ilegais e assassiииos

futuro© google | 92º minuto
.

caríssim@,

a propósito do atropelamento mortal de Marco Ficcini – o adepto italiano, ‘tifoso’ da Fiorentina e simpatizante do Sporting, e que, na madrugada de 15 de Abril, estava no local errado, à hora errada, e que, por isso, foi vítima de uma «gloriosa» besta – a revista ‘sábado’, pertença do grupo cofina [valente escarro], a 04 de Maio último, publicou um interessante artigo sobre as claques em Portugal.
obviamente que os ilegais e assassiииos, afectos à agremiação de Carnide, também por lá são mencionados – ou não tivesse a Morte, no Presente do nosso comezinho futebolzinho, uma só cor, a qual predomina sobre as demais…

assim sendo e para quem tiver esse interesse, aqui tens acesso somente ao artigo em causa, cuja leitura recomendo; já aqui tens a possibilidade de ler a revista completa do grupo cofina (em que quase 50% da dita é tão-somente publicidade).

.
disse!
.

não são tretas!

futuro© pravda
(clicar na imagem para ampliar)

.

caríssim@,

BRASÃO ABENÇOADO do dia (aqui e aqui, em ficheiro jpg, e também aqui e aqui, mas em pdf), presente na edição impressa, desta Sexta-feira (aqui), do pravda da Travessa da Queimada, agora que foi reactivada a “papelaria” (aqui), desde Abril último.
obviamente que estou de acordo com tudo – mas mesmo tudo!, ouBistes, ó Silva? 😀 ah! poijébebé! – o que o cronista teceu, sobretudo na parte em que se se refere ao Herlander como «profissionais do meu Clube […] que hoje estão aqui, amanhã estão noutro lugar; hoje são Porto, amanhã serão outra coisa qualquer». é quase “tão bom” de se ler como esta pérola «acontece que sou sócio do accionista maioritário do empregador do Herlander. nessa qualidade, exijo o imediato despedimento do funcionário; que o treinador vá de arrasto, é só uma muito feliz consequência».

para lá do mais recente escrito de Pedro Marques Lopes, daquela edição também recomendo a leitura das quatro páginas dedicadas ao quotidiano do nosso Amor comum (aqui), mormente aquela (espécie de) “notícia”, assinada por josé carlos sousa, a páginas 14, e que dá conta do «Futuro em aberto…» para José Sá. é muito enternecedor perceber o grau de preocupação do sabujo em causa para com elementos afectos ao nosso plantel, sobretudo do Sá, que recentemente, numa entrevista ao Porto Canal, afirmou: «não poderia estar mais feliz com a decisão [em assinar pelos azuis-e-brancos]. sinto que todos aqui, no FC Porto, gostam de mim – adeptos, colegas e Direcção. sinto-me acarinhado». torna-se óbvio que o sabujo não (ou)viu aquela entrevista, sequer que sabe da existência de um órgão de comunicação oficial do Clube pronto a desmentir todas as bacoradas que o pasquim para o qual labuta publica amiúde…

noutro diapasão mas ainda naquela edição do pravda, aqui ficamos a saber o que está em jogo em Moreira de Cónegos, em Tondela e também no Estoril – para lá do “miminho” em se perceber como certos e determinados órgãos de propaganda (ao serviço) do Estado Lampiânico já não conseguem negar a evidência do «glorioso» ‘flop’ que é o “deus” renato das sandes.
.

© google | 92º minuto
.

o que não é nenhum ‘flop’ é o artigo sob o título “arguido vieira nos negócios com o bpn” (aqui, via o blogue leonino ‘mister do café’ e também aqui).
trata-se de um belo de um artigo, no qual se identifica o primeiro assalto de um autêntico póker de ases – o qual também inclui bes, cgd e bcp. um dia, tudo se saberá sobre o que começou a ser denunciado em Novembro de 2013; só não sei é se será a ser julgado em tempo útil e se será feita Justiça… olha!, tal e qual como no processo ao samurris…
.

futuro© google
(clicar na imagem para ampliar)

.

.

clandestino.

há uma nova moda nos ‘me(r)dia’ portugueses: a câmara de eco que fazem uns dos outros. sucintamente: um jornal dá uma notícia e, logo a seguir, os outros replicam-na. isso é verdade para quase tudo, excepto quando se tratam de notícias negativas para o salazar lisboa e [coiso].
ontem, por exemplo, soube-se que luís filipe Vieira está constituído arguido desde 2014, num processo-crime em que é «suspeito de burla, de falsificação de documentos e de branqueamento de capitais», tendo lesado o falido BPN em 23 milhões de euros.

pela relevância da notícia, seria “normal” que aquela tivesse difusão nacional; mas, seja por um qualquer critério editorial (que se desconhece), seja porque “o respeitinho é muito lindo”, jornais como o ‘Expresso’ ou o ‘Público’ “esqueceram-se” de a noticiar.
já nos jornais desportivos – sempre ávidos de notícias sobre os protagonistas dos maiores clubes nacionais, sobretudo quando afectos ao FC Porto – só ‘OJogo’ noticiou aquela matéria.

explicação para tudo isto? é na Comunicação Social que o «polvo» encontra o seu ecossistema perfeito, tendo criado a novel figura judicial do “arguido na clandestinidade”.
porque este diário tem uma confiança ilimitada na recuperação humana, lança-se o seguinte desafio: façam o favor de fazer um poucochinho mais de jornalismo, só para não parecer tão mal.

in Dragões Diário [texto adaptado].
.
.

.

para lamentar.

a rtp ilustrou uma reportagem sobre a “operação Jogo Duplo” – a propósito de um esquema de viciação de resultados – que passou no ‘Telejornal’ das 20h de ontem, com imagens de adeptos do FC Porto.
trata-se do habitual desrespeito da estação (cada vez mais, menos) pública de televisão para com o nosso clube. infelizmente não parece haver um qualquer Conselho de Redacção e/ou uma Entidade Reguladora digna desse nome, que se preocupem com estas situações e que deveriam envergonhar, sobretudo e em primeiro lugar, aquela estação (muito pouco) pública de televisão.

in Dragões Diário [texto adaptado].
.

duas citações para memória futura, obviamente.

.

disse!
.

.

tretas (ou balelas), em imagens várias.

© getty images | 92º minuto
.

caríssim@,

diz que vencemos a prestigiada ‘premier league international cup (sub-23)’, que vai na sua terceira edição.
diz que vencemos categoricamente e por goleada, num Stadium of the Light (Estádio da luz…), mas desta feita em Sunderland (no Nordeste britânico, bem lá nos confins).
e, mas agora dizemo-lo nós, portistas de alma e de coração (embora ainda muito tretamente amargurado), que se tratou indelével e indubitavelmente de um «feito histórico» – e depois de, na sua primeira edição, em 2014/2015, também termos atingido a final, mas capitulado aos pés de um Manchester City “dos” Angus Gunn (terceiro guarda-redes do actual plantel principal dos citizens), Aleix García e Kelechi Ihanacho (ambos com 727 minutos974 minutos e 08 golos na equipa A “de” Pep Guardiola respectivamente).
e diz que, mais uma vez, tal proeza do futebol de formação luso, mas ao nível dos clubes, passou muito ao largo da Informação, mas só cá pela tugalândia, que a internacional soube dar o devido destaque, inclusive pelo clube vencido [«crushed by a FCPorto masterclass»].
e diz também que as (gloriosas?) vozes dissonantes “argumentam” com o sempre estafado “ah! e tal, que foi contra [o Sunderland], que ninguém conhece. nem devem saber jogar futebol!”. pois… exacto… é só o mesmo Sunderland que figura entre as doze melhores academias de futebol em Inglaterra, certo? o mesmo Sunderland que, nos quiartos-de-final daquela competição, despachou a equipa de formação do Athletic de Bilbao – uma das melhores dos nossos “vizinhos” – sem qualquer apelo, nem nenhum agravo, certo? e curiosamente (ou talvez não…) o mesmíssimo Sunderland que venceu o grupo A, onde figurava o outro representante português, certo? pooooois… ok!… contem-me estórias…

.

© google | 92º minuto
(clicar na imagem para ampliar)

.

para a História, para o nosso historial e para o palmarés do Clube, figura o segundo título internacional dos (ainda) campeões em título da nossa comezinha Segunda Liga. e as palmas dos espectadores britânicos à nossa portentosa exibição.
e obviamente, e como não poderia deixar de ser nestas alturas, essa confrangedora (por que basto «gloriosa») azia e que se documenta, não só na imagem acima – então a capa do lixo tóxico do grupo cofina é um “espanto”: «a Europa é nossa» certamente que sim, sobretudo em tons azuis-e-brancos! – mas igualmente nas duas imagens abaixo, a propósito de uma precocemente propalada conquista da (igualmente prestigiante) UEFA Youth League, perante um «frágil» Cazino Salzburg, o qual nem precisou de ingerir muitos ‘red bulls’ para relembrar, a quem de direito, a «gloriosa» profecia de Béla Guttmann:
.

© google | 92º minuto
(clicar na imagem para ampliar)

..

© google | 92º minuto
(clicar na imagem para ampliar)

.

.
disse!
.

tretas (muito nossas).

© fotos da curva
.

.

quero agradecer a grande lição de vida que o NES me deu hoje: um dia, quando for na rua e me assaltarem, devo parabenizar o gatuno.
sempre a aprender…

quanto ao resto…
dois penaltis?! e ainda gozam descaradamente connosco! é triste… ao longo desta época, vimos situações muito mais flagrantes a não serem assinaladas, e hoje é isto. ou é puro gozo ou então é para, no final do campeonato, aparecermos com 9 ou 10 penaltis a favor e dar a impressão de que não temos qualquer razão de queixa.
ainda sobre gozo: parece que os corruptos, ontem, no galinheiro, distribuíram cartolinas onde se podia ler que essa é que é a “cartilha” deles. tão espirituosos que eles são, ao nível da infame campanha do #colinho… nada como desvirtuar a Realidade…

sobre a censura à faixa, uma nota só:
devemos muito ao presidente, mas, antes dele, já existia o FC Porto, tal como continuará a existir depois dele. não queira o sr. presidente fazer figura de Robert Mugabe que, aos 93 anos, ainda (des)governa o Zimbabwe.
das qualidades de um verdadeiro líder fazem parte o saber ouvir os seus e o saber quando sair. não é censurando quem sempre apoiou e que quer o melhor para o Clube, que se vai a lado algum. e, repito, o FC Porto não é propriedade privada de ninguém, mesmo daqueles que lhe deram imenso, porque também foi o Clube que lhes deu a visibilidade de que, Hoje, ainda gozam.

termino ainda com uma referência a África (e não só):
a Costa do Marfim, a Nigéria, o Brasil, ou mesmo a Birmânia, construíram novas capitais em locais remotos desses países a fim de lhes conferir mais desenvolvimento e que este também fosse sustentado (está certo… ao mesmo tempo também foi para encher os bolsos a “alguns”…); neste momento, o Egipto prepara uma nova capital administrativa e económica para descongestionar o sobre-lotado Cairo; o Canadá, a Austrália, os próprios EUA, não têm a capital na sua maior cidade. já aqui, no país dos broncos, insiste-se e persiste-se em levar tudo para a região de Lisboa e Vale do Tejo: mais estações de Metro, mais aeroportos, mais portos para cargas e descargas, mais, mais… para os outros – a suposta «paisagem», o grunho e parolo «resto» – ficam as sobras.
desde (pelo menos) o séc. XVI que vivemos (n)uma macrocefalia, que levou a um crescimento desproporcionado da Capital do Império em relação ao resto do País. e, mesmo assim, continuamos a ver as gentes a sair às ruas em Castelo Branco, em Beja, em Portalegre, em Bragança, na Guarda – em regiões preferencialmente do Interior, totalmente menosprezadas e desprezadas pelo Poder Central, do qual o clube corrupto (ainda) é o seu símbolo maior.
e se me custa ver gente a festejar na minha terra natal (Castelo Branco), então na cidade do Porto… enfim… e lamento que não haja um benfiquista que reconheça o óbvio: que este (treta-)campeonato foi ganho graças a factores extra-futebol.

se vale tudo para ganhar? parece que sim. e é também por isso que o País está como está: com uma dívida pública que nem nos nossos piores dias.
c
onclusão a tirar? somos um País de gente desonesta porque, se não se importam de ganhar dessa forma no Futebol, também não se importam de o fazer em tudo o resto, em todos os outros sectores da actividade económica. e tal é triste, muito triste.

saúde. João.
.

caríssim@,

não poderia estar mais de acordo com este (muito) pertinente comentário do João, no espaço de discussão do caríssimo Vila Pouca – um dos meus blogues de referência. aliás, considero ser difícil discordar do mesmo, com argumentos válidos e sustentados, sobretudo pela parte de quem é conhecedor do que nele se aventa, mormente naquelas regiões mais desfavorecidas do País…

mesmo assim, permite-me apenas três singelas notas:

1.)
aguardei pelo “universo Porto – da bancada” de ontem (vídeo aqui) para perceber melhor a situação da censura das tarjas. acima de tudo, apraz-me saber que «tudo está bem», nas palavras do Director de Comunicação do Clube – o que poderá significar que houve entendimento entre as partes envolvidas, com o devido (e desejado) “enterrar do machado de guerra” e posterior “fumar no cachimbo da paz”.
mesmo assim, tal não significa que quem, como eu, se deslocou, no passado Domingo, ao nosso teatro de sonhos azuis-e-brancos, de lá tenha saído com uma imagem muito triste, basto cinzenta, com todo um episódio que em nada dignificou aquelas mesmas partes – na altura, em contenda. pelo menos, foi assim que abandonei o estádio, enquanto ouvia as palavras de ordem dos elementos da claque: com o coração apertado, o Espírito sombrio e o olhar perdido num Futuro incerto…
.

2.)
numa singela frase, por certo nada inocente – «é a realidade dos resultados. parabéns ao campeão. nós continuamos o nosso caminho – o de formar uma equipa que possa conseguir títulos.» – Nuno conseguiu desbaratar todo o meu trabalho de uma época a desmascarar o «polvo» que subsiste no nosso comezinho futebolzinho tuga. o meu, o de tod@s @s ‘bloggers’ afectos à bluegosfera (e não só), e também o daquele programa referido no ponto anterior.
e foi mesmo, mas mesmo “muito agradável” ouvir todos os «gloriosos» cartilheiros, logo no próprio dia e na Segunda-feira seguinte, a citarem o ainda treinador da equipa principal de futebol do Clube, e a insurgirem-se contra a sua (mais do que) provável rescisão contratual.
e, por muito que ele invoque «a grande confiança num contrato que existe», não haverá Espírito Santo que o mantenha no reino do Dragão, na próxima época*.
[* não!, não tenho bases sólidas (por que oficiais) para sustentar esta minha forte convicção, só um ‘feeling’.]
.

3.)
que fique expresso, desde já, o meu mais firme desejo para que o FC Porto, e como se prevê, não seja beneficiado, no próximo Domingo, em Moreira de Cónegos.
e que fique bem claro que nunca desejarei a derrota do meu Clube do coração, seja em que circunstância for.
mas – e há sempre um “mas”… – confesso que, no caso em apreço, não me importarei que se percam os pontos suficientes para que o Moreirense permaneça na Primeira Liga e consequentemente a agremiação (curiosamente muito lampiã) de Tondela desça à divisão mais condizente com a sua categoria (ou a falta desta)
.

.
disse!
.

tretas (“jornalísticas”).

© google | 92º minuto
.

caríssim@,

diz que foram tretas… ou tetras da treta, que vai dar ao mesmo.
diz que foi um «feito histórico», e tal e coiso, repetido ‘ad nauseam‘ pelos sabujos e/ou pés-de-microfone e/ou laranjos dos me(r)dia e do jornalixo tugas – os mesmos que já devem ter tido mais orgasmos triplos, nestes últimos dias, do que o piç… o pizz… o estrábico, faltas merecedoras para cartão amarelo (oh! espera lá!…).
tudo “muito bem”, não fora dar-se o caso do que a imagem abaixo documenta, com algumas das capas dos pasquins desportivos (e não só…), em Maio de 2009 – e, claro está e porque é demasiado óbvio, com muito menos impacto do que as jactantes capas da outra imagem desta prosa, ali mais em cima (então as do dia a seguir à nossa conquista do segundo tetra, contrastam com as mui’ festivas daquela):
.

© google | 92º minuto
.

portanto, parece que já houve outro alguém “em antes” do 5lb que conseguiu o tal «feito histórico» – feito esse que, em 2009, fora a segunda vez na sua história de sucessos desportivos, a esmagadora maioria deles a cores e já em pleno período Democrático.
mas, acredito que possa estar equivocado e que aquele nosso segundo tetra não tenha acontecido, sequer o de 1994-1998 – e que viria a ser, esse sim!, um um (ainda?) histórico PENTA – e muito menos aquele outro, já basto longínquo, do spórtém..
.

.
disse!
.

tão amigos que nós fôramos. ‘sêramos’. coiso…

© google | 92º minuto
.

caríssim@,

ontem à noite, os lixos tóxicos do grupo cofina [vários vómitos sucessivos] foram lestos a ”””noticiar””” (sim!, múltiplas aspas. explicações são desnecessárias, certo? certo!) uma «cimeira anti-5lb», da qual resultou um vídeo caseirinho e muito exclusivo, aqui.
no entendimento das aventesmas e/ou sabujos e/ou pés-de-microfone e/ou laranjos que por lá labutam – sendo que aquele parte exclusivamente de suposições (com recursos linguísticos múltiplos, mormente a forma condicional com que se conjugam os verbos) – «o encontro, com carácter ultra-secreto e que durou pouco mais de duas horas (entre as 16h e as 18h), terá servido para estreitar as relações entre os rivais e reforçar as estratégias de comunicação para a próxima época com um alvo em comum: o 5lb».

a manhã cinzenta e muito chuvosa de hoje acordou com a replicação daquela ”””notícia””” bombástica, da «ultra-secreta» «cimeira anti-5lb» pelos restantes pasquins afectos às agremiações da Segunda Circular e tal como a imagem acima o refere.
do que pude ler sobre o sucedido, aquela que, para mim, é a versão mais credível daquele encontro, foi plasmada (plantada?) na edição impressa do pasquim do ‘quim oliveirinha (aqui). essa não nega o encontro, e mais do que referir o alinhamento de uma qualquer estratégia «anti-[qualquer coisa]», afere de uma reunião «para discussão de assuntos, com carácter prático, relacionados com a partida de andebol» – a qual é decisiva, por poder consagrar o FC Porto como o próximo campeão nacional daquela modalidade. posteriormente «a conversa incluiu outros temas da actualidade desportiva, nomeadamente do Futebol».

já o início da solarenga, mas muito ventosa tarde, anunciou um comunicado conjunto entre os dois Directores de Comunicação dos clubes visados na suposta «cimeira anti-[whatever]» (aqui e aqui).
naquela reunião foram abordados alguns temas do nosso comezinho futebolzinho onde há efectiva «convergência de posições», sendo que o que há a ressalvar é o seu ponto 5.), que se transcreve:
.

.

«
em face do que consideramos ser a urgência e necessidade de pacificação do Futebol Português; da obrigatoriedade de nele se introduzir uma maior transparência e mais verdade desportiva, e de defender aqueles que são os valores por que devem nortear o Desporto Nacional, entendem os dois clubes estarem reunidas as condições para que seja desencadeado, de imediato, o processo de reatamento das relações institucionais entre o FC Porto e o spórtém.
»
.
.

© google | 92º minuto

aqueles são os factos do que eventualmente se passou – porquanto que se depreende a existência de muita contra-informação, e porque só sabemos o que efectiva e concretamente as partes envolvidas querem que se saiba.

aqui chegados, importa referir que não possuo memória curta, pelo que recuo ao que sucedeu em Junho de 2013 (aqui) e desencadeou o corte de relações institucionais – sobretudo algumas alarves declarações do actual presidente do spórtém para com o nosso Clube, a envolver «fruta» e «bananas». depois daquelas, muitas outras se sucederam, com uma pausa recente porque a mira voltou-se para um alvo mais apetecível (por que mais próximo)…
se, por um lado, apraz-me saber de uma tentativa dessa tão necessária «pacificação do Futebol Português», pelo outro confesso que, tendo em conta o histórico de provocações (abjectas) do burro do Carvalho para connosco, duvido muito que o clima de guerrilha amenize, sobretudo entre os dois Presidentes.

também não posso deixar de afirmar que a forma como tudo “isto” se processou é de amador. repito: de. a-m-a-d-o-r.
depois de exposta a cartilha e de todo o «glorioso» desespero que se seguiu, em (in)tentar encontrar compêndios doutrinais no nosso Clube e no spórtém, e também do Estado Lampiânico vislumbrar uma aproximação entre os dois clubes, a mostra pública da reunião, na forma como aconteceu, mais não é do que um “brincar ao Futebol”. tratou-se, isso sim!, de um valente tiro no pé, e por mais comunicados conjuntos que se emitam.
no meu entendimento não havia necessidade deste tipo de exposição – sobretudo numa altura em que há um desânimo generalizado nas nossas hostes e alguma inquietação (eu, pelo menos, não ando sossegado…). já temos muito com que nos preocupar intra-muros e, se é indesmentível que o «polvo» é quem mais ordena – e esta notícia aqui confirma que ainda há muito para “lagareirar” – não precisávamos de estar, agora, nesta altura, a gramar com as bocas dos lampi… dos candeeiros de serviço a demonstrar à saciedade “aquilo” que, há menos de 24 horas, era negado. é que não precisávamos mesmo nada! f
od@-se, pá!..

mas, pior!, vai ser o pós-final-de-semana, sobretudo na próxima Segunda-feira, tal e qual como a imagem ali em cima o demonstra… nem vai ser bom…

fod@-se!

.
disse!
.

o Futuro é agora, porra!

© google
.

.

«
como adepto também cheguei ao final da paciência.
a mim não me interessa o que já ganhei. o que o FC Porto ganhou é Passado, e está no Museu. é a história que ninguém pode mudar.
candidato-me porque as coisas estão mal e é preciso voltar colocá-las como eram. e como me sinto com capacidade para isso, tenho a certeza de que eu e a Equipa que me acompanha, iremos dar a volta ao que não está bem.
não me candidato, nem quero que defendam, ou que votem na minha candidatura, por aquilo que eu ganhei; candidato-me para que o FC Porto volte a ser o que foi, durante décadas, durante a minha presidência
.
»

Jorge Nuno de Lima Pinto da Costa | Abril de 2016.
.

caríssim@,

aquelas palavras, proferidas pelo nosso querido líder aquando da sua campanha para nova reeleição presidencial e que viria a vencer (porquanto que foi candidato único nas últimas eleições para Presidente do Clube…), um ano e um mês depois permanecem extremamente actuais. demasiado actuais, até.
acontece que, neste entretanto e pese embora ainda ser matematicamente possível o título nacional, esta será mais uma época “a seco”. a quarta consecutiva*, num inédito (inusitado?) recorde negativo em 35 primaveras de sucessos retumbantes.
* bem sei que, a 10 de Agosto de 2013, conquistámos a vigésima Supertaça Cândido de Oliveira do Clube, com o “palminhas” fonseca ao comando dos destinos da equipa azul-e-branca. mesmo assim, há quatro épocas que deixamos fugir o troféu maior a nível nacional. e esse, para mim, é o que conta.

não há como escamoteá-lo: no que ao futebol sénior diz respeito, este foi novamente um ano desportivo ‘muit’amau’. e não há por que escondê-lo, antes encarar esse facto insofismável de frente, por forma a nos precavermos no Futuro – o qual (espero) já deverá ter começado a ser definido e delineado no regresso ao continente, depois do descalabro na “pérola do Atlântico”.

sem pretender ser exaustivo, de positivo (sim!, porque, nesta época prestes a findar, também houve situações que nos fizeram sorrir), retenho o “milagre” da eliminatória de acesso à fase de grupos da Champions, ante a toda-poderosa AS Roma e numa altura de basta descrença, entre a turpe azul-e-branca, nas efectivas capacidades da Equipa; as nove vitórias consecutivas para o nosso comezinho campeonato (entre meados de Janeiro e a primeira quinzena de Março), com exibições que chegaram a ser categóricas (Estoril, Guimarães, Tondela, Nacional…); o reforço de um espírito de grupo como há muito não se via num plantel azul-e-branco, a indiciar que todos “remam”  efectivamente para o mesmo lado, em prol de objectivos comuns e de grupo, e não individuais.
foram tempos que nos permitiram sonhar e considerar que seria possível ir festejar um tão ambicionado título para os Aliados. e eu – tal como tu e tod@s no Clube (dos dirigentes, passando pelos treinadores e jogadores) – senti-me acreditar nessa forte probabilidade. curiosamente (ou talvez não…), foi o período em que o Dragão finalmente acordou de uma inerte e indolente letargia, resolvendo apostar forte no combate ao «polvo», com o aparecimento do programa “Universo Porto – da bancada“. e, sim!, é impossível fugir a este (mais do que previsível) tetra da treta sem referir o basto #colinho, com imenso #mantoprotector e fartas #cartilhas; mas também houve (ainda há!) erros próprios, os quais são da nossa exclusiva responsabilidade, e é sobre esses que importa reflectir – porque são aqueles que conseguimos controlar.

de (muito) negativo, refiro os cinco empates obtidos nos últimos sete jogos e que nos custaram a efectiva aproximação a esse líder com pés de barro e futebol muit’a pobrezinho; uma errática política de “rotação” de jogadores, com alguns #lesadosdoNES (João Carlos Teixeira e Depoitre à cabeça); um imperceptível modelo de jogo (ou algo parecido com tal), mormente depois daquele empate com sabor a derrota ante o Setúbal “de” couceiro, e em nada condizente com os pergaminhos do Clube e que indicia sobretudo que se prefere não sofrer golos ao invés de os procurarmos desde o primeiro segundo das partidas.
são os tempos presentes, que levam a que se duvide de tudo e de tod@s, e se dispare indiscriminadamente, com tudo o que de injusto tal acarreta.

ou seja: é impossível não dissociar aquelas afirmações do Presidente com estes factos desportivos. portanto, sim!, não estamos na mesma: estamos pior. e, como tal, há responsáveis por este mau ano desportivo. e há nomes que têm (devem!) que ser mencionados, porque no FC Porto “a culpa não morre solteira”. à cabeça, Jorge Nuno de Lima Pinto da Costa – porque tudo no Clube principia e acaba na sua figura – e os seus ‘compagnons de route‘ de sempre e para Sempre, actuais membros directivos da $AD azul-e-branca. depois destes, o do actual Director-geral, eng. Luís Gonçalves – e apesar de ter recebido “a criança em braços” já com a época em curso. depois, a equipa técnica escolhida pelo Presidente. e então, só depois, tod@s nós, adept@s indefectíveis do FC Porto. em suma: tod@s temos culpas no cartório, com maior ou menor responsabilidade. o meu enfoque centra-se nas primeiras.

acho que estamos de acordo que se avizinham tempos difíceis para os lados do Dragão. e não adianta tapar o Sol com uma peneira: tod@s iremos sofrer, de uma maneira ou de outra, apesar daquela mesma responsabilidade. e não!, não estou a ser catastrofista e/ou pessimista, antes realista.
aliás, arrisco-me a tecer o seguinte cenário: a $AD, na figura do seu responsável máximo, mais uma vez tudo fará para inverter este rumo em direcção a um Abismo que parece não ter um fim e que se iniciou com a debandada do £ibras-Boas, a duas semanas de se iniciar a época 2011/2012 – e é bom recordá-lo. e, sim!, ainda não esqueci, sequer perdoei!
para que se inverta esta (espécie precoce de) hegemonia pintada em tons mais rubros, espero bem que não se hipotequem os desígnios financeiros a que estamos obrigados pelas normas da UEFA – muito rígidas, inflexíveis e nada meigas para com clubes da nossa dimensão e periféricos ao centro do P(h)oder futebolístico europeu.
ao contrário da recente e muito bem-vinda “onda azul”, temo que o próximo treinador da equipa sénior de futebol profissional não terá umas condescendência e indulgência tão benévolas por parte daquela – seja ele o Nuno ou qualquer outro Espírito Santo, com agravo para o primeiro caso permaneça para a próxima época (o que desconfio que não venha a acontecer).
assim, aos primeiros desaires que surgirem (que inevitavelmente irão surgir, não haja dúvidas. espera-se e deseja-se é que sejam em menor número do que a época em curso – 01 derrota e 10 comprometedores empates…), prevejo que regressará (em número e em peso) a “homérica” massa assoBiativa, com tudo o que de pernicioso tal poderá acarretar para uma equipa em construção – e sim!, iremos assistir a um novo defeso movimentado para os nossos lados, quanto mais não seja porque está orçamentada a necessidade de «proveitos com transações de passes de jogadores no valor de 115,781M€» (aqui, a páginas 05).

concluindo: este é um cenário plausível e que não se deseja, sequer que se repita, de todo! para tal, já bastam os últimos quatro anos. mas, se vier a acontecer, que se tenha a plena consciência de que há a forte probabilidade de que aqueles quatro anos perdurarão (pelo menos) por mais um. e, sim!, estou muito descrente na capacidade de inversão deste rumo, porque as promessas feitas há um ano não se concretizaram e retumbaram num fiasco. mais um…
é certo que houve melhorias no plano comunicacional do Clube, no qual estamos mais “agressivos” (por que basto incómodos) para com o “glorioso” ‘establishment‘ que (ainda) reina no nosso comezinho futebolzinho tuga;
sim!, a aquisição dos direitos desportivos e económicos de ‘tiKinho’ Soares indicia (mesmo que de forma precoce e/ou pírrica) uma inversão no modelo de contratação, porventura mais voltado para o que de bom existe em território nacional;
sim!, há potencial no actual plantel, apesar de todas as suas limitações, igualmente próprias de muita juventude;
sim!, poderemos, com ponderação, vender alguns dos nossos “anéis” (Danilo, Rúben, Brahimi, André Silva) que o Futuro permanece de certa forma risonho, pois que há muita “matéria prima” de Qualidade nos escalões da formação azul-e-branca,

mas “isto” só, não chega para satisfazer as altas expectativas de um adepto portista. para mim, não bastam. quero e desejo mais, nem que tenhamos que ficar “a seco” outros dezanove anos (e longe de nós vá tal agouro!).
quero é perceber que efectiva e comprovadamente está a haver uma inflexão neste rumo. e, Hoje, e como ali em cima o afirmei, ainda não consigo acreditar, porque os “sinais” dados por quem decide ainda não são satisfatórios e indiciam que as práticas serão as mesmas esperando-se por resultados diferentes – os mesmos que, nestes últimos quatro anos redundaram num enorme z-e-r-o títulos. e é bom que se perceba que são estes últimos quatro anos que estarão sempre presentes no cutelo, ao invés dos anteriores trinta e um de muito Sucesso (talvez porque a memória dos homens seja fraca, talvez porque a Gratidão também tem um fim)…
espero mesmo estar redondamente enganado nestes meus vaticínios e que, de hoje a um ano e se não for antes, possa estar a emendá-los e a pedir-te e a quem de direito, sinceras desculpas pelo sucedido.

finalizando:
.

.

«
permanecendo (‘ad aeternum‘?) nos destinos do nosso Clube do coração, vai desgastando a sua imagem, bem como aquela aura de líder incontestado e incontestável, que tanto trabalho, esforço, dedicação e empenho lhe levou a construir – os últimos quatro anos são disso exemplo.
[…]
lastimo que, no nosso Clube, não haja quem, sendo frontalmente contra a actual Direcção, não elabore um projecto convincente e o submeta ao escrutínio dos sócios, e mesmo tendo sempre presente a verdadeira abada que poderá levar nas urnas. estou certo da minha mais forte convicção de que, mesmo assim, conquistaria o Respeito de muitos – inclusive dos que contra si teriam votado.
»
.

a toda esta (extensa) prosa e àquelas minhas palavras datadas de Dezembro de 2016, em Março desse mesmo ano expressei publicamente o desejo íntimo de que «quero acreditar em querer acreditar!».
nunca pensei que, mais de um ano volvido, aquelas permanecessem tão actuais e que essas vontades estivessem tão vivas, infelizmente – porque tal significa que voltamos a claudicar e que o Fracasso persiste em se sobrepor ao Sucesso.
e, com todo este relambório, que não se infira que estou a afirmar que não se está a trabalhar, de todo! acho é que esse deve ser melhor direccionado e já no planeamento da próxima época – a começar pela assertividade na escolha do treinador, como sempre.

e, já agora…

… qual é o teu prognóstico, o teu grau de confiança?
.

.
peço-te esse favor de despenderes (e no máximo!) mais um minuto, do teu precioso e valiosíssimo tempo, a responder àquele inquérito, cuja votação termina às 19h30m de amanhã, Quinta-feira, dia 11 de Maio de 2017.

.

.
disse!
.

fod@-se, pá!

© google | 92º minuto
.

caríssim@,

até foguetes ribombaram em Vermoim, Maia… fo-gue-tes! fod@-se, pá!…
e tudo porque (novamente) claudicámos. e com (muito) estrondo. e por culpa própria. principalmente por nossa incompetência… fod@-se, pá!
e não foi (só) na Madeira que eclipsámos para (mais) um título que nos vai fugir por entre os dedos, antes a partir do dia 19 de Março último, ante o Vitória FC “do” couceiro [nojo]. repito: “do”. josé. couceiro!… fod@-se, pá!

fod@-se, pá! mais uma época. a quarta seguida “a seco”… fod@-se, pá!…
“para o ano é que vai ser!”, tenho ouvido amiúde. fod@-se, pá!, que já parecemos o spórtém! o spórtém, fod@-se!

confesso que hoje ainda não estou capaz de tecer muitos mais comentários do que os dois parágrafos anteriores. e as noites têm sido tão mal dormidas, ao ponto extremos de já tratar por “tu” as insónias, que o meu humor anda pior do que o do meu homónimo mexicano, fod@-se!…
fod@-se, pá! as putas das insónias… fod@-se!… #insoniameuamor e merdas que tais, mais o caralho dessas ‘hashtags’ foleiras… tanto por dizer, por contar, por refilar, por barafustar, mas a minha vontade é infinitamente menor do que menos um milhão elevado ao quádruplo da tua frustração…

fod@-se, pá!… fod@-se!
pode ser que Amanhã seja melhor… mas, Hoje, duvido muito do nosso Futuro. e não me queria sentir assim… fod@-se, pá!… fod@-se!…

fod@-se!

.
disse!
.

dessa “gloriosa” idiossincrasia.

futuro© fotosdacurva | zerozero | 92º minuto
.

duas breves notas introdutórias:

1)
como o tenho vindo a afirmar e (bem) mais vezes do que gostaria, infelizmente “não é quando se quer, é quando se pode”…
motivos de índole diversa, mormente profissionais, têm obstado e de que maneira!, a este acto de comunicar contigo com mais regularidade. por este motivo e pelos (eventuais) transtornos que te possa ter causado, mais uma vez reitero os meus sinceros pedidos de desculpas.
aquelas desculpas lamentavelmente estendem-se também a esse facto concreto e verificável, e que é o destas interrupções persistirem num tempo que previra curto, mas que se têm estendido para lá do razoável – olha, assim a modos que tal e qual esse hiato que tem me(r)diado a amostragem do quinto amarelo ao pizza… ao piç… ao estrábico lampião.

2)
assim sendo e porque há vários assuntos que pretendo abordar (apesar do meu “atraso”), e como já vem sendo hábito, e como não poderia deixar de o ser, esta prosa será uma espécie de novo testament… de um texto extensiva e sensivelmente looongo, com numerosas hiperligações e bastas imagens, que não só para memória futura mas também.
e, claro está!, que a minha sugestão, para estes momentos, é sempre a mesma, e como já deve ser do conhecimento geral.
.

futuro© fpf | 92º minuto
.

caríssim@,

a imagem acima é a reprodução fiel do comunicado com o mapa dos castigos aplicados ao FC Porto, em 18 de Abril último, pelo Conselho de Disciplina da FPF (aqui) – em rigor, da Disciplina que o sr. meirim quer impor ao nosso comezinho futebolzinho tuga.
ob
viamente que, daqueles castigos vários, destaquei o que foi aplicado a Yacine Brahimi, bem como da “douta” justificação para a pena aplicada ao jogador argelino.
dessa “justificação” ressalta essa parte em que se afirma peremptoriamente que 
«tendo encostado a sua face» à do apitador antunes – a desempenhar a função de quarto árbitro no jogo que ocorreu ante os gverreiros lampiões do Minho. mais: decidiu-se uma punição exclusivamente no testemunho (mentiroso) daquele, não tendo sido admitido qualquer contraditório, como veio a revelar o Comunicado de 28 de Abril último, que laconicamente considerou o recurso hierárquico daquelas decisões «impróprio». mais ainda: tal é totalmente contrário num Estado de Direito e está à revelia da lei fundamental da tugalândia, a Constituição da República Portuguesa – a qual, no seu art. 32º (“garantias de processo criminal”), consagra os princípios do Recurso e do direito ao Contraditório.
ainda só mais uma achega (mesmo que “requentada”): à data e hora destas linhas (#notmadeinporta18forsure), estas são as imagens publicamente conhecidas do incidente de que Brahimi é vítima e não réu (as quais disponibilizo em gif aqui e em mp4 aqui, e das quais possuo múltiplas cópias, pelo que censurá-las é pura perda de tempo para todas as partes envolvidas):
.

futuro© google | 92º minuto
.

só me questiono do que, neste entretanto, todos os encartilhados (leonor pinhão incluído), a mando de um «polvo» que tem como glorioso desígnio nacional esse tetra da treta, já não teriam dito, escrito, aventado se este tipo de “castigo” tivesse sido aplicado a um jogador afecto ao 5lb?… assim de repente, recordo-me do muito que se reivindicou aquando da expulsão do Ederson… mas… aaaah! espera! ao contrário do que vai acontecendo por aqui, no Norte, por Carnide há muito que reina (e prolifera. e prospera.) a impunidade…
e basta atentar nas capas de «ambos os três» pasquins desportivos da tugalândia, a seguir ao dia em que se conheceu o castigo aplicado ao jogador internacional argelino, para se perceber o quão discriminatórios são os sabujos e os pés-de-microfone que neles labutam, e o quão discriminados nós somos comparativamente para com o 5lb:
.

futuro© google | 92º minuto
.

#contratudocontratodosecontraostolos certo? certo!
.

futuro© revista dragões | 92º minuto
.

* sobre a revista ‘Dragões’:

talvez ainda não seja do conhecimento geral, mas o FC Porto disponibiliza gratuitamente e de forma digital, as edições da revista do Clube.
para tal, basta aceder aqui e preencher um formulário muito simples, com dados que não lesam a identidade de ninguém – como sejam o nome e um email válidos. depois de feito esse passo fundamental, temos acesso a todas as edições da revista (repito), em formato digital, e com o ‘plus‘ de que se pode fazer o ‘download’ das mesmas.
quem tiver esse interesse, pode ler aqui a última edição da revista (#366), cujo meu destaque é o da imagem acima (aqui a versão “compacta”).

.
disse!
.

do «regresso a um Passado de triste memória».

futuro© google | 92º minuto
.

.

« O chamado “jogo fora das quatro linhas” foi uma artimanha movida, durante anos, por sinistras influências e que exerceu poder e que produziu dividendos. é o passado mau a que se refere luís filipe vieira.
favores a árbitros, escolhas para jogos e suas classificações, trocas de treinadores (privilegiando os amigos em detrimento dos independentes e sem olhar a competências) – enfim, uma teia de interesses e de conveniências, geralmente acautelada à mesa de restaurantes ou no bulício de estabelecimentos nocturnos. vivia-se no tempo em que a organização do Futebol funcionava ao contrário: as decisões eram tomadas em espaços de restauração e similares, e depois transmitidas aos gabinetes para execução – assim mesmo, com este despudor, sem ninguém se comprometer; favor cá, favor lá… até um dia, como é público. »
.

caríssim@,

as palavras acima são bastante elucidativas, certo? certo. tod@s nos revemos nelas e no estado actual do nosso comezinho futebolzinho, certo? certo. e são um espelho dos tempos correntes, certo? errado! explico.

aquelas palavras pertencem ao sr. fernando e à sua mais recente guerrinha, publicada na edição da passada Terça-feira (aqui), no pravda e tive acesso à dita via “dragão até à morte” (olá meu caro Amigo! desde já, o meu ‘muito obrigado!’ por me ter poupado a uma “indigestão”).
ob
viamente que, quando cheguei àquele trecho – reproduzido ali em cima também para memória futura – o meu (sub)consciente, no imediato, conduziu-me para o muito que entretanto tem sido denunciado acerca desta autêntica Liga Salazar – inclusive via “Universo Porto – da bancada“. acontece que aqueles «jogos fora das quatro linhas» aludem ao tempo em que, os mesmos que ainda pugnam pelo pífio dourado, faziam alarde ao famigerado «sistema»…
infelizmente para o sr. fernando e para tod@s que são, antes de tudo, anti-portistas básicos (por que primários. ou serão primatas?…), aqueles «jogos fora das quatro linhas» ainda subsistem. e o “tal” «sistema» modernizou-se e agora assume-se como um «polvo», gloriosamente imbuído numa #cartilha, carregado de muito #colinho e de um vasto #mantoprotector. e assim se justificam as bastas hiperligações (olá, Silva!) inclusas naquela citação, para que não haja dúvidas acerca do que o sr. fernando afirma, e com muita propriedade.

.
disse!
.