar de ser de outra forma, sobretudo na partida em causa, contra quem é e onde terá lugar!

.
em suma:

aquela é A mensagem para amanhã!
que o que tão ardentemente desejamos se concretize!

.
*
 sobre a revista ‘Dragões’:

talvez ainda não seja do conhecimento geral, mas o FC Porto disponibiliza gratuitamente e de forma digital, as edições da revista do Clube.
para tal, basta aceder aqui e preencher um formulário muito simples, com dados que não lesam a identidade de ninguém – como sejam o nome e um email válidos. depois de feito esse passo fundamental, temos acesso a todas as edições da revista (repito), em formato digital, e com o ‘plus‘ de que se pode fazer o ‘download’ das mesmas.
quem tiver esse interesse, pode ler aqui a última edição da revista, cuja capa é a da imagem acima.

.
disse!
.