do dia do (fervor do) Clube.

© dia do clube | fotos da curva
.

.

[no passado Sábado] decorreu a sexta edição do “Dia do Clube“. eu nem era para ir, mas depois vieram com o choradinho habitual: “ah e tal, se tu não fores, nem vale a pena a malta organizar aquilo, desiste-se, pronto, ficapróano, cumócampeonato”…
já se sabe que sou um coração de manteiga e lá fiz o favor de comparecer. e não é que, maijuma vez, valeu muito a pena?

sobre o que por lá se passou, saberão o que vierem a saber mas, por aqui, não será. apareçam na próxima edição e já não precisam de se fazerem passar por alcoviteiras.

o importante mesmo é dar os parabéns! […]
assim, trato mesmo eu disso: muitos parabéns! à Organização, por tudo ter sido impecável, mas sobretudo pelo trajecto (ascendente) – aquele que eu acompanhei, desde uma salinha na Biblioteca de Espinho ao Estádio do Dragão [passando pelo Auditório José Maria Pedroto, aquando da primeira edição]. caraças, parecem o [Fernando Gomes]!

ainda mais: parabéns ao FCP! principalmente por ter sabido devolver à casa a que pertence este encontro de Portistas e por ter, enfim, acarinhado e endossado, da forma correta, o evento; pelo espaço e pela presença nos painéis; mas, acima de tudo, pelo reconhecimento do esforço dos dedicados organizadores, culminando na presença inesperada, mas bem-vinda, do Presidente.
[portanto e sem ironias] parabéns FC Porto! demorou, mas foi! este é o caminho, sem receio dos nossos, sem trelas e mordaças e cartilhas. e, lá está: sempre que os Portistas se sentem bem-vindos em sua casa, retribuem com a gratidão e com o carinho que nos merece quem dá a vida pelo Clube. […]

perfeito!

in a tasca do Silva | Maio de 2017.
.

caríssim@,

faço minhas as palavras do Silva: não será aqui que se irá saber o muito que foi (bem) debatido sobre a actualidade do quotidiano azul-e-branco. também eu lanço o convite (desafio?) a que quem quiser e puder, na próxima edição marque presença e o testemunhe com os seus próprios olhos. estou certo de que não dará por mal empregue o seu precioso tempo.

mesmo assim, não resisto a partilhar contigo este momento aqui (em vídeo), da autoria do Paulo Bizarro – um dos organizadores de um evento que começou tímido, em Julho de 2012 e que actualmente é a demonstração de que o Portismo entre os adeptos está bem vivo e recomenda-se.
aliás, aquele vídeo é só um (bom) exemplo da veracidade do que afirmo e só por manifesta maledicência se pode inferir que nele se procede a um qualquer tipo de «lavagem gratuita» – seja isso lá o que for. adiante.

o áudio, que também se disponibiliza aqui (em formato mp3) é da da autoria do guitarrista clássico João Dias. e foi assim que se procedeu à abertura dos trabalho da parte da tarde: com um momento arrepiante e que me emocionou bastante (e que ainda o consegue fazer).

por último, mas não menos importante, quero afirmar que foi mesmo muito bom rever alguns de vós, que também resolveram despender algum do seu precioso tempo num conBíBio salutar e que já deixou saudades.
a ver se nos reencontramos em 2018, se Deus quiser! 😉

.
disse!
.

curtas (e boas).

futuro© google | 92º minuto
.

caríssim@,

ontem, o «manstére unáite» venceu a edição de 2017 da Liga Europa (antiga Taça UEFA). obviamente que todos os me(r)dia e todo o jornalixo da tugalândia, também comemorou o feito, na figura do carismático ‘special one’.
acontece que eu não tenho memória de passarinho e, tal como tu, recordo-me (muito) bem dos tempos anteriores à sua azeda partida, para passar a defender as cores do ‘chelsky’, e em que ficaram célebres momentos como este aqui. ou este outro aqui. e também este aqui. nessa altura, ele não passava de um arrogante, de um prepotente, de um crápula, de um «instigador de ódios», de um «arruaceiro», de um egocêntrico, de um «maniqueísta». em suma: era tudo menos ‘special, inclusive (sobretudo?) para os mesmos sabujos que, hoje, o idolatram e o colocam num pedestal onde lhe consigam lamber… as botas.
curiosamente (ou talvez não…) também são os mesmos invertebrados do jornalixo tuga que fazem tudo, mas mesmo (de) tudo!, para minimizarem a sua primeira conquista internacional – a mesma onde ele confessou ter chorado de alegria, após ter almejado tal feito. e por que o fazem? principalmente porque foi conseguido num clube (bem) mais a Norte do Rio Tejo, onde o azul do rio que igualmente banha a cidade que lhe dá o nome e que com ele se (con)funde, numa mescla única, ímpar, singular, lhes causa imensa confusão e basta “urticária”. aliás, a imagem abaixo é disso muito elucidativa:
.

futuro© google | 92º minuto
(clicar na imagem para ampliar)

.

daquelas três capas, permite-me uma observação sobre aquela mais à esquerda, do pravda:
sim!, «a última é sempre a melhor»; mas, estou certo de que não haverá Amor como o da primeira conquista – aquela a que amiúde ele sempre se refere, de uma Equipa que lhe está permanentemente no Espírito e no Coração (e como nunca mais teve). e saber e perceber isso é que (também) dói àqueles sabujos e/ou pés-de-microfone e/ou laranjos do “nosso” comezinho jornalixo. dói, e muito!
.

futuro© pravda
(clicar na imagem para ampliar)

.

por último, a imagem acima refere-se à mais recente guerrinha do senhor fernando, publicada na edição impressa da passada Terça-feira, dia 23 de Maio* (e que se pode consultar aqui).
dou de barato a exposição do teor da cartilha referente ao final deste campeonato, a qual instrui os papagaios de serviço ao 5lb a propagandear que, com a saída do Herlander, se deve (in)tentar minimizar os danos da proliferação de erros muito básicos de arbitragem e da completa ausência de critério, sempre em favor de uma cor e sempre em detrimento de outra, “argumentando-se” que com aquela, esvazia-se a razão dos protestos portistas acerca da segunda – como se aqueles mesmos erros nunca tivessem acontecido…
o destaque que concedo àquele ponto 2. prende-se tão-somente com esse desejo primário, de um anti-portista básico, em ver Jorge Nuno de Lima Pinto da Costa “pelas costas”. se Deus quiser, ainda acredito que será possível o despedimento do actual Jorge Nuno para que o Pinto da Costa possa regressar à sua cadeira de sonho. como já o referi, o Futuro é agora! portanto, a definição da presente época 2017/2018 será fundamental para que se volte a acreditar que é possível uma inversão neste rumo, neste desNorte – preferencialmente com “sinais” satisfatórios dados por quem decide e que indiciem novas práticas, porquanto que se esperam resultados bem diferentes dos dos últimos quatro anos e que se saldaram num redondo z-e-r-o títulos. por exemplo, a escolha do novo treinador da equipa de futebol principal do Clube será preponderante e inclusive definidora do que se pretende para as restantes equipas dos escalões de formação…
no fundo, bem lá no fundo, também desejo que se consiga regressar à senda do Sucesso para calar as bocas sujas, imundas, a tresandar a fel, dos guerrinhas que proliferam no jornalixo da tugalândia – sempre prontos e basto solícitos, em promover os «projectos consistentes e grandiosos» do carnidense e em escamotear as nossas conquistas, remetendo-as para singelas notas de rodapé. quando tal acontece é sinónimo de que estamos de volta – tal como na passada Quarta-feira, com a equipa B do FC Porto, aquando da conquista de um prestigiante troféu internacional…

* Maio, um mês muito “maduro” para a cor azul-e-branca, pelas razões que se explanam aqui, datadas de 2014 e que carecem de uma rápida actualização, digo eu (porventura porque estou muito mal habituado e sinto falta de mais).

.
disse!
.

despeito (meu).

futuro© porto canal
.

caríssim@,

vou ser siso, conciso, preciso, curto e grosso.
vem este intróito a propósito do “Universo Porto – da bancada” de ontem (vídeo aqui), em que participaram o tridente habitual – o moderador do programa, Tiago Girão, o Director de Comunicação do FC Porto, Francisco J. Marques e o comentador e antigo jornalista da rtp, José Cruz), secundados pelo duo dinâmico da novel página “Baluarte Dragão“, Pedro Bragança e Diogo Faria. explico.

primeiro, confesso a minha estupefacção pelo “desaparecimento” de Bernardino Barros do painel de comentadores residentes do programa em causa.
sem qualquer efectiva ‘inside information‘, deduzo que possa ser pela sua participação no programa de Domingo, na estação de televisão de Queluz (não, obrigado; não fumo), a qual se poderá revelar incompatível com o programa transmitido no Porto Canal – o qual habitualmente “casca” forte e feio naquela outra, e apesar da sua moderação (da do Bernardino Barros, entenda-se)…

depois, também confesso a minha incredulidade por, nos últimos três programas, termos assistido a uma autêntica propaganda, sem qualquer precedente nos alinhamentos anteriores daquele, a uma página na rede social Facebook®, editada por jovens adeptos portistas na defesa intransigente dos interesses do Futebol Clube do Porto.
não está em causa (nem estará!) a Qualidade efectiva daquele espaço no faceboKas, que possui efectiva e comprovadamente, assim como nunca estará a identidade e a idoneidade e a seriedade dos seus autores – os quais desconheço, em absoluto.
agora, o motivo do meu reparo é somente este: houvesse uma rubrica em que se promoviam outras páginas afectas ao Clube, para além de blogues de referência desse mundo que é a bluegosfera – alguns deles, com (bem) mais de dois meses de existência – e tal não seria mal interpretado por mim; como tal não se verifica, apesar de já ter feito chegar tal sugestão a quem de direito e bem antes daquela “promoção” (descarada?), eis-me aqui…

assim, de igual modo confesso publicamente o início da minha descrença num programa que tinha como um verdadeiro baluarte na programação do Porto Canal, a qual até parecia endireitar-se em termos comunicacionais, e em nada comparáveis a um Passado recentíssimo.
pois que tinha o programa “Universo Porto – da bancada” como “um oásis”, um esteio naquela defesa dos interesses do Clube, totalmente desinteressada e muito apaixonada, por quem o produz; a partir de ontem, estou com essa estranha sensação de que aquele mais não é do que uma (espécie de) “coutada”, onde uns são filhos e outros enteados (ou menos, até) – à semelhança de outros tantos “programas” no mesmo canal, apresentados por alguma da prole de alguns dos mais proeminentes quadros da $AD portista…

em suma:
já tinha achado estranha a promoção inicial à referida página, há três semanas atrás, num momento nada próprio e bastante desadequado no alinhamento do programa; como outros quantos, inclusive nossos detractores, fiquei com a sensação de que a página em causa era (é?) “algo” oficioso em nome do Clube, tal a informação que divulgava, sobretudo algum teor que não se encontra disponível publicamente numa rápida pesquisa no Google® (e depois de desmascarados os célebres, por que muito «gloriosos», cartilheiros); desde ontem, considero que aquele duo é oficialmente um instrumento do e ao serviço, do Clube.

e, chegados a este ponto, é óbvio que estou triste e amargurado, sentindo-me até um pouco despeitado (que não com ciúmes só por si, mas também).
“falando” só por mim, que aqui ando a bitaitar desde 2008 (no “falecido” Tomo I), e enquanto administrador de um blogue afecto à causa portista, é óbvio que gostava de ver algum reconhecimento público pela parte do meu clube do coração. não é esse o fito que me move, conforme escrevi no meu manifesto, em Novembro de 2013, porquanto que esta luta desabrida é completamente desinteressada e muito altruísta; mas, se uns têm aquele reconhecimento por parte da casa-mãe, porque é que eu também não o poderei ter?!*
[* a pergunta é meramente retórica, pois que sei bem qual é a sua resposta.]

no fundo, é tão-somente isto o que motivou a redacção (agreste) destas linhas (#notmadeinporta18): o sentimento de um certo ressentimento, por uma mágoa causada pela parte de quem sincera e honestamente não esperava que (também) me magoasse desta forma.
mas, não será por estas razões que deixarei de simpatizar quem sempre Amei indefectivelmente, que muito já me deu e, estou certo, ainda terá muito mais para nos oferecer.
e, dia 27 de Maio, se Deus quiser, lá estarei, para o encontro anual com alguns de vós, naquela que será já a sua sexta edição, e que nasceu da carolice (e do forte empenho. e do enorme brio profissional. e do basto altruísmo.) de outr@s tant@s portistas dos quatro costados, e que demonstram que há Qualidade noutros baluartes, que não se esgota só naquela página
.

.
disse!
.

not@s soltas de Moreira de Cónegos.

futuro© getty images
.
(pertinente) nota introdutória:

caríssim@,

depois do cobarde e bárbaro atentado de ontem à noite, em Manchester, tudo o que a seguir se escreverá perde algum do seu sentido – inclusive dessa (eventual) Razão que me assiste em partilhar contigo alguns dos meus pensamentos sobre o quotidiano azul-e-branco…
mas, apesar da raiva, e da dor, e da angústia, e da revolta, e do choro interior, e do medo, e do momento pesaroso que sentimos tod@s nestas ocasiões, o Mundo gira e o Tempo avança. no fundo, é como muito bem escreve o Silva: «é neste miserável Mundo de Adeuses que nos obrigam a viver», pelo que ‘the show must go on‘…
.
.

empty spaces (what are we living for).
.

a propósito do encontro em Moreira de Cónegos, já tudo foi dito e comentado. estou atrasado, portanto, tal e qual aquele onze, com jogadores que humilharam, não só o manto sagrado e o brasão abençoado, mas sobretudo os indefectíveis que lá se deslocaram: também eles chegaram (muito) atrasados à partida. pelo menos 45′ minutos (outra vez, como em tantas outras ocasiões no campeonato que findou).
como escreveu José Fernando Rio:
.

.

« foi o pior jogo da época: ausência de qualquer grau de intensidade, raras oportunidades de golo, desconcentrações fatais. o Moreirense aproveitou bem essa benesse, oferecendo a posse de bola ao FC Porto. no fundo, fazendo a equipa portista acredita que tinha o controlo do jogo; deixou o FC Porto jogar naquele “ram-ram” habitual neste tipo de jogos para, de repente, recuperar a bola e lançar-se em rápidos contra-ataques mortíferos. foi assim que fez três golos e foi  a equipa que mais oportunidades criou em todo o jogo. »
.

eu partilho dessa impressão, subscrevendo-a. na íntegra.
mas, pior – bem pior! – foi esse total desrespeito para com o portismo, o que é algo que, para mim, é inadmissível. como (bem) escreveu o caríssimo Vila Pouca «há limites que nunca podem ser ultrapassados». mais uma vez, em mais um penoso findar de época, esses limites foram excedidos muito para lá do que é aceitavelmente razoável. pior do que aquele resultado final, o laxismo e a absoluta falta de entrega ao jogo, é o que, ainda hoje, me custa a aceitar.
.

futuro© google | 92º minuto
.

another hero, another mindless crime.
.

.

« o FC Porto terminou a época da pior maneira: derrota (justa), por 3-1 frente ao Moreirense. este resultado deixou a equipa a 06 pontos do primeiro lugar, sem ser o melhor ataque e também sem ser a melhor defesa do campeonato – algo que estava garantido antes do início da partida.
mais: com apenas 22 vitórias para o campeonato, fica com um registo bem pior do que o da (atribulada) temporada passada – em que se conseguiram somente 23 vitórias. “o melhor” que se conseguiu foi tão-somente diminuir o número de derrotas e melhorar o registo do número dos empates…
»,

também escreveu José Fernando Rio.
face a tais números, às razões elencadas pela C. na sua carta aberta ao Espírito Santo (que também subscrevo) e ao pecúlio de uma época em que se «ganhou… bola!» – a quarta consecutiva… – era inevitável este desfecho aqui.

sim!, a corda “partiu” para o (suposto) lado mais frágil, como é recorrente nestas alturas, na «indústria do Futebol». mas e é bom salientá-lo, tal não iliba a Direcção da $AD azul-e-branca e os seus mais altos cargos dirigentes, das responsabilidades de mais um fracasso total, com a figura de Jorge Nuno de Lima Pinto da Costa à cabeça, antes pelo contrário.
e, ao contrário da época anterior, mais do que uma “entrevista” do Presidente ao Porto Canal (ou a um qualquer outro órgão de intoxicação comunicacional que não seja o Canal do Clube), quero “ver” Acção. chega de palavreado, de falinhas mansas, de tapar o Sol com peneiras múltiplas; o momento é de já se estar a preparar a época 2017/2018 – fundamental para as aspirações do Clube em múltiplos níveis, que não só o Desportivo. basta recordar que só o futuro campeão nacional terá acesso à fase de grupos da edição da Champions de 2018/2019. e sabe-se como é fundamental (preponderante?) a presença do Clube na mais prestigiada competição mundial de clubes…
ah! e considerarei um insulto a tod@s @s portistas se houver nova distribuição de prémios, entre aqueles administradores da mesmíssima $AD que, é certo, já nos proporcionou muitas alegrias num Passado recente. mas esse “juro” já foi pago; ao invés, os quatro últimos anos só nos têm causado prejuízo, e esse não pode ser premiado, bem pelo contrário.

uma palavra para o Nuno, neste momento bastante conturbado:
o facto de ter prescindido «do segundo ano de contrato na totalidade, recebendo apenas os salários referentes até ao próximo dia 30 de junho», como referem alguns pasquins da tugalândia, revela uma lisura invulgar para alguns dos seus antecessores.
também quero salientar que foi uma escolha presidencial que, apesar de ter dado errado, foi a que aceitou um cargo que considero que já foi mais apetecível num Passado recente, do que nos dias de hoje. de facto, quatro treinadores, mais dois interinos, em quatro épocas desportivas, está longe de ser considerado uma espécie de “cemitério de treinadores”, mas também não será a melhor imagem de marca…
e também será bom recordar as condições por que se quedou a última época desportiva, e de como se revelava hercúlea a tarefa do Nuno, a ter que apelar a algum “Espírito Santo” para a levar a bom porto: sucintamente, uma equipa destroçada por um deslustroso terceiro lugar no campeonato (a uns impensáveis 15 pontos (!!!) do líder) e uma final da Taça de Portugal perdida de forma inglória.
mesmo assim, tudo se precipitou depois daquela espécie de derrota ante o Setúbal “de” couceiro, em casa, com o epílogo de 01 derrota e 05 empates nos últimos 09 jogos do campeonato. por mais apoio que tenha tido das (e nas) bancadas, há factos que acabam por fazer “torrar a paciência” do mais calmo dos adeptos – desenhos e silêncios cúmplices, em conferências de Imprensa, à parte..
.
.

futuro© google | 92º minuto
.

abandoned places (i guess we know the score).
.

fizeram-me chegar a imagem acima através do e-mail do blogue. no texto que a acompanhava, refere-se que aquela circula à velocidade da luz pelas redes sociais afectas à agremiação carnidense.
quero afirmar que desconheço a veracidade, não só daquele último facto (porque não as consulto, sequer sei da sua existência), mas sobretudo do teor daquela troca de mensagens na aplicação ‘whatsapp’®.
mesmo assim, há algo que tenho e que quero registar:

» na “posta de pescada”© da passada Quarta-feira afirmei:

« que fique expresso, desde já, o meu mais firme desejo para que o FC Porto, e como se prevê, não seja beneficiado, no próximo Domingo, em Moreira de Cónegos. […] confesso que, no caso em apreço, não me importarei que se percam os pontos suficientes para que o Moreirense permaneça na Primeira Liga e consequentemente a agremiação (curiosamente muito lampiã) de Tondela desça à divisão mais condizente com a sua categoria (ou a falta desta). »

àquele desejo, fiz a seguinte ressalva:

« e que fique bem claro que nunca desejarei a derrota do meu Clube do coração, seja em que circunstância for. »
.

pensei que tal seria um texto perceptível onde, na qualidade de adepto e sem qualquer contacto “ao mais alto níBel” na Estrutura do FC Porto, expressei também o desejo de descida do Tondela. e sobretudo que essa, a acontecer, não fosse à custa de um qualquer benefício arbitral do FC Porto em Moreira de Cónegos, “sacrificando-se” o clube local.
afinal, no fim, quem desceu foi o Arouca, cujo presidente deixará de respirar o mesmo ar dos que o rodeiam lá pelo reino de Alvaláxia…

aferir que eu, por manifestar aquele desejo, estou conivente com aquela eventual partilha pública de um pensamento do líder da principal claque do Clube, vai uma distância tão grande (ou até superior) como a que separa o suposto prejuízo do 5lb, na última edição da Liga Salazar, relativamente ao abjecto esbulho (por que basto «glorioso») de que efectivamente fomos alvo na mesma. para além de que se parte de um pressuposto absolutamente ridículo (por que inócuo).
.

futuro© Rui Duarte | 92º minuto
.

behind the curtain, in the pantomime.
.

ontem deu-me para voltar a ouver o ‘Prolongamento‘. infelizmente fomos o tema principal de conversa, durante mais de uma hora de programa, o qual incidiu na rescisão contratual de Nuno Espírito Santo (NES). e afirmo “infelizmente” porque tal, quando acontece, é sempre sinónimo de que fizemos algo de errado.
do muito que foi (mal) dito sobre aquele assunto, destaquei o que foi aventado aqui pelo precário guerra, um dos meus odiozinhos de estimação; a saber (e cito):
.

.

mandar o NES embora e não pagar um cêntimo é um acto de prepotência digno de um salazar, de facto.

NES deixa obra no FC Porto. […] NES vai vingar como treinador.

os verdadeiros responsáveis não dão a cara. […] é claramente um sinal de incompetência de quem gere o clube.

não deixa de ser difícil de imaginar que o presidente do meu clube abandonasse um jogo 15 minutos antes do jogo acabar, que abandonasse a equipa. o que é que aconteceu? o presidente do FC Porto abandonou o jogo a 15 minutos do fim, veio-se embora!
.

sobre o acto (como é mesmo?…) «de prepotência digno de um salazar» recordo-me bem de como se correu com Quique Flores – um treinador que também eu considerei que iria «deixar obra» no 5lb – e se foi contratar o jeBus.
já sobre aquela mentira, que destaquei a negrito, e os respectivos abandonos à sua Sorte de uma equipa de futebol, também me recordo bem das célebres “dores de costas” presidenciais, em momentos-chave da temporada 2012/2013, sobretudo nos jogos fora de Carnide…
pena que o comenta-dor afecto ao FC Porto se tivesse esquecido de contra-“argumentar” com tais evidências… com muita pena minha, nem todos podem ser um Bernardino Barros. ou um (saudoso) Pôncio Monteiro.

.
disse!
.

tretas (muito nossas).

© fotos da curva
.

.

quero agradecer a grande lição de vida que o NES me deu hoje: um dia, quando for na rua e me assaltarem, devo parabenizar o gatuno.
sempre a aprender…

quanto ao resto…
dois penaltis?! e ainda gozam descaradamente connosco! é triste… ao longo desta época, vimos situações muito mais flagrantes a não serem assinaladas, e hoje é isto. ou é puro gozo ou então é para, no final do campeonato, aparecermos com 9 ou 10 penaltis a favor e dar a impressão de que não temos qualquer razão de queixa.
ainda sobre gozo: parece que os corruptos, ontem, no galinheiro, distribuíram cartolinas onde se podia ler que essa é que é a “cartilha” deles. tão espirituosos que eles são, ao nível da infame campanha do #colinho… nada como desvirtuar a Realidade…

sobre a censura à faixa, uma nota só:
devemos muito ao presidente, mas, antes dele, já existia o FC Porto, tal como continuará a existir depois dele. não queira o sr. presidente fazer figura de Robert Mugabe que, aos 93 anos, ainda (des)governa o Zimbabwe.
das qualidades de um verdadeiro líder fazem parte o saber ouvir os seus e o saber quando sair. não é censurando quem sempre apoiou e que quer o melhor para o Clube, que se vai a lado algum. e, repito, o FC Porto não é propriedade privada de ninguém, mesmo daqueles que lhe deram imenso, porque também foi o Clube que lhes deu a visibilidade de que, Hoje, ainda gozam.

termino ainda com uma referência a África (e não só):
a Costa do Marfim, a Nigéria, o Brasil, ou mesmo a Birmânia, construíram novas capitais em locais remotos desses países a fim de lhes conferir mais desenvolvimento e que este também fosse sustentado (está certo… ao mesmo tempo também foi para encher os bolsos a “alguns”…); neste momento, o Egipto prepara uma nova capital administrativa e económica para descongestionar o sobre-lotado Cairo; o Canadá, a Austrália, os próprios EUA, não têm a capital na sua maior cidade. já aqui, no país dos broncos, insiste-se e persiste-se em levar tudo para a região de Lisboa e Vale do Tejo: mais estações de Metro, mais aeroportos, mais portos para cargas e descargas, mais, mais… para os outros – a suposta «paisagem», o grunho e parolo «resto» – ficam as sobras.
desde (pelo menos) o séc. XVI que vivemos (n)uma macrocefalia, que levou a um crescimento desproporcionado da Capital do Império em relação ao resto do País. e, mesmo assim, continuamos a ver as gentes a sair às ruas em Castelo Branco, em Beja, em Portalegre, em Bragança, na Guarda – em regiões preferencialmente do Interior, totalmente menosprezadas e desprezadas pelo Poder Central, do qual o clube corrupto (ainda) é o seu símbolo maior.
e se me custa ver gente a festejar na minha terra natal (Castelo Branco), então na cidade do Porto… enfim… e lamento que não haja um benfiquista que reconheça o óbvio: que este (treta-)campeonato foi ganho graças a factores extra-futebol.

se vale tudo para ganhar? parece que sim. e é também por isso que o País está como está: com uma dívida pública que nem nos nossos piores dias.
c
onclusão a tirar? somos um País de gente desonesta porque, se não se importam de ganhar dessa forma no Futebol, também não se importam de o fazer em tudo o resto, em todos os outros sectores da actividade económica. e tal é triste, muito triste.

saúde. João.
.

caríssim@,

não poderia estar mais de acordo com este (muito) pertinente comentário do João, no espaço de discussão do caríssimo Vila Pouca – um dos meus blogues de referência. aliás, considero ser difícil discordar do mesmo, com argumentos válidos e sustentados, sobretudo pela parte de quem é conhecedor do que nele se aventa, mormente naquelas regiões mais desfavorecidas do País…

mesmo assim, permite-me apenas três singelas notas:

1.)
aguardei pelo “universo Porto – da bancada” de ontem (vídeo aqui) para perceber melhor a situação da censura das tarjas. acima de tudo, apraz-me saber que «tudo está bem», nas palavras do Director de Comunicação do Clube – o que poderá significar que houve entendimento entre as partes envolvidas, com o devido (e desejado) “enterrar do machado de guerra” e posterior “fumar no cachimbo da paz”.
mesmo assim, tal não significa que quem, como eu, se deslocou, no passado Domingo, ao nosso teatro de sonhos azuis-e-brancos, de lá tenha saído com uma imagem muito triste, basto cinzenta, com todo um episódio que em nada dignificou aquelas mesmas partes – na altura, em contenda. pelo menos, foi assim que abandonei o estádio, enquanto ouvia as palavras de ordem dos elementos da claque: com o coração apertado, o Espírito sombrio e o olhar perdido num Futuro incerto…
.

2.)
numa singela frase, por certo nada inocente – «é a realidade dos resultados. parabéns ao campeão. nós continuamos o nosso caminho – o de formar uma equipa que possa conseguir títulos.» – Nuno conseguiu desbaratar todo o meu trabalho de uma época a desmascarar o «polvo» que subsiste no nosso comezinho futebolzinho tuga. o meu, o de tod@s @s ‘bloggers’ afectos à bluegosfera (e não só), e também o daquele programa referido no ponto anterior.
e foi mesmo, mas mesmo “muito agradável” ouvir todos os «gloriosos» cartilheiros, logo no próprio dia e na Segunda-feira seguinte, a citarem o ainda treinador da equipa principal de futebol do Clube, e a insurgirem-se contra a sua (mais do que) provável rescisão contratual.
e, por muito que ele invoque «a grande confiança num contrato que existe», não haverá Espírito Santo que o mantenha no reino do Dragão, na próxima época*.
[* não!, não tenho bases sólidas (por que oficiais) para sustentar esta minha forte convicção, só um ‘feeling’.]
.

3.)
que fique expresso, desde já, o meu mais firme desejo para que o FC Porto, e como se prevê, não seja beneficiado, no próximo Domingo, em Moreira de Cónegos.
e que fique bem claro que nunca desejarei a derrota do meu Clube do coração, seja em que circunstância for.
mas – e há sempre um “mas”… – confesso que, no caso em apreço, não me importarei que se percam os pontos suficientes para que o Moreirense permaneça na Primeira Liga e consequentemente a agremiação (curiosamente muito lampiã) de Tondela desça à divisão mais condizente com a sua categoria (ou a falta desta)
.

.
disse!
.

dos vendilhões do templo.

futuro© Bruno Sousa
.

três breves notas introdutórias:

1)
infelizmente “não é quando se quer, é quando se pode…”, pelo que motivos de ordem diversa, sobretudo profissionais, impediram-me de comunicar contigo mais cedo.
assim sendo e porque há vários assuntos que pretendo abordar (apesar do meu “atraso”), e como já vem sendo hábito, e como não poderia deixar de o ser, esta prosa será uma espécie de novo testament… de um texto extensiva e sensivelmente looongo, com numerosas hiperligações e bastas imagens, que não só para memória futura mas também.
e, claro está!, que a minha sugestão, para estes momentos, é sempre a mesma, e como já deve ser do conhecimento geral.

2)
não irei aprofundar a partida do passado Sábado, onde fiz questão de marcar presença e tive esse grato privilégio e essa enorme honra, de o poder ter visto na companhia do Afonso (agora um jovem de 17 sólidos anos) e do ‘shôr’ Silva (esse mesmo!). foram bons momentos, que espero que se repitam em breve!
sobre aquela, partilho do que entretanto já foi (muito bem) analisado e comentado aqui, aqui, aquiaqui, aquiaqui e também aqui, mas sobretudo aqui (de uma forma hilariante!).
sobre as temáticas que se seguem, a minha visão particular também foi consubstanciada no que já se argumentou aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aquiaqui e aqui, cujas leituras recomendo vivamente, porque delas subscrevo. na íntegra – qual “cartilha da bluegosfera”.

3)
para quem visita este espaço apenas e só com esse intuito de “abafar” o que por aqui se divulga, seja em formato mp4, seja em gif e/ou jpeg, sobretudo se for o carnidense a agremiação visada:

coisinhos,
ide “abafar a palhinha” de quem vos fez as orelhas, sim?
podeis fazer todas as denúncias gloriosamente anónimas que vos der na real mona (na lisa, ou na outra, ‘i don’t care‘): par
a vossa azia, possuo os ficheiros originais do que denuncio neste espaço público de discussão, em vários suportes, em diversas contas e em múltiplos canais. os serviços da Google são só um deles e não são o principal.
.

futuro© google | 92º minuto
.

caríssim@,

obviamente que o tema da cartilha do estado lampiânico (aqui e aqui) foi o que dominou o quotidiano azul-e-branco desde a passada Quinta-feira, não tendo ficado espantado pela visibilidade da últimaposta” do mês de Março – a mais lida dos últimos dois meses, pelo que nela se difunde à saciedade.
já se sabia que havia uma espécie de concertação: era por demais evidente a “afinação” nos discursos dos interlocutores, e o reporte constante de almoçaradas e/ou jantaradas (aqui, aqui e aqui), ao mesmo tempo dos ridículos desmentidos por parte da “estrutura; agora que “a bomba” explodiu, é para mim um gozo assistir a autênticos números de «glorioso» contorcionismo, desdizendo-se o que anteriormente era tido como uma verdade indesmentível e se negava a pés juntos, tal e qual uma entrada do ilusão (já lá vamos).

e obviamente que estou muito curioso pelas cenas dos próximos capítulos, a divulgar no “Universo Porto – da bancada” desta noite – programa onde espero que se denuncie a «gloriosa» filha-da-putice que a imagem abaixo retrata:
.

futuro© google | 92º minuto
(clicar na imagem para ampliar)

.

e que filha-da-putice é essa? tão-somente o facto de, nos pasquins manhosamente elaborados na Capital do Império, se (in)tentar conotar o incidente no último Fátima vs. Torreense com o FC Porto, colocando, em chamada de capa e de uma forma estratégica, tal notícia no parco espaço destinado ao quotidiano azul-e-branco.

também espero que se analise o que se pode ouver aqui, a propósito do Clássico no verdadeiro antro* do carnidense: uma cambada de energúmenos a perturbar o trabalho dos pés-de-microfone, com a complacência dos ‘stewards’ e sem que, à data destas linhas (#notmadeinporta18), o Sindicato daqueles se tivesse insurgido pelo facto e ao contrário de um Passado bem recente
curiosamente (ou talvez não) tratou-se de um facto lamentável que os me(r)dia e o jornalixo tugas não difundiram profusamente à saciedade, antes pelo contrário. ou seja: “aquilo” aconteceu; mas como é comprometedor para os visados, convém abafar porque, se não passou nas têbês e/ou nos pasquins, é porque nunca viu a luz do dia (salvo seja!).

* sim!, a-n-t-r-o. é que eu não tenho memória de passarinho e recordo-me muito bem do que um radialista afecto ao 5lb e por quem tinha em (muito) boa conta, até então, escreveu, em Maio de 2012, sobre este incidente aqui.
.
.

futuro© FCPorto para sempre | 92º minuto
(clicar na imagem para ampliar)

.

por “falar” em «gloriosos» impedimentos de divulgação de factos susceptíveis de incomodar quem se encontra afecto ao 5lb – o verdadeiro clube do Regime (e seja ele qual for, porque é indistinto de qualquer conotação política, porquanto que é transversal a tudo quanto gravite nos corredores do P(h)oder centralista da tugalândia) – do passado final-de-semana ressaltam dois factos insofismáveis (por que indesmentíveis):
.
(i) apesar da vitória, o FC Porto foi sonegado em mais duas grandes penalidades flagrantes, uma delas logo aos 20′ da partida e que, se viesse a ser assinalada e posteriormente concretizada, mudaria toda a estória do jogo em causa.
(já vamos em quantos penaltys por assinalar?… vinte? trinta? trinta e um?… e só numa época, certo?… estivesse “isto” a acontecer mais para os lados da Segunda Circular, e não haveria paciência para as costumeiras (por que «gloriosas» e/ou «calimeras») «queixinhas»…)

e para quem considere que não houve qualquer motivo para se assinalar grande penalidade e/ou ache que o pasquim do ‘quim oliveirinha é todo ele um mar azul (!!!), eis a análise do lance em causa pelo insuspeito do roubarte gomes, no pravda do último Domingo (aqui):
.

futuro© pravda | 92º minuto
(clicar na imagem para ampliar)

.

(ii) o 5lb foi «gloriosamente» beneficiado em Moreira de Cónegos. mais uma vez. e só esta época. não está a jogar um carvalho da Silva, mas há sempre um “alguém” que lhe ampara a queda, num «glorioso» afã sem precedentes. e tudo porque convém impedi-la a todo o custo, não vá esse desígnio nacional – o do tetra da treta – ficar em águas de bacalhau.
e, ao contrário dos costumeiros papagaios que costumam debitar a cartilha, e da própria “opinião” de ribeiro cristóvão (aqui), eu acho que o ilusão deveria ter sido expulso aos 30′, assim como o grego do samurris (© bLuE bOy) no final da partida. é que as imagens, tal como os vídeos (aqui e aqui e aqui) não oferecem quaisquer dúvidas:
.

futuro© google | 92º minuto
.
futuro© google | 92º minuto
.

ai se isto” tivesse ocorrido com um (ou mais do que um…) jogador afecto ao FC Porto!… ui! nem é bom considerar… certamente que não haveria prontas entrevistas a tentar ilibar tais acções – como esta aqui, ao abel silva, pelo lixo tóxico do grupo cofina, no dia imediatamente a seguir ao rebentamento do escândalo do processo “Jogo Duplo”

.
disse!
.

resquícios.

futuro© fotos da curva | 92º minuto
(clicar na imagem para ampliar)

.

nota introdutória:

só hoje, Quarta-feira, (quase) 84h depois, é que “a telha” (vulgo neura, e que, sim!, pode-se confundir com azia…) está a dar indícios de desaparecer. mas ainda não foi à sua vidinha, não!, que o mau humor rezingão e irascível, esse está para durar – pelo menos até ao início do próximo encontro, já este Sábado, frente ao Belém, onde se espera que sejam estes a comer “pastéis”, ouvistes ó Nuno? nem que tenha que ser por obra e graça do Espírito Santo, ouvistes ó Nuno? bem!… adiante.

assim sendo e porque já estou basto atrasado (© ‘shôr’ Silva), esta “posta de pescada”® vai ser um pouco para o compridota. é que há alguns aspectos, sobre o Clássico, que também quero esmiuçar e dar o meu lamiré.
ou seja e como não poderia deixar de o ser, esta prosa honrará com os pergaminhos e com aquela que é a imagem de marca deste espaço singular, na bluegosfera: os testament… os textos extensiva e sensivelmente looongos, as numerosas hiperligações e as diversas imagens, que não só para memória futura mas também.
e, claro está!, que a minha sugestão, para estes momentos, é sempre a mesma, e como já deve ser do conhecimento geral…
.

caríssim@,

sobre a partida em Carnide, subscrevo o que, neste entretanto, foi sendo trazido à colação (e muito bem aventado) aqui, aquiaqui, aqui, aquiaqui, aqui, e também aqui, na bluegosfera.
acima de tudo, recordo esse facto insofismável: depois do empate que se trouxe de Carnide, já não dependemos exclusivamente de nós para nos sagrarmos campeões. ou seja: teremos que esperar que sejam Outros a fazer o trabalho onde, mais uma vez, nos revelámos incompetentes, e que passava pelo assalto efectivo ao primeiro lugar do campeonato.
e entenda-se também que, para sermos muito felizes, em Maio, (i) teremos obrigatoriamente que vencer as sete finais que se avizinham (com deslocações complicadas a Braga, Chaves e Madeira) e que (ii) não poderemos “depositar as fichas todas” no ‘derby‘ da Segunda Circular (o qual, entrementes e por antecipação de duas semanas, já está a ser arduamente disputado, sobretudo fora das quatro linhas).

acima de tudo, o que resta do empate ante o carnidense é que este revelou-se uma espécie de “mal menor” – e daí o meu tremendo desconsolo no final da partida, pois que fiquei com a estranha sensação de que deveríamos e poderíamos, ter feito (bem) mais e (muito) melhor, mesmo com (e contra) o “xistrema” (já lá vamos). mais do que teorizações sobre qual o onze titular e/ou que substituições efectuar, considero que faltou um pouco mais à Equipa, mormente na segunda parte, para se dar a “estocada final” no rival; acho que faltou dar seguimento ao lance do Soares, que os colocou em sentido e que os fez abanar, só que momentaneamente – e quando o que se pedia e toda a massa adepta “exigia”, era que ocasiões de golo como aquela tivessem continuidade no Tempo e não se esvaíssem nos restantes 30 minutos do encontro, e mesmo com (e contra) o “xistrema” (já lá vamos).
mas, como tal não veio a acontecer, e por erros também próprios da Equipa, vamos ter que aguardar pelo que os outros farão nos seus «gloriosos» embates, rumo a esse desígnio já supra-nacional, e que é a treta de um tetra ardentemente desejado por tod@s os quadrantes, inclusive o Político (e já lá vamos, também).
.

futuro© google | 92º minuto
.

sincera e honestamente nem sei como abordar a próxima temática depois das declarações do espírito santinho do Nuno e do presidente Jorge Nuno… o primeiro disse peremptoriamente «é penalty!»; o segundo, à revelia do então Pinto da Costa, afirmou que «foi um grande jogo de futebol, entre duas grandes equipas, com um bom árbitro»… acontece que, na minha perspectiva, para sermos sérios, rigorosos e honestos quanto às incidências da partida, não há como fugir ao #xistrema. e este também esteve presente (e à solta) no antro onde os i-le-gais, mais uma vez, marcaram presença quando não o deveriam, porque… lá está!, não estão conformes à legislação vigente.
para lá do que se afirma aqui e, neste entretanto, também aqui, e do que ontem se denunciou aqui, no programa “Universo Porto – da bancada“, houve uma gritante dualidade de critérios de arbitragem, mormente na segunda parte, sobretudo depois de termos conseguido o empate na partida.
como se comprova aqui e aqui e também aqui, o 5lb foi (literalmente) empurrado, pelo apitador de serviço, na procura de um segundo golo que felizmente não veio a acontecer, fruto de mais uma enorme exibição da mesmíssima Equipa que, ali em cima, fui crítico, e da qual faz parte Iker Casillas. e não há aqui qualquer incoerência: é verdade que e como é apanágio do grupo de trabalho à disposição de Nuno Espírito Santo, ante o 5lb houve mais uma demonstração de Entrega e de Querer, assim como também é verdade que essa abnegação não foi suficiente para se vencer o jogo – uma partida onde, para mim, era fundamental conquistar os três pontos…
.

futuro© google | 92º minuto
.

a par da agressão a Alex Telles e do fora-de-jogo (escandaloso) que foi (muito mal) assinalado ao Jota, o lance que a imagem gif acima retrata é capital para o desenlace da partida, por que (muito) “bem cavado” – sendo que o mesmo é perpetuado em vídeo aqui e em imagens gif aqui e aqui, para quem quiser.
deixo-a para memória futura, sobretudo porque, tal como Bernardino Barros, também eu estou cansado de ouvir, há (pelo menos) três semanas ininterruptas, os avençados do clube do regime bramirem com a «gloriosa» costumeira cartilha, da autoria de carlos janela, de que o André Silva e o Soares e o Jota e o Brahimi e o Corona e o (nome de um atleta do FC Porto) e o (outro nome de um atleta do FC Porto), são “piscineiros”… essas torpes afirmações, vindas de quem vêm, principalmente de aventesmas afectas à agremiação onde este aqui deu muitas provas e até “fez escola” (de que o jon-ass é só mais um), só poderão ser encarados como elogios aos visados por aquelas. de facto, nunca faltaram, nem faltarão especialistas na arte do mergulho pelos lados de Carnide. ah!, e este lance aqui ficará, para Sempre, na memória do Ridículo em que aquelas “piscinas” se tornaram por aquelas bandas, sempre com as complacência, benevolência e cumplicidade, dos apitadores ao serviço do 5lb. sempre!
.

futuro© ojogo | FCPorto para sempre
(clicar na imagem para ampliar)
.

um facto sobre a imagem acima, com a análise aos lances mais “problemáticos” da partida: curiosamente não vislumbro nenhuma referência em relação a um lance sobre o Corona (aqui), aos 58’…
certamente que o “argumento” para tal «glorioso» esquecimento seja o mesmo que a estação de televisão de Queluz (não!, obrigado. não fumo.) utilizou nos seus programas de Domingo e de Segunda-feira, à noite, para não abordarem o tal fora-de-jogo mal assinalado ao Jota: não se podem analisar todos os lances (principalmente e sobretudo aqueles em que o 5lb foi «gloriosamente» beneficiado pelos do costume)…
.

futuro© google | 92º minuto
.

da ‘porca vendetta‘ perpetrada pelo jon-ass, ficam o vídeo (aqui) e a imagem gif (aqui) para memória futura do seu «glorioso» Absurdo.
acima de tudo (principalmente do perpetrador em causa) e sobretudo, lamento muito que tenha sido o spórtém a tomar a iniciativa (mais uma vez…) por algo que, antes de tudo, competiria ao FC Porto e ao seu Departamento Jurídico exigir junto de quem de Direito. desconheço se este silêncio institucional terá algo de estratégico, mas não quero acreditar que se fechou a volta de 360º e que se regressou a um Passado de má memória no plano Comunicacional do Clube.
.

futuro© google | 92º minuto
.

esta é, para mim, A imagem do Clássico e que, num Todo, resume a resposta a toda uma época de anti-jogo, para quem nos acusa de #joguemmazeabola e junto dos que, na primeira volta, o fizeram logo desde o primeiro minuto – mas que emmentes já se esqueceram de tal.
fica a dita eternizada em vídeo (aqui) e em gif (aqui).
.

futuro© fotosdacurva
.

a propósito dos incidentes que aconteceram antes, durante e após o jogo, nada mais acrescento ao que já foi comentado (muito a propósito) pelo “lápis” aqui.
apenas refiro que, mesmo sendo um Agente da Autoridade e no cumprimento do Dever, o indivíduo que pontapeou, na cabeça, um cidadão que se encontrava deitado, na via pública, depois de ter sido vítima de um outro pontapé, mas este desferido nas suas costas, não passa de um c-o-b-a-r-d-e de merda. e de um autêntico filho da puta.
.

futuro© google | 92º minuto
.

por último, sim!, todos têm o direito a assistir a uma partida de futebol, mesmo que por convite, e mesmo sendo altas figuras do Estado. mas, não!, “isto” não acontece no nosso teatro de sonhos azuis-e-brancos com a mesma regularidade que se verifica por Carnide.
e duvido que aquelas mesmas individualidades, qual capital triunvirato, o fizessem sabendo, de antemão, que o dirigente máximo do Clube era um caloteiro de primeira – a não ser que fossem para penhorar uma nova retrete

.
disse!
.

ganhámos (o direito a sonhar)

© google | Tomo III
(clicar na imagem para ampliar)

.

caríssim@,

antes de tudo, duas advertênciasum pedido e um ‘off-reco(rd):

» advertências:
esta “posta de pescada” vai ser um tanto ou quanto para o looong… para o comprid… vai ser um testament… vai honrar com a imagem de marca deste espaço de discussão pública.
esta “posta” vai ter muitas imagens (e não são dessas).

» pedido:
como já deves ter reparado, ultimamente a frequência com que comunico contigo não é tão regular quanto o desejável. comparando com um Passado recentíssimo, deixou de ser (quase) diária para se cingir uma intermitência pior do que as hesitações de passe do Herrera em zonas nevrálgicas do meio-campo.
tal deve-se (sobretudo) a motivos profissionais, os quais me impedem desse contacto harmoniosamente contínuo que tanto prezo e estimo, e que, no Presente, não é possível (de todo!).
assim sendo e mais uma vez, os meus sinceros pedidos de desculpas por quaisquer eventuais transtornos que te possa causar.

» ‘off-reco(rd)‘:
senhoras e senhores da tap, e do turismo de lisbo… de “portugal”, e da estação (cada vez mais, muito pouco) pública de televisão, e das demais entidades públicas e/ou privadas que ficaram “muito contentes” com o facto da cidade do Porto, pela terceira vez e, desta feita, por total unanimidade (forasteira), ter conseguido o honroso galardão de “Destino Turístico Europeu de 2017“:
a vossa azia é (também) a “gasolina” que faz mover esta Região e o motivo principal pelo qual a reivindicação de mais e melhor descentralização, é muito premente, nos tempos que correm. não compreender que, com aquele prémio, quem vence é igualmente todo um País com pouco mais de 92000 km², é ser demasiado atávico, mesquinho, desditoso, para com toda a restante «paisagem» daquele e que é tudo menos subserviente (servil?) àquela outra e a quem diariamente (in)tenta que se lhe deve prestar vassalagem – ou não fosse a capital do Império… -, mas que, invejosa, não tolera os sucessos da primeira – o tal «resto» que (dizem) não passa de «paisagem».
pelos vistos, é a esta diversidade de «paisagens», com total primazia para a cidade do Porto, que os forasteiros que nos visitam preferem e que quem reside na dita capital do Império persiste em apelidar de «bacoco» por, por exemplo, não compreender o bairrismo intrínseco às suas gentes (algo que faz parte do seu ADN e que não se consegue explicar por palavras) – e já para não referir essa evidência de não perceber as multiplicidades geográfica e demográfica, que a expressão «o Norte» encerra nela própria (como se a região do Alto Douro fosse em tudo idêntica à do Minho, e o Vale do Sousa fosse similar à Ria de Aveiro)…
resumidamente e para não ser (ainda mais) fastidioso:
«que la chupen y que la sigan chupando. y sigan mamando.» ¡y olé, carago!
.
.

neste entretanto, parece que ganhámos em Guimarães e conquistámos o castelo – um feito que, para o campeonato, já não era conseguido desde Fevereiro de 2013. e refiro «parece» porque, depois do muito que pude ler por essa bluegosfera fora e nalgumas redes sociais, o desânimo por não ter havido “ópera” superou o facto de termos levado de vencida dois obstáculos muito difíceis: o spórtém (na nossa fortaleza) e o Vitória (no seu reduto).
p
ara lá do que entrementes (brilhantes) escreveu o Silva e da muito bem observada questão da competência, da autofagia à Porto assertivamente abordada pelo Jorge e da pertinente crítica construtiva aos críticos daquela partida pela parte do caríssimo Vila Pouca, permite-me só esta observação (pertinente?):

é certo que, no jogo em causa e depois da exibição frente aos calimeros, durante muito tempo (deu a impressão que) não jogámos um caralho, tal a forma como se preferiu a solidez da defesa em detrimento dos méritos de um ataque (continuado?) e da famigerada «posse de bola» (mesmo que inócua) – e, no meu entendimento, há uma explicação para que tal tenha sucedido (e já lá vamos).
e é correcto afirmar-se que, em grande parte da partida, houve um permanente sobressalto em cada portista, sempre com a pergunta pendente de “quando é que este gajo [o Nuno] faz alguma coisa? está à espera que chova, só pode… ou então, da intervenção do divino Espírito Santo (nem que seja o de orelha)”…
e, sim!, só após a entrada do Diogo Jota é que soubemos controlar a partida e desferir o “golpe de misericórdia” na mesma e nas aspirações do Vitória SC (e não só) em relação a um hipotético empate.
mas, mesmo assim, ganhámos, porra! outros anos houve e até muito recentes, em que jogámos bem melhor do que no Sábado e perdemos (ou empatámos, o que vai dar ao mesmo em termos de “sabor” e de amargura), para gáudio dos mesmos que, em tempos (não muito) idos, se agarravam ao «pragmatismo» nas vitórias e, agora, (in)tentam-nos lançar poeira (#madeinporta18 ?) com estatísticas que, no cômputo geral, apenas e só referem o que, para mim, é Essencial: marcámos mais golos do que o adversário – com (ou sem) muita posse de bola, com menos cantos do que os outros, com mais remates enquadrados (ou não), quero lá saber! na fase em que estamos no campeonato e com todas as vicissitudes por que já passámos, mais do que “sonatas” e/ou “cantatas“, eu só quero os três pontos em cada um dos jogos que nos faltam disputar; o resto é paisagem (ou «’peaners‘»).

ou seja (e em suma):
é como afirma o “4lusos” e eu corroboro (com os destaques a serem da minha responsabilidade):
.

.

« é evidente que há trabalho feito. É evidente que isto não cai do céu. É claro que o treinador tem a sua responsabilidade e mérito, mesmo que aqui e acolá, eu veja muitas lacunas nas suas decisões (recentes e distantes), em vários jogos e em momentos decisivos de alguns jogos.
sou (e fui!) muito crítico, não raras vezes, em relação a Nuno Espírito Santo [NES]; mas e se for motivo para elogiar, também sei dar-lhe mérito e reconhecer-lhe qualidades, e fá-lo-ei sem qualquer tipo de hesitação.
não sou apologista de NES, nem da forma como dirige e gere a equipa durante os jogos; mas tenho a forte esperança de que possa levar esta equipa a bom porto, dando (e acho que ainda esta época) uma alegria a todos os sócios e adeptos portistas. »
.

e, também, como afirma o sr. Remígio Costa:
.

.

« na hora de aproveitar um belo (e útil) triunfo há (ainda) quem insista em ver o “copo meio vazio”. facilitam a vida aos que fazem o trabalho sujo dos nossos adversários, tentando desprestigiar e desvalorizar os nossos sucessos… »
.

e, de certa forma, não deixam de ter a sua razão. e tomemos por exemplo o jogo de ontem, a contar para a Champions, em que o Borussia visitou a agremiação de Carnide. rezam as famigeradas estatísticas da partida em causa que o 5lb levou um banho de bola e que, não fosse o seu guarda-redes, a humilhação seria inevitável. porém e para quem (como eu) não viu o jogo, o que as capas dos pasquins lá do burgo transmitem são autênticos orgasmos punheteiros (aqui), com números em tudo idênticos aos que apresentámos ante o todo-poderoso actual terceiro classificado da Liga…
ou seja: o que sobra, para contar à maralha lampiónica, é a vitória ante um super-Dortmund (mesmo que em crise) e o facto de estarem em vantagem para a segunda mão desta eliminatória; ao contrário de muitos de nós e de José Manuel Ribeiro, hoje no seu editorial “memento mori” (aqui), e por mais Razão que lhes assista, ninguém se preocupou em transmitir a ideia de um 5lb recolhido e acantonado no seu meio-campo, à espera de um milagre (que curiosamente viria a acontecer)…
.

© google | Tomo III
(clicar na imagem para ampliar)

.

a propósito da partida de Guimarães, há algo que, para mim, dela não se pode dissociar: a vergonhosa arbitragem do xistrema.
sem querer ser muito enfadonho, tenho, para mim, que a “encomenda” esteve lá, bem presente no D. Afonso Henriques, e que tudo (in)tentou mas…. não teve a Sorte pelo seu lado. é que muito do (nosso) jogo pastoso da primeira parte também se deveu (e muito!) às inúmeras apitadelas do ‘shôr‘ carlos, sempre muito solícito a interromper o seu normal desenvolvimento, assinalando (de pronto!) todas as faltas, faltinhas e faltecas, a favor do Vitória, e num fulgor inversamente proporcional ao “pau” que permitiu (sempre!) aos jogadores da equipa visitada. e, se dúvidas houver do que afirmo, a imagem que se segue é basta elucidativa:
.

© google | Tomo III
(clicar na imagem para ampliar)

.

.
“ah! mas houve um ‘penálte’ a favor do Guimarães, aos 38′. foi descarado o benefício em vosso favor! não fosse o árbitro e o Victorio Páez não teria terminado o jogo! tem vergonha na cara!”
.

com mais ou menos insultos à mistura, este foi um comentário (dos vários) que recebi nos últimos dias. percebe-se o teor e o alcance da “indignação” lampiónica, muito pouco dada a ser afrontada com a “tal” verdade desportiva por que tanto pugna(va).
convém recordar que, aos 38′, estava 0-1, a favor do FC Porto e que o Victorio viu um amarelo aos 40′. se eventualmente tivesse visto amarelo aos 38′, tal significaria que, a partir desse momento, e num jogo hipotético que não veio a acontecer, teria o mesmo recato que demonstrou no que restou da partida.
mesmo assim e para os lampiões que por aqui passam, eis duas imagens que (também) ajudarão a elucidar as suas mentes (torpes):
.

© google | Tomo III
(clicar na imagem para ampliar)

.

.

© google | Tomo III
(clicar na imagem para ampliar)

.

[diz que este não conta como ‘penálte’. que o vesgo do piç… que o vesgo do pizzi também fez falta igual, contra o spórtém e que não contou… pois, ’tá bem abelha… tivesse este lance ocorrido na nossa grande área, e com muita certeza que teria sido assinalada grande penalidade (com posterior expulsão do Danilo, bem entendido).]

.
ah! e sobre a questão da «vergonha na cara»:

(não) ter «vergonha na cara» é andar a apregoar, aos quatro ventos, que há «ameaças a árbitros» mas só a Norte, e mesmo que perpetradas por dois indivíduos que vestiam artefactos identificáveis com uma das claques legalizadas do FC Porto e que qualquer um de nós pode comprar, independentemente do clube do coração…, “esquecendo-se”, de uma forma «gloriosa», de também abordar estas ameaças aqui e que (pasme-se!) foram devidamente comprovadas em Tribunal.
(não) ter «vergonha na cara» é fazer alarde de «muita coação» “esquecendo-se”, de uma assaz «gloriosa», que “a tal” coacção já remonta à década de ’90 (pelo menos) e também para os lados de Carnide.
(não) ter «vergonha na cara» é fazer um banzé com os «buracos azuis» sonegando (mas de forma «gloriosa»!) que a actual direcção da $AD do 5lb deve a este mundo e ao outro também – (pelo menos) ao BPN e ao BES.

(não) ter «vergonha na cara» é um pouco de tudo isto, “esquecendo-se” que a agremiação por que sofrem do coração tem muitos (bastos!) “telhados de vidro” que convém ocultar da mesmíssima maralha para quem diariamente se fazem capas jactantes (vulgo fardos de palha) como estas aqui.
.

© Tomo III
(clicar na imagem para ampliar)

.

por último e em relação à imagem acima, a qual não encontrei em nenhum lado e sobre um lance – aqui, a partir dos 01:32:38 – que não aparece descrito em nenhum “relato” dos pasquins que o fizeram ‘online‘.

este lance passou em claro ao apitador de serviço. se tivesse sido julgado e conforme o refere o tribunal de ex-apitadores (aqui), muito provavelmente o adrien [valente escarro] não teria terminado a partida em Moreira de Cónegos e (espanto!) muito provavelmente não teria a oportunidade de marcar o terceiro golo dos calimeros. mas, mais do que esse hipotético “se”, a visualização daquele lance, no imediato, recordou-me aquele outro, o da expulsão do imbula, no Bessa, no ano passado, para a Taça de Portugal (aqui).
ou seja: mais uma vez questiono sobre quais são os critérios para este tipo de lances? é que, se os há, são muito “difusos” e propensos às mais diversificadas interpretações (opiniões)… ‘oh, wait!‘…

.
disse!
.

«ganhámos (apesar do treinador)»

© zerozero
.

caríssim@,

antes de tudo, uma pertinente advertência:

com o texto que se segue, o qual será ligeiramente para o looongo, aos olhos de alguns (muitos?) talvez vá parecer que sou o tolinho que se encontra na auto-estrada, em contra-mão, e que julga os outros condutores – todos eles! – por considerar que são os que estão errados, e não ele… aliás: não é «talvez», é mesmo! mas não me importo, pois estou consciente do “erro” que estou a cometer, qual ovelha choné a remar contra a maré [rima propositada]…
.

(re)vi a partida deste último Sábado, ontem, em diferido e na tranquilidade do lar, e depois do muito desassossego que pude ler na bluegosfera. aqui chegados, confesso publicamente, não só a minha douta ignorância sobre essa sapiência que é o Futebol, assim como a minha incredulidade perante tanta crítica – acérrima, feroz, tenaz, acre e, com certeza, que igualmente válida (e não me compete julgá-la, antes pelo contrário, e nem sequer é essa a razão de ser desta prosa) – e logo numa vitória…

acusem-me de resultadista; sincera e honestamente quero lá saber! de há uns seis anos a esta parte (pelo menos), aquando da passagem do bitó Pereira, pelo nosso clube do coração, que coloco o pragmatismo do resultado final à frente de outras questões – em tempos, tidas como «de ópera» que, como é do conhecimento geral, é mais lá para os lados do S. Carlos, na capital do império (da ‘piovra‘). por exemplo: desde aquela altura, quando me desloco ao nosso teatro de sonhos azuis-e-brancos, (supostamente aquela que deveria ser «a nossa fortaleza»), existem três resultados possíveis com que poderemos ser brindados, no final das partidas, quando e num Passado (já nada) recente, quando ia às Antas, só considerava a vitória como o único plausível.
talvez esteja a ser exacerbadamente altivo e sobranceiro, ao afirmá-lo, mas será sempre para o lado que dormirei melhor, porque é o que sinto actualmente. esta minha atitude é também uma forma de me defender das expectativas (sempre altas) que tenho quando joga o meu clube de Sempre. pode parecer incongruente, mas desde aquela altura, a do bitó – em que cheguei a assistir a jogos ao vivo e a cores que (literalmente) me fizeram adormecer, tal era o soporífero do “futebol” praticado, assente numa estéril posse de bola e no «o Hulk resolve» – que me sinto assim: espero que se consiga a vitória, nem que seja com um golo em fora-de-jogo, nos instantes finais da partida (‘oh! wait!‘…). e é por demais evidente e óbvio que continuo a perder noites de sono com os nossos desaires, tal&qual como tu, mas isso, agora, não vem (nada) para o caso…

estas recordações assaltaram-me ontem, enquanto revia o jogo de Sábado, o qual, pelos vistos e depois daquelas críticas todas, é ligeiramente diferente daquele visionado pel@s demais portistas da bluegosfera (e não só). explico.
do que me foi dado ver, mais uma vez o nosso treinador adoptou uma espécie de sistema táctico em função do adversário que a equipa defrontava a seguir à última partida. desta feita, fê-lo utilizando um esquema de 4 médios o zona nevrálgica do meio-campo, prescindindo de extremos “puros” – algo que, por exemplo, em tempos idos, José Mourinho fez em todos os desafios que o FC Porto disputou para as competições europeias, nas épocas 2002/2003 e seguinte. e diz que o Prof. Jesualdo Ferreira também o fez e por mais do que uma vez, e com relativo sucesso… e já sei que os plantéis são todos diferentes, e que as qualidades futebolísticas dos médios de agora e de então não podem ser comparáveis (há quem advogue perda de Qualidade…), e que qualquer coincidência de esquemas tácticos entre esses tempos e os de Hoje é pura especulação e uma total perda de Tempo… mas, não foi o Nuno, e não um qualquer Espírito Santo de vão-de-escada, que afirmou que (e cito): «não há um sistema táctico, há uma ideia: os laterais estão constantemente projectados; os médios que envolvem, que rompem; e os avançados que estão sempre perto da grande área adversária. assim, em 60 metros, não há um sistema que se possa identificar, não há 4-4-2, nem 4-3-3. há uma ideia!»? e não foi o mesmo Nuno que afirmou (e cito): «a minha mensagem é única e coerente. acredito fielmente na Comunicação. acho que os jogadores ouvem o que dizemos, sentem o que dizemos e tentam reproduzir isso nos 90 minutos. nem sempre foi assim, mas na maioria das vezes sim. não vejo necessidade de mudar a linha de Comunicação de, como ouço, “dar murros na mesa”. o importante é passar uma mensagem coerente e clara para os jogadores»? então, qual a surpresa de, na Amoreira, termos jogado com quatro médios?! pelo que afirma e em Absurdo, até poderemos jogar sem avançados frente ao spórtém…
o importante a reter, pelo menos para mim e considerando aquele pragmatismo que expus ali atrás, é que houve a assumpção de um erro na explanação daquele sistema de 4 médios. é que e pela primeira vez, Nuno resolveu mexer na Equipa e corrigir um sistema que não estava a resultar (de todo!) ainda na primeira parte do encontro. eu acho que esteve bem em emendar a sua decisão primeira, mas e pelo que pude ler na bluegosfera, até parece que foi cometido um qualquer sacrilégio… aliás, recordo-me de outras partidas “deste” FC Porto, “do” Espírito Santo, na primeira volta, em que nem chegámos a esgotar as três substituições a que temos direito por Lei e quando o jogo “pedia” algo (substancialmente) mais* (melhor?)…
[* dá para compreender um pouco mais (melhor?) a minha actual condição de “resignação”, aquele afirmar de um certo pragmatismo?…]

na partida na Amoreira também deu-se o caso de os primeiros 45′ terem sido amorfos, sem muita chama, sempre a dar a sensação de que estávamos a disputar a partida, mais do que para a vencer, antes para não sairmos de lá sem qualquer ponto conquistado. (infelizmente) já não é a primiera vez que o sinto e a gota de água, para mim, foram aqueles inexplicáveis vinte minutos finais da partida ante o 5lb, no Dragão – em que conscientemente se optou por resguardar o 1-0, qual equipinha pequenina e ante um adversário que, desde o primeiro minuto, se preocupou em não perder (aliás, aqueles festejos efusivos por se ter conseguido um empate, ao minuto 92′, assim o indiciam…).
por outro lado, também vi, ao longo dos 90′, que esta Equipa tem fibra, tem raça, tem carácter, tem garra e não se dá por vencida antes do apito final – e numa clara antítese, por exemplo, para a época transacta. nota-se, sente-se o Espírito de Grupo – e só assim se poderão justificar as reacções de Casillas e de Marcano, ao golo sofrido na Amoreira (num lance fortuito do Estoril, é certo, mas num remate perfeito e só defensável com os olhinhos). e, acho eu, esse deverá ser um mérito que, com toda a Justiça, se deverá imputar ao actual treinador do FC Porto**, ou não será assim?
[** curiosamente o mesmíssimo treinador cujos seus festejos, aquando do nosso segundo golo, foram postos em causa/severamente criticados/alvo de censura (!!!) – como se tivesse que haver um qualquer código de posturana altura de um momento orgásmico, como é o de um golo a favor do FC Porto…]
. 

em suma e como bem afirma o RCBC, na sua mais recente prosa:

.

« a pergunta que me coloco a mim próprio é: será razoável “pedir lagosta com champanhe”, até ao final do campeonato, em vez de “um bom bitoque com batata frita e coca-cola”?
para mim, a focalização até ao final da época deverá centrar-se sobretudo em termos um nível de eficácia e de competência, que nos permita arrecadar o máximo de pontos possível, com maior ou menor fulgor exibicional. […] sinceramente já estou preparado para assistir a “concertos de bombo” (e não «de ópera») e a “comer bitoque com batata frita” até ao final do campeonato. não se trata de falta de ambição ou de exigência, trata-se de realismo. »
.
.

© google | superporto
(clicar na imagem para ampliar)

.

também me foi dado ver e dentro do possível que a (fraca, péssima) realização da transmissão televisiva o permitiu, que e mais uma vez nesta época (que ainda não terminou), e tal&qual como as anteriores duas, que tivemos que lutar contra tudo, contra todos e contra os tolos do costume – i.e., e não há como o sonegar, contra uma equipa de apitadores que souberam (muito) bem ao que foram e desde o seu início (desde a sua nomeação). tenho para mim que o “servicinho” estava muito bem encomendado…

façamos um exercício simples de “supônhamos que” [brincadeira].
imaginemos que aquele fora-de-jogo, muito mal assinalado pelo mesmo bandeirinha que foi incessantemente pressionado pelo “illusionista” igualmente natural do País Basco, mas que comanda o Estoril, e que aconteceu aos 6′ do encontro, e que a imagem acima documenta o que a realização da transmissão televisiva não repetiu e o tribunal do pasquim do ‘quim oliveirinha não analisou, sonegando esse facto de forma despudorada, não o era. imaginemos que o lance decorria com a normalidade que deveria ter acontecido, e que faríamos o golo – algo muito provável de poder ter acontecido, não fosse esse lance indevidamente invalidado.
aos 7′ minutos, a vencer por 0-1, num campo tradicionalmente difícil e ante um opositor que, contra nós, não cede e tudo faz para (pelo menos) empatar o resultado – e ao invés do que acontece quando os outros, ditos “gloriosos”, lá vão passear – o jogo seria outro, certo? porventura não teria havido aquela sofreguidão final, aquela ânsia na procura de um golo que tardava em acontecer. e, se calhar, muitas das críticas que se teceram (e que ainda se tecem…), não teriam visto a luz do dia, correcto? pois…
mas, não foi nada disso que aconteceu e os 2 golos que marcámos também o foram contra a “encomenda” (do) oliveira, o apitador que nos sonegou duas grandes penalidades, não concedeu a lei da vantagem aos 18’, num lance em que optou por assinalar a falta (que existiu!) sobre Diogo Jota, quando Herrera e André² seguiam isolados para um golo certo, e que foi basto permissivo com a distribuição de “lenha”, de “cacete”, de “pau”, de porrada velha, por parte dos canarinhos – e que não os de Terras de Vera Cruz, que esses também sabem jogar à bola. os da Amoreira é mais às pernas dos jogadores…

já agora, um parêntesis para afirmar que a autêntica roubalheira, em termos de arbitragens, esta época, também atinge os jogos da Segunda Liga, mormente aqueles em que intervém o campeão nacional em título.
a imagem que se segue é só mais um exemplo, e refere-se à partida de 14 de Janeiro último, ante o Aves, num empate muito amargo…

.

© google | Tomo III
.

é por demais evidente o adiantamento do guardião do Desportivo local, no momento em que Fede Varela remata – algo que escapou ao apitador de serviço, certamente que por dificuldades de visão total desse lance, do ponto (nada) privilegiado em que se encontrava [modo de ironia ‘off‘]…
.

© fotos da curva | Tomo III
(clicar na imagem para ampliar)

.

por último, uma palavrinha para quem se diverte com o rebentamento de petardos em jogos de futebol e considera que (e cito) «’no pyro, no party, no fun‘»:

o vosso lugar não é no Futebol.
aliás: o vosso lugar é bem longe de recintos desportivos, estádios de futebol incluídos.
o que vocês fizeram, este Sábado, só dá razão a tod@s os que nos querem “muito bem” e que gloriosamente aguardam por momentos como esses para nos entalarem bem entaladinhos – por exemplo, no recolher de dados e/ou de factos em que as nossas claques estejam envolvidas e independentemente dos seus membros que prevaricaram, para imporem ao Clube (pelo menos) um jogo à porta fechada por «comportamento incorrecto do público» e «arremesso perigoso de objectos» – uma sanção prevista no art. 178º do Regulamento Disciplinar da Liga.

(e, note-se bem, que prezo muito o trabalho meritório das claques portistas, mas ele há momentos em que a crítica também deve ser tecida, de uma forma justa e objectiva, para o Bem de tod@s quant@s amam o Clube e independentemente da forma como o sentem.)
.

e, chegados aqui, com a interrupção da partida por duas vezes – uma delas quando estávamos a massacrar a defesa estorilista e dentro do que a adjectivação daquele verbo (massacrar) comporta na partida em causa – estou certo de que a multa que será dirigida à $AD portista, esta semana, será muito avultada* – porventura num total de 300 UCs (ponto 2., do art. 186º), sendo que cada UC tem o valor de 78 euros… «é só fazer as contas», parafraseando o outro… e também estou certo de que, apenso àquela multa, estará um aviso de que não haverá contemplações, numa próxima vez, porque… não haverá lugar a uma próxima vez.
[* a multa teve um total de 9028 euros (aqui, a pág. 7 e 8)].
.

.
disse!
.

concertação externa

© google
.

caríssim@,

aviso, desde já e porque o interregno dura quase há uma semana, que esta “posta de pescada”® será um tanto ou quanto extensa – vulgo testament… texto longo – pelo que não descurará aquela que é a imagem de marca deste espaço da bluegosfera. portanto e se assim o entenderes, não te esqueças de ir ao frigorífico buscar um chá de cevada, para acompanhares ao longo desta leitura (que será igualmente longa). e não!, não se trata de um eufemismo, pelo que não precisas de ir à rua, que está muito frio e tal; é mesmo ali à cozinha, onde guardas as geladinhas

também informo que a mesma vem no seguimento das denúncias que surgiram no último “Universo Porto – da bancada” (vídeo aqui) e destas outras aqui e aqui (da autoria do caríssimo Vila Pouca), e destoutras aquiaqui, aqui e aqui (da autoria do caríssimo Jorge Vassalo), cujos seus teor e finalidade subscrevo e na íntegra*.
(*e é para que se possa afirmar, à boca cheia, que, de facto, «isto dos blogues portistas está tudo concuminado» [sic], que efectivamente «somos todos uma cambada, uma seita do pior», e que «só publicamos as opiniões que a $AD nos impinge»… diz que, por vezes, também pensamos pela nossa própria cabeça, mas tem dias, porque é muito raro (para além de proibido)… <modo de ironia ‘off’>).

vamos lá, então, que se faz tarde e eu tenho os chouriços a curar…
.

© google | Tomo III
.

sim!, as duas capas que o pravda da Travessa da Queimada trouxe à estampa, no passado final-de-semana, são basto (© Silva) risíveis. basicamente, aos sabujos e pés-de-microfone, a soldo no jornalixo e nos me(r)dia tugas, saiu-lhes um «autocarro» pelo «mal menor» – a tod@s eles, sem excepção. temos pena (mas não muita)…

sim!, é verdade que o «professor» rui [pausa para sonora gargalhada] armou-se num finório velhaco dissimulado, quando afirmou (e cito, também para memória futura, com os negritos a serem da minha responsabilidade):

.

« foi um início atípico, a todos os níveis, nós a falhar algumas bolas e o Boavista a marcar nas três ocasiões que criou.
há um conjunto de irregularidades, mas não vou ser eu que vou estar a discutir isso.
há um conjunto de situações menos positivas, mas quero é falar de Futebol.
»
.

ele sabe, tal&qual como tod@s nós, que não precisa de abrir a boca.
ele sabe que há muito “boa gente” que se presta (preza?) a fazer o “trabalho de sapa” (ou será no Sapo, em Penafiel?…).
ele sabe que basta imitar o “parsidente”, e deixar que sejam os peões de brega a passar a “gloriosa” mensagem (cassete? propaganda?), muitas vezes previamente concertada e tantas e tantas vezes estudada, por forma a não falhar rigorosamente nada.
assim como ele sabe que só pode gozar deste beneplácito porque se encontra por Carnide. aliás, se dúvidas houver (que não há!), tome-se como exemplo o do «catedrático» da Segunda Circular que, só por ter atravessado a rua, já não tem o estatuto de que beneficiava há meros dois anos…
.

© google
.

a imagem gif acima data de um jogo, em em Setembro de 2015, a contar para a Champions. ainda hoje estou convencido de que foi pelo seu resultado final e pelo seu significado, que aí, em Kiev, começou o princípio do fim para «o basco», no nosso Clube.
ela está exposta para aqueles que julgam que o terceiro golo da agremiação portuense com nome de rotunda, em pleno galinheiro, foi «ilegal». é que, também ainda hoje, não esqueço o enxovalho público a que tod@s nós fomos sujeit@s, não só pelos lampiões, mas sobretudo por aqueles mesmos pasquineiros referidos ali em cima, que então atestaram da sua legalidade. efectiva e comprovadamente não têm coluna vertebral. nem dignidade. nem brio profissional. nem rigor. nem isenção. são uma cambada cheia de truques jornalísticos da treta, é o que é…
.

© pravda
(clicar na imagem para ampliar)

.

a imagem acima refere-se ao mais recente BRASÃO ABENÇOADO, da autoria de Pedro Marques Lopes, patente na edição impressa do pravda de hoje, e que também pode ser lido aqui, aqui e aqui (em jpg) e aqui (em pdf), e com o qual concordo. em. absoluto. (ouBistes, ó Silva? 😉 ).

dessa edição impressa fazem parte duas entrevistas: uma ao bitó pereira (aqui) e outra ao burgesso do sousa cintra (aqui). duas breves notas, sobre “ambas as duas”:

» da entrevista ao bitó ressalta a ideia de alguém muito ressabiado para com o FC Porto – não só nas pessoas que o dirigem, mas também para com os seus adeptos (massa assoBiativa em particular).
dessa entrevista, ressalvo aquela passagem em que afirma «vamos ver quando é que o FC Porto volta a ganhar». por mim, até podemos demorar mais dezanove anos que manterei, não só o meu Amor indefectível para com o Clube, como a mesma opinião sobre o bitó: bom moço, que já foi mais humilde do que o que é (ou então enganou bem…), mas que pôs a equipa a praticar um futebol que me deu sono. e por mais do que uma vez. e inclusive no estádio. e não fosse o Kelvin, em dois momentos, no Estádio do Dragão, ante os gverreiros lampiões do Minho, e não teria havido o “tal” ‘special K’.
.

» a entrevista ao burgesso tem honras de chamada de capa, no pasquim em causa, destacando-se um «no meu tempo era tudo viciado». lá dentro, a páginas 08, em grandes parangonas, lá vem o (estafado) «era Pinto da Costa a comandar as arbitragens» [longo suspiro].
a minha pergunta é só uma e sobre um «notável» da agremiação que ficou com a fama de depositar dois mil euros, a mando de um seu vice-presidente no activo, na conta de um árbitro assistente nas vésperas de uma partida para a Taça de Portugal: haverá responsabilidade criminal para este “cavalheiro”? é que o que ele afirma é grave, e punível na Justiça cível por crime de difamação, calúnia e injúria.

.
disse!
.