a minha estreia no Dragão *

futuro© FC Porto
.

.

Dia: 23 de Setembro de 2016.
Saí cedo, de minha casa, para aquele que viria ser um dia “histórico” na minha vida, O dia que já ansiava há muito tempo: a primeira vez que entraria no Estádio do Dragão!

Chegado ao Estádio era difícil conter o entusiasmo. Estava à espera que as portas se abrissem quando, a certo momento, ouvi o som estridente das sirenes de uma escolta policial. O que viria ali? Foi “só” o autocarro com os nossos jogadores! Aí já era bem real que iria haver jogo e que tudo o que estava a sentir não era um sonho. O jogo era o ‘derby’ da Invicta e era um motivo de acréscimo de entusiasmo.

Enquanto esperava pelo jogo, um grupo de pessoas veio ter ao meu encontro, um grupo de grandes e apaixonados Portistas. Um grupo em que eu me identificava, também, pela paixão que nos une.

Chegada a hora de entrar no Estádio, aquele momento em que passava pelos torniquetes foi algo de mágico; e, a cada passo que dava e quanto mais adentro entrava, a alegria era maior.
Estando sentado no que realmente é A cadeira de sonho e a observar o ambiente em redor, o Estádio era maior do que eu pensava, e as expectativas que eu guardava saíram furadas porque tudo era melhor ao que eu expectava.
Começando o jogo, os cânticos iniciaram-se e aí era outra vida que o Estádio ganhava; e com as bandeiras azuis e brancas ao sabor do vento ainda melhor se tornava.

Não começámos da melhor forma, até porque sofremos um golo; mas isso não abana um Portista – não pode! – e seguimos cantando, até que André Silva mete a bola lá dentro e aí ocorreu a primeira explosão de alegria da noite.
A entoação dos nossos cânticos tornou-se mais forte, mais efectiva, mais “agressiva”, até que há grande penalidade a nosso favor: havia alguns portistas que não queriam ver e eu estava ali, na ânsia, como que “ela vai entrar”. E entrou! Aí surge mais uma explosão de alegria.

O intervalo chegava e aí dava para saborear ainda mais um pouco do momento que estava a viver, para o jogo esperava mais golos.
A segunda parte começara e não foi o que se esperou: a equipa não jogou como nós gostamos e não foi muito bonito de se ver. Até que o nosso treinador trata de mudar as coisas e, a partir daí, surgiu mais bom futebol e sentenciámos o jogo, com mais um golo, num frango de todo o tamanho, e outra explosão de alegria azul-e-branca.

O jogo terminava e haveria melhor forma de me estrear no Estádio do que logo com uma vitória? Também saí com a sensação de que todo aquele tempo tinha passado muito depressa, mas é o que acontece com as coisas boas da Vida.
Despedi-me do pessoal que assistiu o jogo comigo e indo de volta para casa pensava eu: “Esta foi a primeira de muitas!” – e que também disse a quem estava comigo. De facto, é para repetir! E aquele dia irá perdurar na memória.
.

* por Filipe Ferreira | Setembro de 2016

.
post scriptum pertinente:

no início do corrente mês, fui (agradavelmente) surpreendido com um e-mail a dar conta de um desejo: «estou sempre a matutar-me sobre quando é que irá ser a primeira vez que irei ao Dragão». o seu remetente foi o Filipe, visitante e (sobretudo) comentador assíduo deste espaço.
a intenção inicial era que a sua primeira vez fosse no jogo ante o Vitória SC; por imperativos de final-de-semana, ficou adiada para a recepção ao Boavista. aconteceu, portanto, na passada Sexta-feira, com a alegria (in)contida que o texto reflecte, mas cujo brilhozinho nos seus olhos, durante todo o tempo em que vimos os jogo juntos, e também na companhia do Afonso, não enganou.
fico extremamente satisfeito para que tudo tenha corrido pelo melhor, e mais embevecido fico por saber que escolheu este “pé frio” para seu “padrinho”. 😀
e não menos importante, também expresso publicamente o meu ‘muito obrigado!’ ao Filipe por ter aceite o desafio de escrever umas linhas (obviamente que #notmadeinporta18) sobre o que sentiu naquele dia tão especial para si. 

em suma: foi portanto, uma honra e um orgulho, ter sido o seu cicerone num dia inolvidável, pelo que o seu é também o meu desejo: que tenha sido o primeiro de muitos!

.
sugestão musical:

american authors, “the best day of my life“.

.
disse!
.

not@s soltas sobre ontem (rotunda)

futuro© zerozero
.

i) (re)encontro.
.

primeiro jogo, da presente época, ao vivo e a cores, no meu teatro de sonhos azuis-e-brancos. a ansiedade crescia desde essa altura – mais precisamente aquela em que adquiri o rectângulo mágico, há quase uma semana -, tendo atingido o seu zénite ao longo do dia de ontem: nada mais interessava a não ser a chegada do momento de bazar dali rumo ao Dragão, para estar com “os meus” e para rever alguns destes, que tanto prezo e estimo. foi, portanto, com natural e incontida alegria, que pude regressar ao convívio dos caríssimos Afonso, João “el comandante“, Jorge, Nuno, Vila Pouca e, desde ontem, Filipe Ferreira.
da malta habitual (e já um ‘habitué‘), bastos faltaram à chamada, tal e qual este que vos escreve o fez nos encontros passados. mais do que uma espécie de “reciprocidade”, há que apontar o dedo a quem designou, como hora oficial de jogo, as 19h de uma Sexta-feira, depois de uma jornada de trabalho e em período de início de aulas, mas também a quem, dos nossos e com muitas responsabilidades directivas, autorizou que assim acontecesse, concedendo o respectivo aval… assim sendo, não foi de estranhar que, chegados ao teatro de sonhos, sensivelmente pelas 18h45m, o cenário fosse terrificamente desolador, com um enorme e vasto azul de plástico vazio a contrastar com as pouco mais do que cinco mil (?) almas que por lá já se encontravam. apetece escrever e afirmar peremptoriamente a quem tem a seu cargo os destinos do nosso comezinho futebolzinho, para continuarem assim, a menosprezar aqueles que efectiva e comprovadamente são o suporte da “indústria” (quando antes, esta deveria ser um espectáculo), que vão no bom caminho.
.

futuro© zerozero
.

ii) do encontro.
.

entrámos mal. a perder. num golo “a frio”, e em mais um lance de bola parada (mesmo que ilegal, por que em fora-de-jogo, num lance parecido com aquele do morcão do maicon, em Carnide). não quebrámos, apesar do “soco no estômago”, fomos à luta, #paracimadelescar@go e, nem quinze minutos volvidos, empatávamos a partida, por intermédio do puto maravilha, numa jogada de insistência após escandaloso perdão de uma grande penalidade na área boavisteira, por puxão ao Marcano. continuámos por cima, à procura da reviravolta, encostámos às cordas o Boavista, e viríamos a saborear aquela desejada ‘remontada‘ muito perto do intervalo, para desespero de um atarantado “treinador” boliviano, pela via da conversão de um castigo máximo, novamente pelo homónimo do Silva, a castigar derrube grosseiro do gajo (henrique?) que provocatoriamente fez questão de mostrar aos associados do FC Porto, aos 4’, que tem umas proeminências idênticas ao do seu congénere, lá por Carnide.
ao intervalo conversava-se que seria necessário continuar com aquela dinâmica que nos catapultou para a reviravolta, em busca de um (ou mais do que um) golo tranquilizador e só depois e eventualmente, a acontecer, é que se deveria considerar a hipótese de “relaxar” (preferencialmente com a bola em nosso poder), a pensar no encontro da próxima Terça-feira, em Leicester. nada disso se passou, e assistimos, tod@s, a 30 minutos pavorosos de n-a-d-a, de z-e-r-o em termos de futebol jogado, e com Nuno Espírito Santo a ter numa inusitada (inata?) inacção, a acção menos desejável para esse(s) momento(s) – pelo menos, no meu entendimento. e não foram poucas as vezes que se ouviu que, «assim, em Inglaterra, vai ser do bom e do bonito!». felizmente que, depois, algo ou alguém “fez clique” e, a dez minutos do término da partida, resolveu continuar a jogar como tinha terminado a primeira parte. e foi assim que chegámos ao terceiro e até poderíamos ter feito o quarto, numa bomba de Alex Telles, não fosse o redes dos “remendados” ter-se redimido do perú que lhe oferecera minutos antes.

em suma: ainda bem que o Nuno Espírito Santo considera que «há aspectos para melhorar», porque efectiva e comprovadamente os há. e não assim tão poucos, a começar pela atitude dentro de campo, a qual, nos últimos três jogos, tem vindo a contrastar, para pior, com a evidenciada desde o início de época.
.

futuro© fotos da curva | Tomo III
.

iii) recontros.
.

ao invés das minhas últimas “análises” e para não tornar os textos ainda mais maçudos, regressarei a pontuais destaques individuais, ao invés de particularizar cada uma delas.
assim sendo, gostei muito da actuação do Alex Telles (muito assertivo a defender, e um foguete a atacar), do Felipe (o bombeiro de serviço naquela defesa), do Óliver (em novas missões, em contra-ponto aquando da sua primeira passagem entre nós, mas com a bola a sair sempre “com olhinhos” e muito redondinha, para o colega que a vai receber) e do Otávio (aquela entrega ao jogo e aquela paixão, não enganam).
por oposição, não gostei do desempenho do Layún (sobretudo a defender e do espaço que concedeu, bastas vezes, ao pequeno bukia, valendo-lhe noutras tantas ocasiões a prontidão do Felipe), do Danilo (esteve irreconhecível, amiúde a defender com os olhinhos os adversários em quem deveria “encostar” para não progredirem no terreno de jogo), do André² (pareceu-me sempre uma barata tonta naquele meio-campo), e do Herrera (conseguiu tirar-me do sério, pouco depois de ter entrado, num lance em que, podendo progredir em direcção à área axadrezada, sem ninguém por perto para perturbar a sua acção, pára o jogo e instintivamente olha para trás à procura de alguém que não estava lá, antes já (exacto!) na cara do golo. foda-se!).

uma nota muito particular para a actuação das nossas claques:
foram inexcedíveis no apoio à Equipa desde o primeiro ao último segundo da partida, e como assim sempre deverá ser. é portanto mais do que justo o elogio de Nuno, reconhecendo que «sentir a emoção do Dragão ajuda a equipa». eu digo que não pode ser de outra forma, mas desde que do outro lado, de quem está a envergar o nosso manto sagrado, também haja a tão necessária reciprocidade, e não se envergonhe quem tem o brasão abençoado tatuado no coração. ontem, “a coisa” correu bem, mas momentos houve em que parecia que poderia descambar num filme imensamente visto ao longo da época transacta, com sabor a um amargo ‘déjà vu‘.
.

futuro© zerozero
.

iv) encontrão.
.

.

Infelizmente há um padrão nos nossos jogos que não pode continuar e que está para além do que a Equipa pode controlar, e que tem a ver com os constantes erros de arbitragem sempre em prejuízo do FC Porto.
Ontem voltou a ser assim, com a equipa de arbitragem chefiada pelo “senhor” nuno almeida a enganar-se muitas vezes em prejuízo da nossa equipa (veja os lances aqui).
Estas coisas não têm a ver com jogar bem ou mal, ganhar ou perder; os lances são para apitar de acordo com as regras, jogue-se bem ou mal, ganha-se ou não. Ontem os erros acabaram por não ter influência no resultado, porque a equipa marcou três golos.
.

a citação acima consta da mais recente publicação da e-letter do Clube. acredito que causará tanta mossa, junto de quem de direito, no sector da arbitragem, quanto o tutucar de uma formiga no anus de um elefante.
ou seja, no próximo encontro, em nossa casa, lá teremos que gramar com a “actuação” de um autêntico filho da puta, a pavonear-se com um apito na boca, gozando indecentemente com tod@s nós.

eu só pergunto: até quando * é que a Direcção do Clube que Amo irá permitir este estado de total silêncio cúmplice com autênticos «roubos de catedral»?!
é que eles, lá na Tribuna, também vêem o mesmo que tod@s nós, só que não reagem!

* já não pergunto, por exemplo, o que será necessário fazer para se agir, porque a Reacção parece ser o apanágio actual a um ‘modus operandi‘ que já não deixa dúvidas a ninguém: em dúvida, não se pode beneficiar o FC Porto; pela certa, prejudicar sempre o FC Porto.
“pena” é que as reacções sejam sempre a destempo, exclusivamente pela via vitual, e sempre e invariavelmente sem uma viva voz a denunciar e a condenar o que é por demais evidente.

confesso publicamente, mais do que a minha incredulidade, o meu desgaste em (in)tentar reverter este conjunto de circunstâncias, inclusive junto de quem de direito no Clube… não está (nada) fácil, bem antes pelo contrário; mas ainda não atirei a toalha ao chão! e estou muito longe de ter que “levantar a cabeça” porque ainda não perdi a “guerra”…

.
disse!
.

‘br@são abençoado’ do dia

futuro© pravda | Tomo III
(clicar na imagem para ampliar)
.
(também disponível para leitura aqui, aqui, aqui e aqui)
.

uma imagem que também Amo (muito!):
(inspirada neste clássico aqui)

.

futuro© FC Porto | Tomo III
(clicar na imagem para ampliar
)
.

.
disse!
.

persistência*

futuro© FC PortoTomo III
.

.

* substantivo feminino
acto de persistir; qualidade de quem é persistente.
perseverança, constância, firmeza.

in dicionário priberam
.
.

… e que a Equipa seja capaz da tão necessária reciprocidade.

.
disse!
.

pensem nisso, sff. obrigado!

futuro© google | Tomo III
.

.
(breve) adenda pertinente:

as linhas que se seguem, obviamente que #notmadeinporta18, surgem na sequência do que é explanado nestes conseguimentos aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui e também aqui., cada qual à sua maneira, feitio, estilo, ‘whatever (you want)‘.

as mesmíssimas linhas suportam-se igualmente em duas declarações e em dois escritos, «ambos os quatro» de portistas e para portistas, e sendo que «ambos os quatro» são genéricos, não visam ninguém em particular e defendem a ideia convicta de que o insucesso destas últimas três temporadas também passa (e muito!) pelo comportamento de alguma massa assoBiativa que assenta arraiais naquele que deveria ser o nosso mais emblemático reduto e que, ao invés de um teatro de sonhos azuis-e-brancos, paulatinamente tem-se vindo a transformar num pesadelo (sobretudo) para os jogadores que envergam o nosso “Brasão Abençoado” ao peito.

respeita-se quem discorde daquela forma de manifestar publicamente o seu Portismo, instintiva e conscientemente optando por, primeiro e acima de tudo e de todos, assobiar os seus, em vez de criar um autêntico inferno aos seus adversários; não se espere é a minha concordância com quem considera que esse é que é o caminho para se apoiar aquela que deveria ser a nossa equipa do coração…
assim de repente, para mim, esses adeptos s
ão piores do que os carismático e muito emblemáticos Statler&Waldorf, n’Os Marretas, sendo que connosco – isto é: massa associativa, massa adepta indefectível (vulgo claques e para que não haja dúvidas), adeptos em geral e massa assoBiativa, em uníssono – o Borussia teria descido de divisão, e será sempre impensável vermos uma homenagem, entre nós, no nosso reduto, como esta aqui.

por último, reafirmo, mais uma vez, que o meu Portismo não é, nem pretende ser, maior (ou menor) do que o teu, porquanto que o manifestamos de forma diferente. não são maneiras, de apoiar o Clube, certas ou erradas: são tão-somente diferentes e, como tal, sujeitas a críticas (porventura construtivas).
acima de tudo, com a divulgação dos textos abaixo, pretende-se alertar para uma premente mudança de mentalidades, se possível a começar já com as novas gerações e independentemente das questões inerentes à $AD, às escolhas do treinador, aos métodos de trabalho deste, às (in)definições do plantel, às arbitragens vergonhosas desta época – certamente que pertinentes mas que, para o caso em apreço, são circunstanciais.
.

futuro© ojogo | FC Porto para sempre
(clicar na imagem para ampliar)
.
(também disponível para leitura aqui, aqui e aqui)
.

.
futuro© ojogo | FC Porto para sempre
(clicar na imagem para ampliar)
.
(também disponível para leitura aqui, aqui e aqui)
.

.
futuro© ojogo | FC Porto para sempre
(clicar na imagem para ampliar)
.
(também disponível para leitura aqui, aqui e aqui)
.

.

.
disse!
.